Buscar no Cruzeiro

Buscar

Sorocaba

Urbes apresenta projeto da nova rodoviária à comissão de moradores de Santa Rosália

Maioria dos representantes do bairro permanece contrária à iniciativa. Hoje tem audiência pública na Câmara

06 de Outubro de 2021 às 00:01
Marcel Scinocca [email protected]
"Assustou no projeto que eles querem pegar terrenos e fazer desapropriação. Fica mais caro". (Crédito: FÁBIO ROGÉRIO (5/10/2021))

A Urbes, responsável pelo gerenciamento do trânsito e do transporte de Sorocaba, apresentou ontem (5), à tarde, para uma comissão do bairro Santa Rosália, o projeto arquitetônico básico para a nova rodoviária da cidade. A apresentação ocorreu na sede da empresa pública, na zona sul da cidade, e foi restrita ao grupo de moradores e para membros da Câmara. A maioria que participou de encontro -- cinco ouvidas pela reportagem -- se mostrou contra a novo empreendimento no local.

Ao saírem do evento, os moradores mantiveram as manifestações contrárias à obra no local. “Falaram que ia ser uma construção vertical e não vai ser”, reclama William Hannickel. “Assustou no projeto que eles querem pegar terrenos e fazer desapropriação. Fica mais caro”, diz

“Tentaram argumentar sobre a vantagem de uma rodoviária intramuro. Mas eles não discutem os problemas que serão criados externamente. Essa é a nossa preocupação. Dentro é bonito, mas externamente, o que nos preocupa, eles não têm uma solução”, diz Carlos Eduardo dos Reis Leal. Os moradores Pedro Diniz e Eloir Brás também se mostraram contra o novo empreendimento.

Nove pessoas da comissão participaram do encontro. De acordo com eles, uma reunião com o prefeito Rodrigo Manga (Republicanos) deverá ocorrer no próximo dia 19 de outubro. A reportagem, que foi impedida de acompanhar o evento, não teve acesso ao projeto apresentado aos moradores. O vereador Ítalo Moreira (PSC), com assessores, participou do encontro. Fernando Dini (MDB) enviou representante.

Executivo não desistiu do local

"Ainda não desistimos de Santa Rosália", diz secretário Paschoini. - FÁBIO ROGÉRIO (5/10/2021)
"Ainda não desistimos de Santa Rosália", diz secretário Paschoini. (crédito: FÁBIO ROGÉRIO (5/10/2021))

“Fizemos a apresentação de um conceito da rodoviária, passamos alguns detalhes e esclarecemos algumas dúvidas”, afirma Carlos Eduardo Paschoini, secretário de Mobilidade e Urbana e Desenvolvimento Estratégico da Prefeitura de Sorocaba. “Temos vários estudos e várias áreas. Uma dessas áreas é em Santa Rosália”, explica. “A gente tem vários locais, mas ainda não desistimos de Santa Rosália”, conta.

Ainda conforme ele, o acesso para a rodovia SP-75, trecho Sorocaba, cujo nome é Senador José Ermírio de Moraes, conhecida como Castelinho, é o principal motivo para a escolha da área de Santa Rosália. “Das áreas que a gente está estudando, a questão da alça de acesso para a Castelinho é o ponto forte”, garante. De acordo com ele, dependendo da situação, o poder público teria que construir uma alça de acesso, o que aumentaria o custo da obra. Isso ocorreria se o local escolhido fosse no bairro Eldorado.

Paschoini ainda avaliou que os moradores foram atenciosos, mas que nunca serão convencidos de que aquilo é um algo bom. “Ninguém quer uma rodoviária perto de casa.” Ele também comentou que nem veículos e nem pessoas que acessarão a nova rodoviária, caso ela seja construída no local, terão acesso direto para o bairro.

Carlos Eduardo Paschoini também afirmou que não haverá impacto sonoro e ambiental para o local. “A gente está tentando ter um conceito de rodoviária diferente de hoje”, diz. Ele citou diversas deficiências da rodoviária atual, incluindo a questão do desembarque, da falta de controle de acesso e da falta de estacionamento, que seriam sanados no novo projeto.

O próximo passo, conforme o secretário, é apresentar o projeto para o chefe do Executivo e repassar as impressões colhidas dos moradores durante a apresentação. “É o prefeito quem vai decidir”, diz.

Sobre o local, são várias áreas de dois proprietários. Deverão ocorrer desapropriações. As áreas somam cerca de 55 mil metros quadrados e contará com áreas de convivência e lazer, lojas, além de conexão com outras modalidades e sistema de transporte, incluindo o urbano, intermunicipal e por aplicativo.

A ideia do governo atual é concluir a obra até 2024. Ao menos um dos donos dos terrenos estaria contra a desapropriação.

Audiência pública

A Câmara de Sorocaba realiza hoje (6) uma audiência pública para tratar do tema. O encontro deverá debater com a população os prós e contras do projeto da nova rodoviária de Sorocaba, ainda levando em consideração o novo empreendimento no bairro Santa Rosália. A intenção do encontro é analisar os impactos da construção do novo espaço, como as alterações no entorno, trânsito e mobilidade e questões ambientais.

O evento ocorrerá por iniciativa da vereadora Iara Bernardi (PT) e deverá contar com a participação do ex-vereador engenheiro José Francisco Martinez, do secretário de Mobilidade e Desenvolvimento Urbano, Carlos Eduardo Paschoini -- apesar de o secretário não saber do evento até a tarde de ontem, representantes de entidades ligadas ao urbanismo e moradores da região de Santa Rosália.

“Este é um debate que precisa da participação de toda a população, de todas as regiões. Não é uma discussão que interessa apenas aos moradores de Santa Rosália”, argumenta a vereadora.

O evento ocorrerá a partir das 16h e é aberto à participação popular, respeitando o limite de ocupação de um terço do plenário da Câmara, além de ser transmitida ao vivo pela TV Câmara (Canal 61.3, digital e aberto, e Canal 6 da NET) e nas redes sociais da Câmara de Sorocaba.

Início

As informações sobre a escolha do local como primeira alternativa para a nova rodoviária de Sorocaba foram divulgadas em agosto. De lá para cá, já ocorreram diversos atos contra a construção, incluindo reuniões e colocação de faixas em residências. (Marcel Scinocca)

Galeria

Confira a galeria de fotos