Buscar no Cruzeiro

Buscar

Sorocaba

Manga estuda levar escola cívico-militar para a periferia

Em entrevista na Cruzeiro FM 92,3, prefeito afirmou que quer também o modelo no Ensino Fundamental 1

27 de Maio de 2021 às 00:01
Da Redação [email protected]
Prefeito Rodrigo Manga concede entrevista todas às quartas-feiras à Cruzeiro FM 92,3.
Prefeito Rodrigo Manga concede entrevista todas às quartas-feiras à Cruzeiro FM 92,3. (Crédito: Arquivo / Cruzeiro FM 92,3)

O prefeito Rodrigo Manga (Republicanos) disse nesta quarta-feira (26), em entrevista à rádio Cruzeiro FM 92,3, que pretende levar o programa federal da escola cívico-militar para unidades da periferia de Sorocaba.

Ele afirma ainda que caso a Justiça não permita a implantação do programa na EM Matheus Maylasky, cuja instalação segue suspensa, a Prefeitura pretende escolher outra unidade municipal para que a cidade não fique fora do programa.

Manga disse ainda que irá propor ao Ministério da Educação que o programa da escola cívico-militar possa ser implantado em escolas municipais do ensino fundamental 1, pois em Sorocaba a rede municipal de ensino possui várias escolas municipais nos bairros da periferia, o que seria um dos critérios para a instalação do programa em uma determinada unidade escolar.

O prefeito disse ainda que o programa também prevê que a instalação de escola cívico-militar seja feita em unidade escolar que possui índices mais baixos no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), o que não é o caso da EM Matheus Maylasky. “O problema é que praticamente não há escola municipal na periferia da cidade do ensino fundamental 2 e em bairros mais periféricos da cidade. Vou aproveitar que tenho agenda em breve em Brasília, e vamos solicitar ao Ministério da Educação a possibilidade de abrir uma exceção no caso de Sorocaba, e permitir que pelo menos uma escola municipal de ensino fundamental 1 e da periferia seja incluída no programa da escola cívico-militar, para que a cidade não fique fora do programa”, destaca.

Manga também afirmou que a Prefeitura recorreu e continua aguardando o julgamento do mérito sobre a questão da instalação da escola cívico-militar na EM Matheus Maylaskyi. (Da Redação)