Sorocaba e Região

Ministério Público pede à Justiça o afastamento da prefeita de Araçariguama

Lili é esposa de Carlos Aymar, preso pela acusação de cobrar e receber propina na Prefeitura
A prefeita de Araçariguama, Lili Aymar, e o marido, Carlos. Crédito da Foto: Divulgação

O Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) pediu na Justiça o afastamento imediato de Lili Aymar do cargo de prefeita de Araçariguama. O pedido foi feito nesta terça-feira (15) em uma ação civil pública que tramita na 1ª Vara Civil do Foro de São Roque.

Leia mais  Carlos Aymar tem prisão preventiva decretada após receber propina em Araçariguama

 

Lili é esposa de Carlos Aymar, preso na segunda-feira (14), acusado de cobrar e receber propina para liberar um empreendimento imobiliário na cidade. Ele foi preso dentro da Prefeitura de Araçariguama. Apesar de não ter cargo do Executivo, segundo a investigação, Aymar tinha poder de mando e até uma sala no prédio público.

Na ação, o MP alega que recebeu denúncia que motivou um inquérito civil em 2017. Nela, havia a informações no sentido de que Carlos Aymar, ex-prefeito de Araçariguama, estaria exercendo verdadeiramente as funções de prefeito municipal. Três representações foram recebidas com a mesma denúncia.

“A prisão em flagrante de Carlos Aymar na sala por ele mantida no interior da Prefeitura Municipal de Araçariguama, de onde realizava toda a atividade de comando do município, espanca por fim qualquer dúvida de que ele, e não Liliane, é o prefeito de fato de Araçariguama”, afirma em trecho da ação os representantes do MP.

Ainda segundo a instituição, Carlos Aymar ia verificar situações “a mando da prefeita” e se envolvia em perseguições contra funcionários públicos concursados. “A ousadia dos réus é tamanha que na placa de inauguração da sede administrativa “Pedro Ferreira da Silva” o nome de Carlos Aymar, pessoa totalmente estranha à Prefeitura Municipal, consta como representante da população na inauguração”, lembra o MP.

O Ministério Público cita ainda que houve situações em que Aymar discursou, como em uma inauguração da Secretaria de Esportes. “[Aymar] pede desculpas pelo atraso. Exalta que a prefeita está preocupada com o esporte e integrando as equipes para participação de evento esportivo. Liliane apenas aplaude atrás de Carlos Aymar”, acrescenta o MP.

Conforme o Ministério Público, em uma das denúncias, há amostras de como Aymar se comportava em redes sociais. “Carlos se vangloria de estar se dirigindo a Brasília para captar recursos para o município, sem qualquer menção à presença da prefeita eleita Liliane”, cita.

Como medida liminar, o MP pede na ação o afastamento de Lili ou a concessão de liminar, em tutela de urgência, para o fim de suspender imediatamente ela do cargo de prefeita municipal de Araçariguama, com prejuízo dos vencimentos, fixando multa diária de R$ 10 mil em caso de descumprimento.

O MP pede também que, ao final, julgar procedente a ação para o fim de reconhecer a prática de ato de improbidade administrativa e aplicar a Liliana Medeiros de Almeida Aymar Bechara e Carlos Aymar Srur Bechara as sanções previstas na legislação. Além disso, o MP pede ainda a condenação ao ressarcimento do valor total da lesão ao erário, com atualização monetária pelos índices oficiais de correção e acrescidos de juros de mora na taxa legal.

Por fim, o MP pede a condenação do casal ao pagamento das custas, emolumentos, encargos e demais despesas processuais, inclusive eventuais perícias requeridas no curso do processo.

O pedido do MP é assinado pelos promotores Suzana Peyrer Laino Ficker, Wilson Velasco Junior e Washington Luiz Rodrigues. Até às 20h deste terça-feira (15), o processo estava na condição de “conclusos para decisão”.

A Prefeitura de Araçariguama afirmou que não foi notificada e, por isso, não se posicionará sobre o pedido do MP. (Marcel Scinocca)

Comentários