Sorocaba e Região

Homem confessa à Polícia que matou a namorada em Sorocaba

Kelly Christina Parreira, de 40 anos, foi encontrada morta dentro de casa no último dia 4



Ele foi ouvido na Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba. Crédito da foto: Erick Pinheiro/Jornal Cruzeiro do Sul

O namorado da auxiliar de enfermagem Kelly Christina Parreira, de 40 anos, que foi encontrada morta dentro de casa em Sorocaba, confessou que matou a companheira, durante depoimento prestado à delegada Luciane Bachir, titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), na tarde desta quarta-feira (10).

Conforme apurado pela reportagem do jornal Cruzeiro do Sul, Alisson Oliveira Raszejas deixou a sede da DIG e foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML), de onde será levado à Unidade de Transição de São Roque ainda nesta quarta-feira (10) e dar entrada no sistema penitenciário na quinta (11). Ele foi indiciado pelo crime de feminicídio e foi deferida a sua prisão temporária por 30 dias.

Ele foi encontrado durante a madrugada desta quarta-feira (10) na rodoviária de Itapetininga, no bairro Vila Aparecida, após uma denúncia. Os policiais localizaram com ele cartões de crédito, R$ 77 em dinheiro, um celular e documentos de imigração argentina com data de domingo (7).

Ainda conforme a PM, também foram encontradas passagens de ônibus da cidade de Foz no Iguaçu, no Paraná, que faz fronteira com a Argentina, com data desta terça-feira (9).

Leia mais  Namorado de mulher encontrada morta em casa é ouvido na DIG em Sorocaba

 

Relembre o caso

Kelly foi encontrada morta na casa dela, em um condomínio na avenida Américo Figueiredo, bairro Jardim Tropical, por volta das 13h30 desta quinta-feira (4). A vítima morava com o namorado no local há cerca de uma semana antes da morte, segundo o boletim de ocorrência registrado pela Polícia Militar. Ele não era visto no condomínio desde a terça-feira (2).

Familiares informaram à Polícia Militar que tentavam contato com Kelly há dois dias, mas não recebiam retorno. Desde então, a mulher também não teria ido trabalhar. Os vizinhos teriam percebido que o carro da vítima estava na garagem da casa mas, quando batiam na porta, ninguém atendia. Por isso, os policiais foram chamados.

Os PMs encontraram a mulher morta sobre a cama do quarto, coberta com um cobertor, e com marcas de agressão no pescoço. Conforme informações policiais, tudo indica que a morte ocorreu na terça-feira (2). (Com informações de Adriane Mendes)

 

Comentários

CLASSICRUZEIRO