Eleições 2020 Sorocaba e Região

Juiz eleitoral faz avaliação positiva do primeiro turno

Juiz eleitoral faz avaliação positiva do primeiro turno
Poucos incidentes foram registrados na eleição. Crédito da foto: Vinícius Fonseca (15/11/2020)

Apesar do atraso na apuração e totalização dos votos na noite de domingo e de algumas reclamações de eleitores por conta da mudança de seções eleitorais, o juiz eleitoral de Sorocaba, José Elias Themer, faz uma avaliação positiva sobre o primeiro turno da eleição 2020 na cidade. Eleitores reclamaram principalmente das mudanças de salas onde já estavam acostumados a votar, por conta da alteração das seções eleitoras.

As reclamações surgiram principalmente de eleitores que votam no Colégio Dom Aguirre, no Trujillo. O juiz eleitoral disse que houve um remanejamento das seções eleitorais e com isso alteração nas salas onde as pessoas votavam. Segundo Themer, uma zona eleitoral foi extinta e houve uma diminuição do número de urnas eletrônicas disponíveis para o pleito. Com isso, foi necessário aglutinar eleitores de uma seção para outra. “Não havia como não fazer, mas apesar disso houve somente mudança de sala, mas a escola permaneceu a mesma. Mesmo com esses pequenos contratempos, eu acho que isso não chegou a gerar nenhum tipo de prejuízo para o pleito”, afirma Themer.

Leia mais  Colisão frontal na Raposo faz vítima em estado grave

O eleitor Francisco Raimundo Brito, 67 anos, disse que vota há 10 anos no Colégio Dom Aguirre e disse que ele e a esposa tiveram suas salas alteradas. Ele conta que não havia pessoas dos cartórios eleitorais para informar a sala correta e que muitos eleitores da escola tiveram a mesma dificuldade. “Estava muito mal organizado e não havia informação correta para a gente encontrar a sala onde vota. Faltou informar os eleitores sobre as mudanças”, disse.

Ao todo, 12 urnas eletrônicas tiveram que ser substituídas na cidade, sendo cinco no Centro, cinco na zona norte e duas na zona leste. O juiz eleitoral disse que o número foi muito pequeno em função das centenas usadas na eleição. “Existem urnas eletrônicas de contingência, ou seja, de substituição, que são prontamente colocadas no lugar das que apresentam problemas, e não houve nenhum prejuízo para a apuração dos votos”, afirma.

Mudança causou lentidão

O juiz eleitoral de Sorocaba, José Elias Themer, disse que com a mudança na transmissão dos dados para a apuração e totalização dos votos não mais para o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), mas para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) foi a novidade na eleição 2020, que acabou gerando um atraso de horas na atualização e divulgação dos resultados.

Leia mais  Boulevard Vila terá loja de decoração de interiores

“Há uma novidade agora que primeiro os dados são remetidos ao TSE e depois a totalização volta para nós. Então, houve um aguardo do retorno desses votos. Eu não sabia como isso ia funcionar em matéria de tráfego de dados. Se isso ia tornar a linha mais lenta ou menos lenta. Estávamos aguardando e querendo acreditar que tudo tivesse sido mais rápido”, conta.

Ele disse ainda que a estimativa inicial era que a finalização e divulgação dos resultados fossem divulgadas entre 21h ou 21h30, mas não foi o que ocorreu.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, a única consequência desse problema foi o atraso de pouco menos de três horas na divulgação dos dados, sem qualquer risco para a integridade do sistema e para a transparência dos resultados.

Sem ocorrências relevantes

O juiz eleitoral de Sorocaba destacou ainda que na visão dele, o primeiro turno da eleição 2020 não teve ocorrências relevantes nem prisões. José Elias Themer disse ainda que os crimes eleitorais e casos de propagandas irregulares no dia do pleito estão ocorrendo cada vez menos.

Leia mais  Reunião define detalhes de debate do ‘Cruzeiro’

Ele disse que não teve conhecimento de nenhum crime eleitoral grave ou importante sobre algum candidato ou apoiador. “Houve somente um ou outro candidato ou apoiador com uma conduta que poderia ser questionada, mas assim que houve a advertência da Justiça Eleitoral, a conduta foi cessada. Não houve informação de nenhuma prisão e nada mais grave”, disse.

Em relação a prática comum de espalhar “santinhos, nos locais no dia da votação, Themer disse que ao longo dos anos as pessoas estão mais conscientes em relação à postura inadequada do fato, que ocorria com muito mais frequência há 20 anos. (Ana Cláudia Martins)

Comentários