Buscar no Cruzeiro

Buscar

Fábricas e supermercados adiantam a produção e venda dos ovos de chocolate

14 de Fevereiro de 2021 às 00:01
Ana Claudia Martins [email protected]

Fábricas e supermercados adiantam a produção e venda dos ovos de chocolate A exposição dos ovos de Páscoa nos supermercados, que tradicionalmente começa na Quarta-Feira de Cinzas, já teve início nos supermercados de Sorocaba. Crédito da foto: Pedro Henrique Negrão

Por conta da pandemia -- e do cancelamento do feriado de Carnaval --, os supermercados decidiram adiantar a venda dos tradicionais ovos de Páscoa e demais chocolates e produtos típicos da data. Nas prateleiras e nos corredores, os ovos já estão chegando e chamando a atenção dos consumidores. A expectativa é aumentar a venda dos ovos de Páscoa entre 10% e 15% neste ano, em relação à Páscoa 2020. O domingo de Páscoa, neste ano, será no dia 4 de abril.

No supermercado Tauste da avenida General Carneiro, em Sorocaba, os ovos de Páscoa já estão sendo colocados em uma parreira entre os corredores da loja. Os produtos também estão em exposição na entrada da loja. O gerente Luiz Ibanhez afirma que, para este ano, a expectativa é de um cenário melhor que o anterior e a Páscoa 2021 é a primeira aposta. “A expectativa para 2021 é vender mais que o ano passado. A rede conta com mais uma loja, inaugurada no final do ano passado, e planejamos um aumento nas vendas entre de 10% a 15%”, afirma.

Ibanhez disse ainda que o planejamento para realizar a antecipação das exposições dos ovos de Páscoa nas lojas deve-se ao alinhamento com os fabricantes, que estão dando preferências para lojas com bom sistema de refrigeração. “Após um ano convivendo com a Covid-19 e a pandemia, os consumidores já estão mais conscientes da necessidade de programar suas compras de forma a evitar aglomerações. Assim, podem fazê-las em nossas lojas físicas ou pelo sistema de delivery”, destacou.

O setor de supermercados informa que as fábricas de chocolates iniciaram a fabricação já em dezembro do ano passado. Os consumidores, por sua vez, por enquanto mais olham do que compram os ovos de Páscoa. Mas a expectativa do setor é que a demanda cresça em 2021. Quem trabalha com os ovos artesanais em casa também já começou a produzir e a divulgar novidades e opções dos produtos em redes sociais, para os amigos, familiares e conhecidos.

Tradicionalmente, a venda de ovos e produtos de Páscoa nos supermercados começa a partir da quarta-feira de Cinzas, ou seja, logo após o fim do Carnaval. Porém, neste ano, o comércio de ovos e coelhinhos de chocolate começou já na segunda quinzena de janeiro, em algumas lojas.

Meio amargo

Fábricas e supermercados adiantam a produção e venda dos ovos de chocolate Crédito da foto: Pedro Henrique Negrão

Sem Carnaval, a estratégia do setor foi adiantar a Páscoa 2021 para tentar compensar o ano passado, quando o início da pandemia e da quarentena, no fim de março, fechou o comércio, afetando bastante as vendas. A indústria de chocolates decidiu antecipar a produção e colocar logo os ovos de Páscoa nos supermercados e lojas, para tentar prolongar o período de venda dos produtos e evitar surpresas amargas.

Aliás, amargo mesmo, só se for o sabor do chocolate, que cresce na escolha e preferência do consumidor. Porém, o preço dos produtos está cerca de 4% a 5 % mais caro em relação a 2020, ou seja, mais “amarguinho”, por conta da alta do dólar, visto que o cacau é uma commodity e tem preço cotado no mercado internacional.

No ano passado, a expectativa do setor era vender 20% mais em volume do que em 2019. Mas, mais da metade dos ovos não foram vendidos e, uma das hipóteses para explicar isso, foi a pandemia da Covid-19. E quem comprou ovo no ano passado gastou menos, por conta da insegurança do momento -- em média, 10% menos do quem em 2019.

Sem Carnaval e com regras de distanciamento social -- o que afasta amigos e familiares --, saborear um ovo de Páscoa ganha um novo sentido. É um momento de alegria para quem aguarda sua vez na fila da vacina, e ainda não pode comemorar a felicidade de já estar imunizado contra a Covid-19. (Ana Cláudia Martins)