Informação Livre

Janaina Paschoal critica censura à Crusoé

Janaina Paschoal demonstrou perplexidade com a censura do STF à reportagem sobre Dias Toffoli
Janaina Paschoal
Crédito da foto: Emídio Marques (9/3/2019)

Janaina Paschoal demonstrou perplexidade com o episódio da censura do STF à reportagem da Crusoé sobre Dias Toffoli. “A reportagem da Crusoé poderia ser contestada e criticada, até duramente, mas tirar a matéria do ar, sob pena de multa diária de 100 mil reais? O que está acontecendo com o nosso país?”, questionou a deputada estadual e professora de direito da USP. “Agora, o Antagonista noticia que a petição não está nos autos, ao que parece, teria sido desentranhada. Essa situação gera perplexidade. Um mal-estar generalizado. Não seria melhor simplesmente falar sobre a matéria, evidenciando a alegada falta de fundamento?”, prossegue Janaina. “Censurar a revista, aplicar multa aos jornalistas, ensejar o desentranhamento do documento, isso tudo fortalece a ideia de que há algo a ocultar. Precisamos (todos os brasileiros) compreender o que está ocorrendo”, acrescenta.

De que se trata

A reportagem de que trata a decisão do ministro foi publicada com base em um documento que consta dos autos da Operação Lava Jato. Nele, o empreiteiro Marcelo Odebrecht responde a um pedido de esclarecimento feito pela Polícia Federal, que queria saber a identidade de um personagem que ele cita em um e-mail como “amigo do amigo de meu pai”. Odebrecht respondeu tratar-se de Dias Toffoli, conforme revelou Crusoé em sua edição de número 50, publicada na última sexta-feira (12).

Leia mais  Coworking no Parque Tecnológico

Correção direcionada

O Legislativo de Sorocaba recebeu ontem um novo documento que pede a abertura de uma comissão processante contra a vice-prefeita de Sorocaba, Jaqueline Coutinho (PTB). Como se sabe, caso aberta e a denúncia for comprovada, o investigado pode até ter o mandato cassado. Trata-se do mesmo autor que protocolou pedido parecido na quarta-feira (10) e que nem chegou a ser analisado pelo plenário da Casa, por não tratar de infração político-administrativa. Desta vez, é disso que o documento protocolado por Rafael Sarti trata.

Vai tentando

Na mesma linha, a Câmara de Sorocaba recebeu também ontem um novo documento contra o prefeito José Crespo (DEM). O novo pedido de investigação deve ser juntado ao protocolado pelo mesmo autor na quarta-feira (10). Desta vez, a denúncia cita os últimos acontecimentos em torno da operação Casa de Papel. Na argumentação, aparece, por exemplo, o fato de o prefeito não ter aceitado o pedido de exoneração de Hudson Zuliani, da Secretaria de Licitações e Contratos. Zuliani, conforme o documento continuará recebendo seu salário. O pedido foi feito por Fabio Jojoba, ex-servidor comissionado da Câmara de Sorocaba.

Leia mais  Piedade celebra e festeja

Protesto Confiscado

Estudantes e representantes do Centro de Convivência Indígena de uma universidade federal tentaram entrar com faixas no Teatro Municipal Teotônio Vilela, em Sorocaba, durante o seminário sobre resíduos sólidos que teve a presença do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Mas tiveram as faixas “confiscadas” pela organização do evento, que não permitiu a entrada do material. As faixas continham mensagens como “Sangue indígena: nenhuma gota a mais!!” e “Povos Indígenas, Presente”. Uma estudante e indigenista considerou a proibição “um desrespeito à liberdade de expressão, até porque nas faixas não havia críticas ao ministro diretamente, mas sim referências às políticas que reforçam o genocídio histórico do povo indígena”. A assessoria do seminário esclareceu, por sua vez, que a proibição foi uma questão de organização, negou questão de censura e afirmou que foi até uma medida de segurança. Sem as faixas, o grupo pôde entrar no evento e assistir aos debates. Estavam acompanhados de um indígena tucano do Amazonas, Abnego Costolio Inácio.

Leia mais  Prefeitura de Sorocaba renova cessão de prédio à Fundec

Parla, deputado!

Janaina Paschoal critica censura à Crusoé
Crédito da foto: Reprodução

A Câmara dos Deputados lançará hoje, o Parla, uma ferramenta web que utiliza inteligência artificial e aprendizado de máquina para oferecer um retrato do que está sendo discutido na Casa: os temas mais abordados em determinado período, os deputados que mais falaram sobre cada um desses temas, assim como o conteúdo de seus discursos. A pesquisa poderá ser feita por mês, por ano ou por legislatura, a partir da 55ª Legislatura (2015-2018). O lançamento ocorre às 16h, no Café do Salão Verde da Casa.

Comentários