Sorocaba e Região

Mulher atingida por arma de choque entra na Justiça contra Prefeitura

Guarda civil municipal feriu a paciente no Pronto-Atendimento do Parque Laranjeiras
Célia Ramos de Jesus Feitosa foi ferida no abdômen. Crédito da foto: Reprodução

A defesa de Célia Ramos de Jesus Feitosa, 43 anos, entrou com uma ação na Justiça contra a Prefeitura de Sorocaba. A indenização de danos morais decorrentes de lesões corporais foi estipulada no valor de 60 salários mínimos, equivalentes a R$ 57.240. Por meio de nota, o governo municipal informou não ter sido notificado oficialmente pela Justiça.

A ação foi conduzida pelo advogado Mauricio Vital Moreira de Souza Neto e entregue nesta terça-feira (6) ao Juizado Especial da Fazenda Pública. Célia acusa um Guarda Civil Municipal (GCM) de atingi-la com uma arma de choque na região do abdômen dentro do Pronto-Atendimento do Parque do Laranjeiras, em Sorocaba.

Célia fazia uma transmissão ao vivo, por meio do Facebook, dentro da unidade de saúde, para informar a falta de médicos. Logo em seguida, ela acabou ferida com o disparo e caiu no chão.

Segundo Célia, a recepção informou que havia quatro médicos de plantão. Porém, ela mostra no vídeo os consultórios vazios.

Leia mais  Corregedoria vê ‘divergências entre imagens’ em ação de GCM contra mulher

Pelo vídeo, a pouco mais de 5 minutos, ela filma o momento em que o GCM pede para ela parar de filmar, mas diante da negativa dela, o GCM eleva a voz, determinando que ela desligue o celular. Porém, ela se nega e diz que é preciso mostrar o que está acontecendo para os vereadores. Sem ser obedecido, o GCM investe contra Célia, a segura pelo braço e dispara a arma de choque contra a barriga dela.

Segundos depois, a filmagem reaparece com Célia chorando, gritando de dor e mostrando onde foi atingida na barriga, afirmando que tem hérnia. Numa sequência do vídeo, o GCM aparece arrastando outro rapaz pelo tronco, pois ele tentava evitar que o GCM pegasse na mulher novamente.

Prefeitura de Sorocaba

Por meio de nota, a Prefeitura de Sorocaba lamentou o incidente envolvendo a cidadã Celia Ramos, no Pronto-Atendimento do bairro Laranjeiras, e veio a público para informar que a Corregedoria Geral do Município instaurou processo investigativo para apurar as responsabilidades. A Secretaria de Saúde entendeu que não se justificou a reclamação da cidadã, pois apenas quatro pessoas aguardavam atendimento além dela. No momento em que decidiu fazer transmissão ao vivo pela rede social denunciando a ausência de médicos, havia quatro profissionais no PA.

Comentários