Buscar no Cruzeiro

Buscar

Faxineira vence câncer de mama e se torna exemplo de superação

16 de Outubro de 2020 às 00:01
Jéssica Nascimento [email protected]

Faxineira luta e vence câncer de mama Durante o tratamento, ela ficou grávida do quarto filho. Crédito da foto: Arquivo Pessoal

O sorriso no rosto da faxineira Edna Maria da Rocha, de 44 anos, não revela que há dois meses ela concluiu os tratamentos de quimioterapia e radioterapia para combater o câncer de mama. Nos últimos dois anos, Edna se tornou um exemplo de superação ao enfrentar o diagnóstico do câncer de mama, a descoberta de uma gravidez durante o tratamento e a separação do marido depois do nascimento do quarto filho. Tudo isso sem perder a alegria de viver. Hoje, chegando ao estágio final de seu processo de cura, ela mostra que é possível passar pelo doença sem que a morte seja uma condição.

A batalha de Edna começou em 2018, quando ela descobriu a doença. “Eu fiz o autoexame e senti um carocinho no seio esquerdo. Fiz a mamografia, mas não deu nada. Depois de um tempo, senti o carocinho de novo, mas desta vez estava maior. Na mesma semana fui ao médico e fiz a mamografia. A moça do laboratório repetiu o exame. Já fiquei assustada. O médico não gostou do resultado e pediu uma biópsia. Marquei no mesmo dia. Quando chegou o resultado, o médico me disse que era câncer maligno. Eu fiquei parada, sem reação, só processando”, relata ao descrever o período mais difícil de sua vida.

Como parte de seu tratamento, Edna passou por uma cirurgia para retirar a mama esquerda e fez sessões de quimioterapia e radioterapia, inclusive durante a pandemia do novo coronavírus. “Eu fiquei preocupada com a saúde do meu filho, mas graças a Deus ele veio saudável e perfeito”, comemora. O tratamento de Edna foi mais intenso depois que o bebê nasceu, em novembro de 2019, mesmo período em que se separou do marido. “São nesses momentos que você sabe quais são as pessoas que estão sempre do seu lado. E a vida continua. A gente tem que erguer a cabeça e ter fé em Deus que tudo vai se resolver”, afirma ao destacar o apoio que tem recebido da Liga Sorocaba de Combate ao Câncer.

Agora, Edna segue o tratamento com medicação e acompanhamento médico. “A caminhada ainda é longa, mas em nome de Jesus estou curada”. Depois de passar por tudo isso, Edna reconhece a importância de fazer o autoexame e a mamografia e incentiva outras mulheres a adotarem esse hábito. “Tem que fazer sempre. Eu tenho o costume de fazer o autoexame depois da menstruação. Foi isso que me salvou. O câncer vem sem você esperar. É importante descobrir no começo e procurar um médico o mais rápido possível. Então, tem que se cuidar sempre, fazer o autoexame, a mamografia. Tem que esquecer esse negócio de medo e vergonha e fazer os exames”, reforça.

Isso porque, de acordo com o médico mastologista Luiz Antônio Guimarães Brondi, a maioria dos tumores diagnosticados são descobertos pela própria mulher, pelo autoexame de mama. “É ela que encontra o nódulo durante a apalpação”, ressalta. Além disso, o mastologista aponta que quando o tumor é diagnosticado em fases iniciais, mais de 90% dos casos podem ter cura. Por isso, Brondi ressalta a importância da realização do autoexame de mama desde a juventude, pelo menos uma vez ao mês, após a menstruação. “Isso precisa se tornar um hábito ao longo da vida”, frisa.

Ao realizar o autoexame, aponta o médico, a mulher pode encontrar um nódulo, semelhante a um caroço. “Os nódulos variam de tamanho. Alguns deles são descobertos apenas com a mamografia. Por isso também é importante fazer a mamografia uma vez ao ano para descobrir esses tumores iniciais, que não são apalpáveis.” Ele orienta as mulheres a procurar um médico se notar algo diferente nas mamas. Infelizmente, aponta Brondi, ainda existe preconceito para a realização dos exames. “As mulheres precisam perder esse medo, pois são esses exames que darão o diagnóstico inicial, o que permite um tratamento menos agressivo e aumenta as chances de cura”, alerta.

O câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo, depois do câncer de pele não melanoma. Para conscientizar e prevenir a doença, ao longo deste mês é realizada a campanha Outubro Rosa. Neste ano, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) lança o movimento de conscientização ‘Quanto antes melhor‘. A ideia é chamar a atenção das mulheres para a adoção de um estilo de vida saudável no dia a dia, com a prática de atividades físicas e boa alimentação para evitar doenças, entre elas, o câncer de mama.

“Unidos pela Vida”

Comprometida com a causa, a Rede Bom Lugar realiza a ação solidária “Unidos Pela Vida”, em prol às campanhas Outubro Rosa e Novembro Azul. A ideia é levar esperança e motivação para as pessoas que estão enfrentando essa dolorosa batalha, dando voz a quem venceu a luta contra o câncer para serem fontes de inspiração. Além disso, a rede confeccionou dez mil sacolas reutilizáveis personalizadas, que estão sendo vendidas nas 42 lojas na região de Sorocaba. Toda a renda arrecadada será revertida para duas instituições que oferecem assistência a pacientes com câncer, a Liga Sorocabana de Combate ao Câncer e a Associação de Socorro Imediato a Pessoas com Câncer (Asipeca). (Jéssica Nascimento)