Sorocaba e Região

Mais de 15 mil alunos participam do Enem em Sorocaba

Por conta da pandemia da Covid-19, portões dos locais abriram meia hora mais cedo para evitar aglomerações
Enem tem hoje segunda etapa das provas
Apesar da pandemia do coronavírus, estudantes realizam prova do Enem em Sorocaba neste domingo. Crédito da foto: Erick Pinheiro / Arquivo JCS (26/10/2013)

Mais de 15 mil alunos participam na tarde deste domingo (17) do primeiro dia de prova do Enem 2020. A prova abordará conteúdos de linguagem, ciências humanas e redação. Por conta da pandemia da Covid-19, portões dos locais abriram meia hora mais cedo para evitar aglomerações. Cidade tem esquema especial no transporte público para os estudantes que realizam o exame.

Os portões abriram às 11h30, ou seja, 30 minutos mais cedo do que as edições anteriores por conta da pandemia da Covid-19, e para evitar aglomerações. Já o fechamento dos portões ocorreu às 13h, e a prova começou às 13h30, com duração total de cinco horas e meia neste primeiro dia.

Em Sorocaba, a Urbes – Trânsito e Transportes disponibilizou, neste domingo, uma linha de ônibus especial para atender os participantes do Enem. Os ônibus que fazem o trajeto das linhas para os locais das provas começaram a rodar a partir das 11h.

Um coletivo terá saída para a Universidade de Sorocaba (Uniso) e outro para a Universidade Paulista (Unip). Ambos têm sua partida do Terminal São Paulo. Na zona oeste, a Anhanguera também tem ônibus, mas com saída do Terminal Santo Antônio.

As demais linhas já pré-existentes, que levam para outros lugares de prova, também ganharam reforço. O esquema funcionará até o término das provas. Os estudantes poderão contar com o Cartão Estudante, que será liberado para utilização nos dias da realização do Enem.

Leia mais  Protesto contra aumento do ICMS

Enem 2020

O exame segue no próximo domingo (24), quando os estudantes farão as provas de ciências da natureza e de matemática. Ao todo, cerca de 5,8 milhões de estudantes estão inscritos para fazer as provas. O Enem 2020 terá uma versão impressa, nos dias 17 e 24 de janeiro, e uma digital, realizada de forma piloto para 96 mil candidatos, nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro.

As medidas de segurança adotadas em relação à pandemia do novo coronavírus serão as mesmas tanto no Enem impresso quanto no digital. Haverá, por exemplo, um número reduzido de estudantes por sala, para garantir o distanciamento entre os participantes. Durante todo o tempo de realização da prova, os candidatos estarão obrigados a usar máscaras de proteção da forma correta, tapando o nariz e a boca, sob pena de serem eliminados do exame. Além disso, o álcool em gel estará disponível em todos os locais de aplicação.

Leia mais  Denúncias de maus-tratos a animais passam de mil casos

Impactos da pandemia

O exame, que estava inicialmente agendado para outubro e novembro do ano passado, foi adiado após uma série de protestos virtuais. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) anunciou, então, uma série de medidas de segurança para evitar a contaminação pelo novo coronavírus.

Mesmo assim, com o aumento de casos e de mortes por covid-19 em todo o Brasil, o movimento por um segundo adiamento das provas ganhou força. A Defensoria Pública da União (DPU) acionou a Justiça pedindo o adiamento, argumentando que as aglomerações habituais nos dias de realização do Enem favorecem a disseminação do novo coronavírus. Além disso, o órgão afirma que os estudantes das escolas públicas podem ser prejudicados pela suspensão das aulas presenciais no ano letivo.

O pedido foi negado pela Justiça Federal de São Paulo, que afirmou que a alteração na data do Enem resultaria em grandes transtornos logísticos, que poderiam “comprometer a própria realização do exame no primeiro semestre de 2021”. A decisão, no entanto, ressalva que se o risco de maior de contágio levar alguma autoridade local ou regional a declarar novo lockdown, isso seria um impedimento para a realização das provas. Caberia ao Inep reaplicar a prova nessas localidades específicas.

Foi o que ocorreu no Amazonas, estado em calamidade pública por causa da pandemia, com falta de leitos e insumos para tratar os doentes. Diante dessa situação, a aplicação do exame foi suspensa no Estado. (Da Redação, com informações da Agência Brasil e Secom)

Comentários