Sorocaba e Região

Idoso reclama da dificuldade para marcar consulta em UBS

Prefeitura de Sorocaba afirma que os agendamentos nas 32 UBSs ocorrem desde 1º de janeiro deste ano
Idoso reclama da dificuldade para marcar consulta em UBS por telefone
Prefeitura diz que os agendamentos por telefone nas 32 UBSs ocorrem desde 1º de janeiro deste ano. Crédito da foto: Emidio Marques / Arquivo JCS (14/3/2019)

 

Idosos reclamam da dificuldade para agendar consultas médicas por telefone nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) de Sorocaba. Embora a lei exista na cidade desde 2010, a Prefeitura de Sorocaba afirma que os agendamentos nas 32 UBSs ocorrem desde 1º de janeiro deste ano, ou seja, nove anos após a lei ser sancionada.

Segundo a Secretaria da Saúde (SES), de janeiro a setembro de 2019 foram feitos 160 agendamentos na cidade, o que para os usuários é muito pouco. A questão é que conforme informação da própria SES, a estimativa em agosto do ano passado era que cerca de 42,7 mil idosos utilizam o Sistema Único de Saúde (SUS) do município.

Já a estimativa de 2019 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 1º de julho deste ano, é que em Sorocaba a população de pessoas com 60 anos ou mais é de 64.362, ou seja, praticamente 10% dos habitantes de Sorocaba, que atualmente é de 679.378, também segundo estimativa do órgão federal.

Leia mais  Doses de vacinas são transferidas de UBS em Sorocaba após queda de energia

 

Dificuldade para acamados

O aposentado Sérgio Vieira, 76 anos, mora no bairro Vila Maria dos Prazeres e afirma que utiliza a UBS do Cajuru, mas que encontra dificuldade para exercer o direito que a legislação municipal garante, que é o agendamento de consulta por telefone. “Na UBS do Cajuru o agendamento de consultas por telefone para idosos ocorre somente uma vez por mês e que são duas ou três vagas somente. É muito pouco para o número de idosos que usam a unidade de saúde”, aponta.

Vieira também questiona o fato das pessoas idosas que são acamadas e que não podem se locomover até a UBS, mas necessitam de atendimentos e fazer exames. “Tenho um vizinho acamado e totalmente dependente e que poderia receber atendimento em casa, por meio da equipe de saúde da família, mas recentemente ele teve que ser levado pelos familiares até o posto de saúde para fazer exame de sangue”, diz.

Questionada, a Prefeitura de Sorocaba afirma que “a medida, adotada pela SES, tem o objetivo de adequar a execução da Lei Municipal nº 9.164, de 15 de junho de 2010, após um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado com o Ministério Público (MP). A providência assegura atenção à saúde, garantindo acesso integral e igualitário”, diz.

Cadastro prévio

Antes de fazer os agendamentos pelo telefone, os usuários precisam ir até sua UBS de referência para efetuar o cadastro e comprovar sua condição de idoso e/ou deficiente. No momento do cadastro, o paciente deverá estar munido de documento de identificação com foto, cartão da UBS contendo o número do cadastro no Sistema de Informação à Saúde (SIS) e cartão do Sistema Único de Saúde (SUS).

Leia mais  Unidade Básica de Saúde tem fiação furtada em Sorocaba

 

Sobre as equipes das UBSs, a SES afirma que elas estão organizadas como modelo de Estratégia Saúde da Família (ESF) e são responsáveis pela população de acamados de seu território de abrangência. Atualmente, o número total de pessoas assistidas pelas equipes ESF é de 1.407. Durante as visitas são realizados procedimentos como coleta e colheita de materiais, curativos, sondagens, administração de medicamentos e vacinas, além das consultas”, diz a pasta. (Ana Cláudia Martins)

Comentários