Buscar no Cruzeiro

Buscar

Sorocaba

Em 30 dias, litro do etanol sobe 11% em Sorocaba, aponta ANP

15 de Maio de 2021 às 00:01
Marcel Scinocca [email protected]
Variação de preço nos postos da cidade pode chegar a 22% mostra pesquisa.
Variação de preço nos postos da cidade pode chegar a 22% mostra pesquisa. (Crédito: FÁBIO ROGÉRIO)

O preço do litro do etanol em Sorocaba aumentou 12% nos últimos 30 dias e não é mais viável economicamente para os carros flex. Em um ano, o reajuste foi de mais de 75%. A variação entre um posto e outro pode chegar a 25% na cidade. Os dados são da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O clima é apontado como um dos fatores para a alta nos preços.

De acordo com as informações, coletadas pela agência em 11 de maio, o menor preço do litro do produto em Sorocaba era de R$ 3,57. O maior de R$ 4,59. Com isso, a variação era de até 25% entre o maior e o menor. O preço médio, ainda segundo a ANP, era de R$ 3,96.

Com preço médio de R$ 3,54 em abril e R$ R$ 3,96 em maio, o aumento foi de 12% no período. Essa pesquisa foi realizada em 56 postos de cidade.

Pelas ruas de Sorocaba não é difícil encontrar essa variação, mostrada pela ANP. A reportagem do Cruzeiro do Sul percorreu na quinta-feira (13) várias avenidas da cidade e constatou diferença de até 14% entre um posto e outro. O mais barato vendia o litro do combustível a R$ 3,79 e o mais caros a R$ 4,39. Entretanto, na sexta-feira (14) já havia ao menos um posto na cidade vendendo o produto a R$ 4,69 o litro.

O percentual de aumento ainda é maior se considerado os mesmo preços praticados no mesmo período do ano passado. Esse percentual pode chegar a 77,5%. Isso quando considerado o preço médio do produto, que era de R$ 2,23, com preço desta semana, que tem média de R$ 3,96.

Não é mais viável

Ainda conforme o levantamento da ANP, não é mais viável utilizar o combustível da cidade para quem tem carro flex. Isso porque, o preço médio do derivado de cana-de-açúcar custa 77,6% do valor médio do litro do combustível de petróleo. Apesar de não ser consenso, a regra é que o etanol deve custar até 75% do valor da gasolina. Essa conta depende de cada veículo e de uma série de outros fatores. Vale lembrar que o percentual de 70% era uma estimativa de quando o carro flex foi lançado no Brasil, em 2003.

Estabilidade

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado São Paulo (Sincopetro), em Sorocaba, Jorge Marques explica que vários fatores estão influenciando na situação de alta do etanol na cidade, em especial, a redução na safra. “Com a falta de chuva em algumas regiões, houve diminuição da safra. Está faltando produto e por isso a subida do preço”, explica. Ainda conforme ele, o valor do óleo diesel, insumo usado pelas usinas também influenciou no valor do etanol.

Ele também contou que percebeu mudança de comportamento do consumidor sorocabano, que está migrando para a gasolina. “Com o rendimento da gasolina, o consumidor já começa a perder o interesse pelo etanol”, comenta. Marques acredita em uma estabilidade no preço e espera que a haja menos pressão do valor do produto. Entre as possibilidades para isso, a redução na mistura com a gasolina e até a importação de etanol de milho. (Marcel Scinocca)