Covid-19 Sorocaba e Região

Comércio e indústria avaliam restrições da fase vermelha

A medida segue decisão do governo estadual, que colocou todo o Estado na fase mais restritiva, por conta da pandemia
Comércio e indústria avaliam restrições da fase vermelha
Comércio não essencial pode abrir as portas somente até hoje, segundo o Plano SP. Crédito da foto: Pedro Negrão (1/2/2021)

Hoje (5), é o último dia que o comércio não essencial funciona antes do início da fase vermelha em todo o Estado. Entidades dos setores comercial e industrial avaliam o retorno de Sorocaba e região para a fase vermelha do Plano São Paulo, a partir da meia-noite deste sábado (6).

A medida segue decisão do governo estadual, que colocou todo o Estado na fase mais restritiva, por conta da pandemia da Covid-19. O Cruzeiro do Sul também questionou a Prefeitura de Sorocaba a respeito, que informou que está elaborando o decreto municipal, cujo documento será publicado hoje (5). O retorno à fase vermelha segue até o dia 19 de março.

A Associação Comercial de Sorocaba (Acso) considera “grave a situação da pandemia” e apoia, neste momento, as restrições “mais duras” adotadas pelo governo estadual. Já o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), Regional Sorocaba, informa que, a princípio, a decisão do Estado de colocar todas as 645 cidades paulistas na fase mais restritiva, onde só as atividades consideradas essenciais funcionam, não afeta o setor industrial, visto que a indústrias são consideradas como atividade essencial.

Para o presidente da Acso, Sérgio Reze, as medidas mais restritivas são inevitáveis. “Estas medidas tornam-se inevitáveis para controlar o impacto da transmissão do vírus no curto prazo, e evitarão o colapso total do sistema de saúde, além de frear a taxa de mortalidade”, afirma.

Reze acredita que “as restrições adotadas com o isolamento prolongado no ano passado, e sem medidas complementares que pudessem impedir a situação atual, debilitou fortemente a capacidade de sobrevivência das empresas, a manutenção dos empregos e a geração de renda da maior parte da população. As medidas precisam ser monitoradas conforme a situação de cada localidade, com medidas mais duras onde justificadas, mas com critérios para evitar sacrifícios além dos necessários para as empresas, os trabalhadores e a população”, destaca Reze.

Leia mais  Sorocaba vacina idosos de 67 anos contra a Covid-19 nesta quinta-feira

A Acso enfatiza que a preocupação com a saúde deve estar em primeiro lugar. “Pedimos encarecidamente que a população se cuide e que respeite todas as normas sanitárias. Todavia, o setor do comércio e serviços também precisam ser olhados com mais critério”, aponta. A entidade informa que nesses 14 dias da fase vermelha, o comércio em geral, que não é considerado atividade essencial, pode recorrer ao comércio eletrônico, ou seja, as vendas pela internet, e serviços de entrega, delivery, e até por aplicativo de mensagens. “Por enquanto, o comércio eletrônico é a melhor saída nesses dias de fechamento. A Acso possui diversas ferramentas que podem auxiliar os empreendedores e que estão à disposição de todos”, informa.

Setor industrial

Segundo o diretor titular do Ciesp Sorocaba, Erly Domingues de Syllos, inicialmente, o setor industrial de Sorocaba e região, assim como em todo o Estado, não é diretamente afetado pela mudança para a fase mais restritiva do Plano São Paulo, a vermelha, a partir da meia-noite deste sábado. Isso porque conforme decreto do próprio Estado, as indústrias são consideradas atividades essenciais.

Leia mais  Corpo de bombeiros resgata filhote de gato preso em árvore na Vila Santana

Na opinião do diretor do Ciesp local, a Prefeitura de Sorocaba também não deverá tomar nenhuma medida mais restritiva em relação ao funcionamento das indústrias, como ocorreu nas cidades de Araraquara e Mogi Guaçu, que recentemente chegaram a decretar o chamado “lockdown”, onde até parte das atividades consideradas essenciais não puderam funcionar.

“Pelo que tenho conversado com o prefeito de Sorocaba, Rodrigo Manga, a cidade não irá tomar medidas ainda mais restritivas em relação ao que foi anunciado pelo governo estadual. Então, apesar da fase vermelha, neste momento, o setor industrial não será afetado, visto que as indústrias continuam funcionando”, destaca.

Erly aponta ainda que o setor industrial tem tomado todas as medidas preventivas contra a Covid-19 e seguindo protocolos rígidos. “O próprio Ciesp elaborou um documento de 78 páginas nesse sentido e as indústrias em Sorocaba estão trabalhando seguindo todas as normas sanitárias previstas”, afirma.

O diretor do Ciesp local, contudo, chama a atenção para o tempo de duração da medida restritiva anunciada pelo Estado, que são de 14 dias, ou seja, até 19 deste mês. “A preocupação é somente no caso da fase vermelha ser prorrogada e acabar durando mais tempo do que os 14 dias previstos inicialmente. Como a medida restritiva afeta boa parte do comércio, e se as empresas não vendem, elas ficam com estoque e daí não compram, o que aí sim pode afetar a produção industrial. Então, esperamos que não seja necessário prorrogar a fase vermelha além desses 14 dias”, destaca. (Ana Cláudia Martins)

Comentários