Sorocaba e Região

Equipe do zoo fez a soltura de 129 animais após tratamento

A secretaria informa que o zoo não faz resgate de animais em vida livre e apenas recebe bichos feridos ou com risco de morte
Equipe do zoo fez a soltura de 129 animais após tratamento
Equipe técnica faz a soltura em locais seguros e adequados. Crédito da foto: Divulgação / Secom Sorocaba

Entre janeiro e novembro deste ano, 129 animais de diferentes espécies, entre aves, répteis e mamíferos, foram soltos na natureza, após chegarem ao Parque Zoológico Municipal “Quinzinho de Barros” machucados e, muitas vezes, com risco de morte. Eles foram levados por munícipes, pela Polícia Ambiental e também o Corpo de Bombeiros.

A Sema salienta que o zoo não faz resgate de animais em vida livre e apenas recebe bichos feridos ou com risco de morte. De acordo com o biólogo Marcos Tokuda, os animais chegam machucados ao zoológico por inúmeros motivos, como atropelamento, queimadas, tráfico de animais, além de filhotes que por algum motivo ficaram órfãos e necessitam de cuidados especiais.

Entre os animais resgatados neste ano e que foram soltos na natureza estão o veado-catingueiro e o sapo-cururu. O veado foi encontrado preso numa cerca e chegou ao zoo com escoriações e estresse muscular. Foi realizado tratamento com fluidoterapia e medicamento específico. Após o animal se recuperar, a equipe do zoo fez a soltura na Floresta Nacional de Ipanema (Flona Ipanema), em Iperó.

Leia mais  Éden, Cajuru e Lopes de Oliveira têm horários de ônibus ampliados

Já o sapo-cururu chegou ao zoo com um lacre de botijão de gás de plástico preso na cloaca, após ingerir o material. O animal foi atendido pelo médico veterinário residente Matheus Vasconcellos e passou por uma cirurgia para retirar o plástico. Após a recuperação, o sapo foi solto na mata do zoo, próximo ao lago.

De acordo com Tokuda, as solturas são realizadas em locais que possuem o tamanho suficiente para abrigar a espécie, além de serem seguros para os animais. (Da Redação)

Comentários