Sorocaba e Região

Mortes na Raposo Tavares já superam as de todo ano passado em Sorocaba

De janeiro a setembro, 9 pessoas perderam a vida em acidentes no trecho urbano; em 2018 foram 7 vítimas
Mortes na rodovia já superam todo ano passado
Segundo levantamento da Polícia Rodoviária, em nove meses foram 255 ocorrências de acidentes no trecho. Crédito da foto: Fábio Rogério (17/9/2019)

O número de mortes provocadas por acidentes neste ano na rodovia Raposo Tavares, em Sorocaba, no trecho urbano do km 92 ao km 110, já ultrapassou o total de mortes registradas em 2018. Os dados são do 5º Batalhão de Polícia Rodoviária. Segundo o levantamento feito a pedido do Cruzeiro do Sul, de 1º de janeiro a 16 de setembro de 2019, nove pessoas perderam a vida em acidentes na rodovia. Em todo ano passado foram sete mortes.

Ainda de acordo com os dados, este ano a Polícia Rodoviária já registrou o total de 255 acidentes na Raposo Tavares  em Sorocaba. Em 2018 foram 383 ocorrências. O que chama a atenção é que esses acidentes ocorreram em um trecho de apenas 18 quilômetros, entre o km 92 ao km 110, que corresponde ao trecho urbano da rodovia.

Além das mortes, os acidentes também deixam muitos feridos. De acordo com os números da Polícia Rodoviária, este ano os 255 acidentes registrados na Raposo em Sorocaba já deixaram 90 pessoas feridas. E em todo o ano passado, os 383 acidentes deixaram 135 feridos.

Os números dos acidentes registrados na rodovia, tanto em 2019 quando em 2018, revelam a ocorrência de menos um caso por dia no trecho da Raposo que corta a cidade. No ano passado houve até mais de um acidente por dia, já que o ano tem 365 dias e em todo o ano de 2018 foram computados 383 ocorrências.

Leia mais  Manutenção em viaduto interdita pista da Raposo

 

O Cruzeiro do Sul também questionou a Polícia Rodoviária sobre os locais com maior incidência de acidentes ao longo do trajeto de 18 quilômetros da Raposo em Sorocaba. Mas, segundo a corporação, “existe uma multiplicidade de locais, não sendo possível precisar os pontos que mais ocorrem os acidentes. Todavia, o policiamento rodoviário busca reforçar o policiamento nos trechos com maior índice de criminalidade e de acidentes com vítimas graves e fatais, a fim de proporcionar maior segurança aos usuários da rodovia”, diz.

Veículos leves predominam

A reportagem também questionou a respeito da participação dos tipos de veículos nos acidentes que são registrados na Raposo. Segundo os dados da Polícia Rodoviária, os automóveis são os veículos que mais constam nos registros das ocorrências, seguidos dos caminhões, motocicletas, ônibus e bicicletas. Porém, é preciso levar em conta que a frota de automóveis costuma ser maior em relação aos demais tipos de veículos em circulação em todo o País.

De acordo com os dados do 5° Batalhão de Polícia Rodoviária, em 2019, até o momento, 319 automóveis se envolveram em acidentes na Raposo Tavares em Sorocaba. Já os caminhões somaram 66, as motocicletas 50, os ônibus quatro e três bicicletas.

Em 2018, segundo os dados, os automóveis também lideram as ocorrências de acidentes na rodovia: 504 carros envolvidos. Os caminhões somaram 85, as motocicletas 80, os ônibus três e as bicicletas quatro.

Imprudência no trânsito é principal causa

Mortes na rodovia já superam todo ano passado
Direção defensiva ajudaria a reduzir vítimas de acidentes. Crédito da foto: Fábio Rogério (17/9/2019)

As principais causas de acidentes nas rodovias estão relacionadas a imprudência dos próprios condutores. De acordo com dados do Observatório de Trânsito do Policiamento Rodoviário, em relação às fiscalizações, as cinco infrações de trânsito que mais geram acidentes ou aumentam a gravidade da vítima são: uso de bebidas alcoólicas na condução dos veículos; excesso de velocidade; ultrapassagem em local proibido; infrações envolvendo motocicletas, e não uso do cinto de segurança.

Leia mais  Comerciante é preso por morte de seis pessoas na Raposo Tavares em 2014

 

“Sendo assim, as ações do policiamento rodoviário são focadas em coibir as condutas acima citadas”, apontou em nota o 5° Batalhão de Polícia Rodoviária.

A Polícia Rodoviária destaca também que existem três fatores que compreendem a segurança viária nas rodovias: engenharia, educação e fiscalização de trânsito. Porém, a competência principal do policiamento rodoviário é a fiscalização, cabendo a engenharia e a educação aos demais órgãos de trânsito do Estado.

Campanhas educativas

O Cruzeiro do Sul também questionou a concessionária da Raposo Tavares, que administra o trecho da rodovia em Sorocaba, a CCR ViaOeste, sobre o total de acidentes, mortos e feridos. A empresa disse que faz um levantamento diferente do realizado pela Polícia Rodoviária, pois presta aos usuários outros tipos de atendimentos, além das ocorrências de acidentes.

A ViaOeste afirma que realiza campanhas com foco na sensibilização de pedestres, ciclistas, motoristas e caminhoneiros, cujo objetivo é incentivar a mudança de comportamentos que provocam riscos no trânsito e, principalmente, reduzir acidentes.

Para marcar a Semana Nacional do Trânsito, que começa hoje e vai até quarta (25), os profissionais da concessionária promoverão ações para alertar diretamente os públicos que fazem uso da rodovia e suas adjacências. Em Sorocaba, por exemplo, haverá ações hoje, e nos dias 21, 22 e 25 para a conscientização de pedestres e distribuição de folhetos com orientações sobre a travessia segura das rodovias e utilização de passarelas.

Leia mais  Travessia da Raposo oferece riscos aos pacientes do novo Hospital Regional

 

Também haverá distribuição de folhetos e orientação sobre os riscos da utilização do acostamento para deslocamentos de pedestres e ciclistas. Outra ação é a campanha “Zero Álcool” para conscientização de motoristas e motociclistas com entrega de folhetos contendo orientações, além da utilização de óculos simulador de embriaguez.

Na próxima reportagem da série sobre a Raposo Tavares, a reportagem irá entrevistar motoristas e demais usuários ao longo da rodovia para saber quais são as principais reclamações. Leia na edição de amanhã no Cruzeiro do Sul. (Ana Cláudia Martins)

Comentários

CLASSICRUZEIRO