Sorocaba e Região

Motoristas de aplicativos voltam a protestar

Queixa é sobre o aumento do preço dos combustíveis e o início da fase vermelha no Estado de São Paulo
Motoristas de aplicativos voltam a protestar
Concentração foi às 18h próximo ao CIC. Encerramento aconteceu às 21h na avenida Itavuvu. Crédito da foto: Ana Cláudia Martins

Motoristas de aplicativos realizaram mais um protesto contra o aumento no preço dos combustíveis no início da noite de ontem (5) em Sorocaba. É a segunda manifestação da categoria na semana pelo mesmo motivo. O protesto anterior ocorreu na última quarta (3). Eles também protestaram contra a gestão do governador João Doria (PSDB) e o início da fase vermelha, em vigor a partir de hoje (6), em todo o Estado. No total, a manifestação reuniu entre 50 a 100 veículos.

A concentração começou às 18h, na rua Capitão Carlos M. Oetterer, em frente à praça do CIC, no bairro Jardim Santa Rosália. Por volta das 19h, os carros saíram em carreata percorrendo as principais avenidas da cidade.

A carreata seguiu pela avenida Dom Aguirre e em seguida seguiu pela marginal da Raposo Tavares até o bairro Campolim, passando pelas avenidas Antônio Carlos Comitre, Barão de Tatuí, Moreira César, Eugênio Salerno, Afonso Vergueiro, General Osório e em seguida a Itavuvu, onde o protesto foi encerrado por volta das 21h, próximo a um shopping.

Leia mais  GCM notifica18 estabelecimentos comerciais durante ação integrada

Um dos organizadores da manifestação, Jefferson Gonçalves dos Santos Júnior, disse que os sucessivos aumentos no preço dos combustíveis têm prejudicado a categoria, reduzindo os ganhos dos motoristas por aplicativos. Ele afirma que trabalha há dois anos como motorista e que ultimamente está cada vez mais difícil por conta do preço dos combustíveis, que não para de subir. “Todo dia praticamente um preço diferente, o etanol subiu demais, e prejudica muito a nossa atividade”, reclama.

Na segunda-feira (1º), a Petrobras anunciou o quinto reajuste do ano, com uma alta de 5% no preço do diesel e 4,8% da gasolina nas refinarias.

Os motoristas também reivindicam a baixa nos valores dos impostos que incidem no preço dos combustíveis, como o sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Além de motoristas por aplicativos, motoboys também participaram da carreata. (Ana Cláudia Martins)

Comentários