fbpx
Sorocaba e Região

MP recomenda que Câmara de Sorocaba não pague Marinho Marte

O parlamentar é suspeito de improbidade administrativa
O vereador Marinho Marte em um dos seus muitos discursos na Câmara de Sorocaba - ARQUIVO JCS/ LUIZ SETTI (27/10/2016)
O parlamentar é suspeito de improbidade administrativa – ARQUIVO JCS/ LUIZ SETTI (27/10/2016)

O Ministério Público Estadual recomendou, na quarta-feira, que a Câmara de Sorocaba suspenda qualquer tipo de pagamento ao ex-secretário e vereador afastado Marinho Marte (PPS). Após ter sido afastado das funções de secretário na Prefeitura desde março de 2018, no dia 2 deste mês ele foi exonerado pela prefeita Jaqueline Coutinho (PDT). Em contrapartida, também não pode voltar à Câmara como vereador enquanto não forem resolvidas suas pendências judiciais.

O parlamentar é suspeito de improbidade administrativa por suposta cobrança de “mensalinho” de ex-funcionários de gabinete. Isso diz respeito a suposta cobrança de parte dos salários de assessores do seu gabinete, em legislatura anterior a iniciada em 2017. O MP argumentou que antes de fazer o pagamento, o Legislativo deveria ter discutido a decisão no processo que corre na Justiça.

Leia mais  Jaqueline Coutinho exonera Zuliani e Marinho Marte, secretários afastados

 

Câmara

Em nota, a Câmara informou que a decisão do pagamento foi tomada após parecer favorável da Secretaria Jurídica do Legislativo. O parecer foi baseado no requerimento protocolado por Marinho Marte, na qual justifica que ele não perde seu mandato de vereador, mesmo afastado judicialmente do cargo.

“A Secretaria Jurídica está analisando a recomendação encaminhada pelo Ministério Público e a Secretaria de Gestão Administrativa informou que ainda não foi feito qualquer pagamento ao requerente (Marinho)”. (Carlos Araújo)

Leia mais  Marinho Marte não pode retornar à Câmara de Sorocaba, diz promotor

 

Comentários