Covid-19 Sorocaba e Região

Atendimentos de Covid-19 caem 40% após medidas restritivas, afirma Manga

Mais 20 leitos Covid, sendo 18 clínicos e dois com suporte ventilatório avançado, já podem receber pacientes no Éden
Prefeito de Sorocaba, Rodrigo Manga, anuncia mudanças em medidas restritivas. Crédito da foto: Fábio Rogério (6/4/2021)

A série de novas medidas para enfrentamento da pandemia de Covid-19 adotadas recentemente pela Prefeitura de Sorocaba reduziu em aproximadamente 40% a procura por atendimentos relacionados à doença nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Unidades Pré-hospitalares (UPHs). Já o total de pacientes com a doença internados em UPHs, mas com recomendação de transferência para hospitais, caiu 57%. As afirmações foram feitas pelo prefeito Rodrigo Manga (Republicanos), durante coletiva de imprensa no Paço Municipal, no Alto da Boa Vista, na tarde desta terça-feira (6).

Na ocasião, Manga também informou mudanças em algumas das ações implantadas pelo Executivo e o início do funcionamento de novos leitos Covid em três unidades de saúde municipais. Falou, ainda, sobre uma reunião com o Instituto Butantan, cujo objetivo é conseguir a autorização para a compra de doses da vacina CoronaVac.

Na coletiva, igualmente estavam presentes  o vice-prefeito, Fernando Martins da Costa Neto (PSD), conhecido como Fernando do Clube São Bento, o secretário da Saúde, Vinícius Rodrigues, o líder de governo na Câmara de Vereadores, vereador João Donizeti (PSDB), bem como os parlamentares Vinícius Aith (PRTB), Fausto Peres (Podemos) e Vitão do Cachorrão (Republicanos).

Segundo o prefeito, nos últimos dias, a maior redução nos atendimentos relativos ao coronavírus foi registada na UPH Zona Leste, com queda de 55%. Na sequência, estão a UPH Zona Oeste, com diminuição de 45%, e a unidade Zona Norte, com decréscimo de 33%.

As ações, completou Manga, igualmente contribuíram para reduzir o número de pacientes com Covid-19 que estão internados em UPHs e precisam ser encaminhados para hospitais. Segundo ele, no dia 27 de março, 152 pessoas aguardavam transferência. Atualmente, há 66 na fila, queda de 57%. Apesar de esperarem por leitos, acrescentou, as pessoas internadas nas UPHs recebem o atendimento necessário nas unidades.

Leia mais  Votorantim disponibiliza aulas online gratuitas de atividades físicas

Manga atribui os resultados às medidas para frear a propagação do vírus implementadas pela administração municipal, nos últimos dias. São elas: a instalação de barreiras sanitárias, para orientar motoristas vindos de fora da cidade; a vacinação da população; a liberação do tratamento precoce para a Covid-19; a ampliação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e de  enfermaria Covid nas unidades de saúde municipais; a antecipação de feriados; a intensificação das fiscalizações contra aglomerações e pancadões; a criação de seis Unidades Básicas de Saúde (UBSs) sentinelas, dedicadas exclusivamente para o atendimento de pacientes com a doença; e a ampliação da frota de ônibus do transporte público.

Outro fator apontado pelo prefeito como determinante para a diminuição foi o reforço da rede pública de saúde. No final de março, a Prefeitura inaugurou mais 60 leitos Covid, sendo 20 de internação na UPH Norte, na avenida Itavuvu; outros 20 do mesmo tipo na UPH Leste, na rua Nogueira Padilha; e mais 20 de internação na UPA do Éden, às margens da Avenida Independência. Conforme ele, do total de leitos, 24 (40%), são de UTI, e os demais 36 (60%) de enfermaria. Nesse sentido, Manga disse que, desde o início da sua gestão, em janeiro deste ano, aumentou em 120% a capacidade hospitalar Covid, na comparação com o quadro instaurado pela administração anterior.

Ainda de acordo com chefe do Executivo, a redução nos índices não indica o fim da pandemia no município. “Esses resultados não significa dizer que o problema acabou em Sorocaba. Nós temos um problema que está fazendo vítimas fatais”, reforçou.

 Mudanças em medidas

Na coletiva, o prefeito igualmente anunciou mudanças em medidas restritivas, especialmente, para o funcionamento de estabelecimentos comerciais. A partir de agora, os postos de combustíveis poderão voltar a abrir aos domingos. Porém, todos os dias, deverão funcionar em horário reduzido, das 6h às 20h. As conveniências também poderão iniciar e encerrar as atividades nesses mesmos horários. O consumo nos locais segue proibido e é permitida somente a entrada de uma pessoa por família.

Leia mais  Pandemia: Inglaterra ameniza lockdown, mas premiê Johnson pede cautela

Já os supermercados poderão operar entre às 7h e às 22h. Nesses estabelecimentos, a regra quanto à liberação da entrada de somente um membro por família permanece. Além disso, o comércio em geral segue com a permissão de efetuar vendas apenas em sistema drive-thru, sem permitir a entrada dos consumidores.

As indústrias, por sua vez, devem se responsabilizar pelo transporte dos funcionários.

As escolas particulares poderão retomar as aulas presenciais a partir desta quarta-feira (7), com 35% do total de alunos matriculados, conforme determina o Plano São Paulo. Manga não prorrogou o decreto editado em 24 de março, que suspendia as atividades presenciais nas instituições privadas entre os dias 26 e 30 do mês passado. A determinação terminou na última terça (30). Contudo, devido ao adiantamento dos feriados, elas continuaram fechadas até esta terça (6).

O chefe do Executivo igualmente descartou a possibilidade de nova antecipação de feriados municipais. Destacou, ainda, a manutenção das barreiras sanitárias. Agora, elas não ficarão mais em pontos específicos, mas, sim, em locais estratégicos, a serem definidos pela Secretaria de Mobilidade e Desenvolvimento Estratégico (Semob).

A nova ampliação fez a cidade chegar a 199 leitos municipais, 145,67% a mais em comparação com o dia 1 de janeiro deste ano. Crédito da foto: Divulgação / Secom

Mais 20 leitos em novo Centro de Estabilização Covid Éden

O novo Centro de Estabilização Covid Éden começou a funcionar na manhã desta terça-feira (6). Com isso, mais 20 leitos Covid, sendo 18 clínicos e dois com suporte ventilatório avançado, já podem receber pacientes. A nova ampliação fez a cidade chegar a 199 leitos municipais, 145,67% a mais em comparação com o dia 1 de janeiro deste ano, época em que a cidade dispunha de 81 leitos.

Atualmente, a cidade conta com quatro Centros de Estabilização Covid: São Guilherme (18 leitos clínicos e dois leitos com suporte ventilatório avançado); Oeste (10 leitos clínicos e 23 leitos com suporte ventilatório avançado); Norte (16 leitos clínicos e quatro leitos com suporte ventilatório avançado) e Éden (18 leitos clínicos e dois leitos com suporte ventilatório avançado). Além dos convênios com os hospitais Santa Lucinda, Santa Casa/UPH Zona Leste e Amhemed, que somam 109 leitos Covid, sendo 62 de UTI e 47 clínicos ou de enfermaria.

Leia mais  Covid-19: governo anuncia distribuição de mais 4,4 milhões de vacinas

A Prefeitura de Sorocaba informa que ainda há a possibilidade de ampliar os leitos na UPH Zona Leste, nos próximos dias, se necessário. Cerca de 20 leitos de observação poderão ser ativados nesta unidade para ampliar a assistência Covid à população.

Reunião com o Butantan

Manga terá uma reunião on-line com o diretor do Instituto Butantan, Dimas Tadeu Covas, nesta quarta (7), às 11h, para tentar viabilizar a compra de vacinas. O encontro também contará com a participação do secretário da saúde de Sorocaba, Vinícius Rodrigues, da coordenadora da Divisão de Vigilância Epidemiológica (DVE), Ana Paula Diegues, e do deputado estadual Rodrigo Moraes (DEM).

A Prefeitura pretende adquirir, com recursos próprios e por meio da verba angariada com a campanha “Vacina Sorocaba”, doses do imunizante CoronaVac, desenvolvido pelo instituto, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. De acordo com o Prefeito, a cidade precisa receber novas doses mais rapidamente e em maior quantidade, principalmente, por conta da detecção de variantes da Covid-19 no município. “Sorocaba tem que ter prioridade”, pontuou.

Caso o Executivo consiga adquirir as doses, afirma ele, a intenção é acelerar a campanha de imunização e incluir outros públicos nos grupos prioritários, como trabalhadores de supermercados, funcionários do transporte público, coletores de lixo, dente outros. (Vinicius Camargo)

Matéria atualizada às 3h34 desta quarta-feira (7)

 

Comentários