fbpx
Sorocaba e Região

Mais uma ave é resgatada no Campolim com bico obstruído

A ave está bem de saúde, com um leve esfolado no bico e está sendo alimentada com peixe de água doce
Ave é uma fêmea adulta e foi medicada com soro, anti-inflamatório, vitamina e limpeza no local da ferida. Crédito da foto: Divulgação / Secom

 

Após um dia e meio de trabalho a Prefeitura de Sorocaba e o Corpo de Bombeiros conseguiram capturar e retirar do bico de uma ave biguatinga (Anhinga anhinga), o material semelhante a barbante e corda que obstruía o bico do animal. No início da tarde desta terça-feira (12), ela foi resgatada no Parque Campolim e entregue à equipe do Zoológico da Secretaria do Meio Ambiente, Parques e Jardins, da Prefeitura de Sorocaba (Sema).

“Os profissionais da Sema iniciaram os trabalhos na terça-feira, hoje (quarta-feira – 13) ganhamos o apoio do Corpo Bombeiros que conseguiu cercar e capturar a biguatinga e entregou para a nossa equipe do Zoológico Municipal”, declara o prefeito José Crespo.

Leia mais  A agonia da garça

 

A ave está bem de saúde, com um leve esfolado no bico e vem sendo alimentada com peixe de água doce. O secretário de Meio Ambiente, Parques e Jardins, Jessé Loures, informa que o resgate ocorreu por volta das 12h30 e foi realizado com garantia à integridade da ave, com o uso de equipamento adequado, um passaguá.

“O passaguá é uma rede com cabo de alumínio, equipamento do Zoológico Municipal, que emprestamos aos homens dos bombeiros”, explica Jessé Loures. Ele ressalta que a população deve ficar atenta para sempre descartar lixo nos locais adequados, pois qualquer material estranho à natureza provoca poluição e prejuízos aos animais.

De acordo com a bióloga chefe da seção de biologia do Zoológico Municipal, Luana Longon Roca, a ave é uma fêmea adulta e foi medicada com soro, anti-inflamatório, vitamina e limpeza no local da ferida. Segundo a bióloga chefe, a biguatinga foi colocada em uma caixa e ficará em observação até esta quinta-feira (14), quando passa por nova reavaliação comportamental.

“A ferida é muito pequena, mas ela está cansada. Ela vai passar a noite aqui, ser alimentada e verificarmos se possui condições de soltura para devolver ao meio ambiente, no Parque Campolim”, explica Luana Longon Roca. A equipe da Sema que atuou para o resgate de ave foi composta por um biólogo, um veterinário e dois tratadores. (Da Redação, com informações da Secom)

Comentários