Sorocaba e Região

Escrevente preso por extorsão é alvo de dois processos administrativos

Segundo o Tribunal de Justiça, o acusado já teve recomendada sua "demissão a bem do serviço público"
A apuração interna envolvendo o servidor do Fórum de Sorocaba teve início em março deste ano. Foto: Fábio Rogério / Arquivo JCS

O escrevente de Sorocaba preso acusado de vender sentenças também é alvo de dois processos administrativos na Corregedoria Geral da Justiça. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (23) pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ/SP), após a prisão do funcionário público em Piraju, no sudoeste paulista.

Conforme o TJ/SP,  em um dos processos houve a sentença no início de julho recomendando a aplicação da pena de “demissão a bem do serviço público”. “Essa proposta será analisada pela cúpula deste Tribunal”, informou o órgão em nota.

O outro processo administrativo está na fase de colheita de provas. Nele, foi designada audiência de oitiva de testemunhas para esta sexta –  o que deve ocorrer mesmo com a prisão do escrevente no dia anterior.

 

Ainda segundo o TJ/SP, a apuração interna envolvendo o servidor do Fórum de Sorocaba teve início em março deste ano. A investigação começou após denúncias informais de condutas ilícitas.

Em ambos os processos foi determinado o afastamento preventivo do escrevente de suas funções por 180 dias. A medida levou em conta “a gravidade das denúncias e as provas colhidas”, de acordo com a nota.

O TJ/SP informou, também, que a prisão do acusado foi decretada por um dos juízes criminais da Comarca de Sorocaba. O processo policial, diz o órgão, tramita em segredo de Justiça.

O escrevente foi preso em Piraju, onde estava escondido. Crédito da foto: Divulgação (22/08/2019)

A prisão

O escrevente, de 52 anos, foi preso na manhã desta quinta-feira (22) em Piraju, onde estava escondido. Segundo a Polícia Civil, ele procurava réus em processos e vendia a ideia de que poderia influenciar em decisões judiciais.

A investigação identificou seis vítimas, mas apenas duas  delas chegaram a efetuar pagamentos. Não há confirmação de que ele de fato tenha alterado alguma decisão, já que esse trabalho é de competência dos juízes.

O caso que mais chamou a atenção foi a de um réu em processo por extorsão. Conforme o delegado Rodrigo Ayres, o escrevente procurou a mãe do réu e chegou a receber R$ 10 mil por transferência bancária. Porém, apesar do pagamento, o acusado acabou sendo condenado a 30 anos de prisão em razão dos crimes.

O funcionário público atuava há 26 anos no Fórum de Sorocaba, na 2ª Vara Criminal. Por estar envolvido em outras investigações em andamento, ele não teve seu nome revelado pela polícia.

O escrevente será autuado por concussão, que é o nome dado à extorsão praticada por funcionário público. A pena prevista no Código Penal é de dois a oito anos de reclusão.

O titular da Dise, delegado Rodrigo Ayres. Foto: Emídio Marques (16/07/2019)
Comentários