Sorocaba e Região

Estatuto da Criança e do Adolescente completa 30 anos

A pandemia do novo coronavírus trouxe novos desafios na execução do estatuto e garantia dos direitos
Estatuto da Criança e do Adolescente faz 30 anos
Promotor público Antônio Farto Neto. Crédito da foto: Divulgação

Em 13 de julho de 1990 o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) inaugurava uma nova fase na defesa dos direitos dos mais jovens. De acordo com o ECA, é dever da família, da comunidade, da sociedade e do poder público assegurar às crianças o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária. Para comentar sobre os avanços e os futuros desafios da legislação, o jornal Cruzeiro do Sul conversou com os promotores da vara da Infância e Juventude de Sorocaba, Antônio Farto Neto, e Cristina Palma.

Durante uma entrevista ao vivo pelo Facebook, Farto Neto, promotor há 30 anos, destacou a importância do instrumento normativo que atinge todo o território nacional, mesmo com suas características continentais. “O Brasil é muito grande e é difícil de fazer uma legislação que abranja o país inteiro. Para fazer o ECA nós precisamos ouvir pessoas de diferentes extratos da sociedade. É uma legislação jovem que recebe poucas críticas, sendo muito mais exitoso do que deficitário”, avalia o promotor.

30 anos do ECA

Promotor da infância e juventude, Farto Neto, comenta sobre avanços e desafios do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) ao longo dos anos.

Publicado por Jornal Cruzeiro do Sul em Segunda-feira, 13 de julho de 2020

Para Farto Neto, a pandemia do novo coronavírus trouxe novos desafios na execução do estatuto e garantia dos direitos, como a necessidade de se aplicar medidas de isolamento social nas quatro unidades da Fundação Casa da cidade. “O impacto foi imediato. Um dos pilares da estatuto é a ressocialização do adolescente. Com a epidemia houve um direcionamento de se evitar as visitas, mas desde o primeiro momento da pandemia nós adotamos o sistema de visitas virtuais através dos computadores da instituição, fazendo com que eles conversassem com seus familiares“, explica Farto Neto.

Leia mais  ICMS ambiental dobrado deve ser visto como oportunidade

Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Brasil tem hoje 150 mil adolescentes entre 12 e 18 anos cumprindo medidas socioeducativas e desse total, 24 mil estão em privação de liberdade.

Avanços

A promotora Cristina Palma, que atua no Ministério Público há 26 anos, sendo boa parte deles com as questões envolvendo as crianças e adolescentes, avalia o ECA como um avanço necessário e constante. “Considero uma excelente lei. É totalmente protetivo e garantidor de direito”, diz. “Se fosse aplicada na sua integralidade, seria o melhor dos mundos. Essa lei traz as diretrizes e as premissas que a gente precisa saber e seguir”, comenta.

Estatuto da Criança e do Adolescente faz 30 anos
Cristina Palma, da vara da Infância e Juventude. Crédito da foto: Erick Pinheiro / Arquivo JCS (6/5/2019)

Ainda conforme a promotora, é preciso fazer com que cada vez mais o ECA seja seguido e é um aprendizado constante. Cristina Palma lembra que antes do ECA, antes da década de 1990, não havia, por exemplo, Conselho Tutelar e Conselho Municipal de Educação. Outro ponto recordado por ela diz respeitos às adoções, cujos critérios foram reformulados com o Estatuto.

“Quando comecei a atuar, ainda havia resquícios do sistema antigo, como crianças sendo devolvidas. Isso praticamente não existe mais, é zero”, garante. “Foi uma evolução maravilhosa”, opina.

Leia mais  Bingo que tinha 100 pessoas é fechado na capital paulista

Cristina Palma elencou os desafios para os profissionais e instituições que trabalham com o tema. Para ela, um dos problemas está ligado ao trabalho infantil. “Essa é uma questão que já está sendo observada na cidade e isso não pode acontecer”, opina. Ainda conforme ela, o ensino integral e a saúde mental das crianças estão entre as prioridades e desafios.

Futuro do ECA

Para presidente do Conselho Municipal de Defesa da Criança e do Adolescente de Sorocaba (CMDCAS), Angélica Lacerda Cardoso, os avanços na execução do ECA passam diretamente por investimentos nos mais novos. “Um futuro brilhante seria investir na criança. A primeira infância tratada com todo o respeito trará uma sociedade muito melhor”, garante a presidente. (Marcel Scinocca e Wesley Gonsalves)

Comentários