Sorocaba e Região

GCM de Sorocaba atende quatro chamados do botão do pânico em nove dias

O último ocorreu quarta-feira (9) na zona oeste de Sorocaba
Homem foi detido pela GCM após acionamento do botão do pânico. Crédito da foto: Reprodução / GCM Sorocaba

A Guarda Civil Municipal (GCM) de Sorocaba prendeu um homem de 43 anos por ter infringido uma medida protetiva concedida às mulheres vítimas de agressão doméstica. O acusado foi detido quarta-feira (9), às 19h20, no quarto da protegida. Ele era marido da dona da casa.

A ação da GCM foi a quarta no período de nove dias em Sorocaba. A vítima acionou o botão do pânico e a guarda compareceu ao local indicado no GPS da assistida, na zona oeste de Sorocaba.

O ex-marido foi conduzido ao Plantão da Zona Norte para elaboração do boletim de ocorrência. Ele foi autuado em flagrante delito por descumprimento da medida protetiva judicial, ficando à disposição da justiça.

Em funcionamento

O projeto Botão do Pânico foi implementado oficialmente em 8 de fevereiro de 2018 na cidade de Sorocaba. O aplicativo funciona como botão, por meio do qual as mulheres poderão denunciar o descumprimento de medidas protetivas – aquelas em que a Justiça proíbe o agressor de se aproximar da vítima -, e foi desenvolvido pelas equipes de tecnologia da Prefeitura.

Leia mais  Lei Maria da Penha: 295 mulheres obtêm medidas protetivas em Sorocaba

 

Todas as vítimas, beneficiadas pelas ações expedidas pelo Judiciário, têm acesso ao serviço. Por mês, são emitidas em Sorocaba cerca de 40 medidas protetivas a mulheres vítimas de violência doméstica.

Na prática

Após a mulher, vítima de violência, formalizar a denúncia contra o agressor e obter, na Justiça, uma medida protetiva, ela poderá se cadastrar e ter acesso ao aplicativo. Caso o agressor descumpra a decisão, seja por se aproximar ou até agredir a vítima, física, verbal ou psicologicamente, a mesma poderá apertar o botão, na tela do celular, e um aviso será enviado ao Centro de Operações e Inteligência (COI), da Guarda Civil Municipal (GCM).

Leia mais  Câmara aprova projeto que altera Lei Maria da Penha

 

Assim que o botão é apertado, o aplicativo também registra a localização da vítima, via GPS, assim como fotos e os sons do ambiente. Trata-se de uma ferramenta de apoio exclusiva às mulheres, com base no que determina a lei Maria da Penha. (Da Redação)

Comentários