Brasil Sorocaba e Região

Governo aumenta restrições e anuncia toque de recolher em todo Estado na fase emergencial

Medidas mais restritivas atingem 14 atividades que atualmente estão funcionando na fase vermelha do Plano São Paulo
Governador João Doria vai anunciar restrições para serviços essenciais. Crédito da Foto: Divulgação/ Governo do Estado de SP (10/03/2021)

O governo de São Paulo decidiu colocar todo o Estado de São Paulo na chamada fase emergencial do Plano São Paulo, durante 15 dias, no período de 15 a 30 de março. A fase emergencial é mais restritiva que a atual fase vermelha, na qual está atualmente todo o Estado desde o último dia 6 deste mês. Estado também anunciou toque de recolher entre 20h e 5h.

Com a decisão, o governo estadual aumentou as restrições das medidas para 14 atividades  comerciais. Conforme o Estado, os setores afetados com mais restrições são: escritórios, call-center, jurídico e atividades administrativas; estabelecimentos comerciais; administração pública; restaurantes, bares e padarias; transporte coletivo e individual; educação (básica, fundamental e médio); comércio para eletrônicos; tecnologia; comércio para materiais de construção; ensino superior e outros ramos de educação; supermercados e similares; hotelaria; esportes, e telecomunicações.

Para as farmácias não houve nenhuma alteração e elas podem continuar funcionando 24 horas por dia. Os supermercados também podem funcionar após às 20h, mas as pessoas devem evitar sair de suas casas por conta do toque de recolher entre 20h e 5h.

Leia mais  Obra em rodovia descobre fósseis de dinossauros

Além disso, durante esses 15 dias, as lojas de materiais de construção não poderão atender de forma presencial, e as celebrações religiosas e as atividades esportivas não poderão funcionar de forma coletiva. E os serviços de retirada de todos os setores passarão a ter restrições completas. Nos órgãos públicos, escritórios e demais atividades administrativas, que não são consideradas essenciais, deverão funcionar com teletrabalho obrigatório, entre outras medidas.

Além disso, não estará mais autorizada a entrega de alimentos e produtos ao cliente no estabelecimento comercial. E ficará permitida somente serviços de drive-thru (entre 5h e 20h) e delivery 24h para restaurantes e outros estabelecimentos comerciais.

Também ficará proibido, a partir do próximo dia 15, o uso de praias e parques; qualquer tipo de aglomeração. E é obrigatório o uso de máscara em todos os ambientes, internos e externos. O toque de recolher é no horário das 20h às 5h diariamente.

A fase emergencial do Plano São Paulo também recomenda o escalonamento do horário de entrada no trabalho para evitar aglomerações no transporte público, sugerindo três horários de jornadas: das 5h às 7h para trabalhadores da indústria; das 7h às 9h para os do setor de serviços, e das 9h às 11h para os trabalhadores do comércio.

Leia mais  Piedade distribui cestas básicas nesta segunda e quinta-feira

Como as medidas ainda estão sendo anunciadas, em breve será feita a atualização das informações. As mudanças foram divulgadas durante entrevista coletiva de imprensa, às 12h45, pelo governador João Doria (PSDB), no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

A assessoria do governo estadual já havia adiantado ao Cruzeiro do Sul, na manhã desta quinta-feira (11), que haveria restrições a parte dos serviços essenciais durante a quarentena.

Mudanças também na Educação

As medidas mais restritivas atingem também a área da Educação pública e privada. Todas as escolas da rede estadual continuam abertas, mas somente para oferecer alimentação e entrega de materiais pedagógicos aos alunos, com agendamento prévio.

Além disso, o governo estadual antecipou para o período de 15 a 28 de março os dois recessos anuais que ocorrem durante o ano letivo na rede estadual de ensino, que ocorrem nos meses de abril e outubro.

Leia mais  Bio-Manguinhos produz 900 mil doses de vacina contra covid-19 por dia

Já para as redes municipais e privadas de ensino, o governo estadual recomenda que quem puder escolher que prefira o ensino de forma remota. As escolas municipais e particulares podem continuar oferecendo o ensino presencial, mas com o atual limite de 35% da capacidade, e com o mínimo de atividades possíveis. (Da Redação)

Comentários
Assuntos