Sorocaba e Região

Na rede municipal, 2021 será ano de recuperação

Na rede municipal, 2021 será ano de recuperação
Nas municipais, 2021 será um ano de recuperação contínua. Crédito da foto: Fábio Rogério / Arquivo JCS (10/3/2020)

Em fase de organização das escolas da rede municipal para o ano letivo 2021, a Secretaria da Educação (Sedu) de Sorocaba afirma que no ano que vem será feito um trabalho de recuperação contínua com os alunos, com o intuito de suprir eventuais lacunas de aprendizagem.

Conforme a Sedu, para tal, a equipe técnica da secretaria está preparando as orientações de planejamento para o ano letivo de 2021. Neste momento a Sedu está em fase de projeção e organização das escolas em relação à demanda de vagas para a rede municipal em 2021. Em fase de conclusão, estima-se que esta atividade seja concluída na 2ª quinzena de outubro.

Isso porque a Prefeitura de Sorocaba já decidiu, por conta da pandemia da Covid-19, que as aulas presenciais não retornam mais este ano na rede municipal de ensino.

Enquanto isso, a Sedu afirma que em 2020, as aulas ocorrem de modo remoto, por meio das atividades não presenciais, que consideram a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o Currículo Paulista, buscando desenvolver as habilidades e competências previstas para cada ano/etapa. Também para o ano letivo 2021, a Sedu afirma que não haverá mudanças em relação às
turmas em tempo integral do ensino fundamental.

Já em relação às creches, no entanto, a Sedu aponta que só será possível saber após a projeção em relação à demanda de vagas para o ano que vem.

Uma coisa pelo menos já é dada como certa pela pasta: demanda maior por conta da pandemia, com transferências advindas de outras cidades e estados, além de migração de alunos da rede particular para a pública. No entanto, todos os estudantes com idade no ensino obrigatório estão regularmente matriculados e terão direito à rematricula para 2021.

Gestão compartilhada

A Sedu também informou que a gestão compartilhada irá continuar na rede municipal de ensino em 2021. De acordo com a pasta, a princípio, as 20 creches de gestão compartilhada e as nove unidades conveniadas continuarão com suas atividades normais. A gestão compartilhada vai continuar nas mesmas unidades escolares, com as mesmas entidades e com a mesma etapa: crianças de 0 a 3 anos.

Porém, em julho deste ano, a Prefeitura de Sorocaba reduziu em 50% o valor dos repasses mensais dos atuais contratos com entidades sociais que desenvolvem a gestão compartilhada. A medida atingiu sete contratos de 20 Centros de Educação Infantil (CEI). A Sedu justificou a decisão por conta da queda na arrecadação municipal.

A gestão compartilhada no ensino municipal foi iniciada em 2019, ainda durante o mandato de José Crespo (DEM). Após ele ter sido cassado pela Câmara, em 2 de agosto daquele ano, o processo teve continuidade com a prefeita Jaqueline Coutinho (PSL), que chegou a inaugurar unidades cuja administração ficou sob responsabilidade do terceiro setor.

A ideia inicial era realizar a gestão compartilhada em 24 unidades escolares. O tema chegou a ser judicializado e a proposta foi reprovada pelo Conselho Municipal de Educação de Sorocaba. (Ana Cláudia Martins)

Comentários