Buscar no Cruzeiro

Buscar

Sorocaba

Sorocaba registra 1.201 casos de dengue desde 1º de janeiro deste ano

Número de infectados já corresponde a 64,12% do total de ocorrências do ano passado

10 de Julho de 2021 às 00:01
Ana Claudia Martins [email protected]
Bloqueios de casos positivos e suspeito é uma forma de combate à doença.
Bloqueios de casos positivos e suspeito é uma forma de combate à doença. (Crédito: ARQUIVO)

Sorocaba já confirmou em 2021 no total 64,12% casos de dengue em relação a todo o ano passado, quando a cidade registrou 1.873 casos da doença. Segundo a Prefeitura de Sorocaba, desde 1º de janeiro de 2021 até o momento, a cidade já confirmou o total de 1.201 casos de dengue, sem óbitos. Em 2020, uma pessoa morreu por conta da doença.

Questionada a respeito, a Secretaria da Saúde de Sorocaba (SES), o município não vive momento epidêmico de dengue, mas é de extrema importância a conscientização da população no combate ao mosquito Aedes aegypti.

Segundo a SES, agora é época de preparação para o próximo período mais quente, e a Prefeitura de Sorocaba está intensificando os trabalhos nas áreas mais vulneráveis. Foi iniciada uma atividade de força-tarefa, que conta com três caminhões para a retirada de materiais que possam acumular água e serem potenciais criadouros do mosquito.

Uma das principais atividades de prevenção e controle das arboviroses (dengue, chikungunya, zika e febre amarela) é o bloqueio de casos positivos, ou suspeitos, em que as equipes de agentes da Divisão de Zoonoses realizam visitas nos imóveis ao redor. “Essas visitas têm o objetivo de bloquear a transmissão das doenças por meio da redução da infestação do vetor, remoção e/ou tratamento de possíveis criadouros, orientação da população sobre sinais e sintomas das doenças e formas de prevenção e, ainda, buscar identificar novos casos das doenças”, informa a pasta municipal.

Outra ação complementar à atividade de bloqueio é a aplicação de veneno, conhecida como “nebulização”. Esse trabalho visa diminuir a infestação de mosquitos adultos possivelmente infectados. A aplicação de veneno só pode ser realizada quando há constatação de um caso positivo ou suspeito de arbovirose na região delimitada, ou seja, não pode ser realizada de forma rotineira. O uso do veneno deve ser feito com critério técnico, para se evitar danos ao meio ambiente e resistência do Aedes aegypti ao princípio ativo.

A SES informa ainda que denúncias de criadouros do Aedes aegypti podem ser feitas por meio do canal 156 ou pelo site da Prefeitura neste endereço da internet ou, ainda, em uma das Casas do Cidadão. Também é possível registrar a ocorrência pelo WhatsApp da Ouvidoria Geral do Município, pelo número: (15) 99129-2426, das 8h às 17h. Em seguida, uma equipe técnica vai ao local e faz a inspeção da área para tomar as devidas providências.

Dengue explode em cidades da Região Metropolitana

Em pelo menos duas cidades da Região Metropolitana de Sorocaba (RMS), Itu e Itapetininga, os casos explodiram em 2021 em relação a todo o ano de 2020. Segundo a Prefeitura de Itu, em todo o ano passado, o município registrou no total 80 casos da doença na cidade, contra 385 de início de janeiro até o momento.

Já a Prefeitura de Itapetininga informou que em todo o ano passado a cidade registrou no total somente 35 casos de dengue. Porém, de acordo com o Departamento de Vigilância Epidemiológica de Itapetininga, até o momento, são 1.476 casos confirmados da doença em 2021.

Para tentar conter o avanço da dengue em Itu, a prefeitura informa que a Secretaria Municipal de Saúde, neste momento, considera que a transmissão está praticamente controlada, sendo que o registro do caso mais recente ocorreu há três semanas.

Além disso, a pasta municipal, por meio do serviço de Controle de Vetores e da Vigilância Epidemiológica, realiza trabalho contínuo ao longo do ano, tanto para o controle do vetor quanto a busca ativa e acompanhamento dos casos suspeitos e confirmados da doença.

“Em relação ao controle do vetor, devido à pandemia, foi necessário elaborar algumas estratégias uma vez que muitos munícipes não mais autorizam os agentes de controle a entrarem nos imóveis para vistoria. O trabalho de vistoria casa a casa ganhou o formato de portão a portão, a fim de manter orientações à população. Além disso, o serviço realiza o controle químico quando necessário, por meio de nebulizações constantes.”

Atualmente, o município executa o Plano de Intensificação das Ações de Combate às Arboviroses, com visita às áreas com histórico de maior registro de casos da doença, com vistas ao próximo ano”, informa.

E a Prefeitura de Itapetininga informa que segue com as ações da “Operação Itapê + Limpa”, com retirada de materiais, limpeza de ruas e roçagem. Desde o início do ano, mais de 150 localidades, entre área urbana e rural, já receberam os serviços.

Também estão realizados no município os mutirões “Itapê + Limpa”. Até o momento, seis bairros já receberam os serviços. Ao todo mais de 540 toneladas de materiais inservíveis foram retiradas, o equivalente a 73 caminhões. Nesses locais, além do recolhimento de materiais, as equipes de controle de vetores percorrem as residências fazendo a inspeção e dando orientações aos moradores. Entre outras ações. (Ana Cláudia Martins)