Buscar no Cruzeiro

Buscar

Acervo

Campanha Dezembro Vermelho detecta 71 casos de sífilis em Sorocaba

13 de Dezembro de 2018

Campanha detecta 71 casos de sífilis Os exames foram feitos em diversos lugares no início do mês de dezembro. Crédito da foto: Secom / Divulgação

Dos 816 exames para sífilis realizados dentro da Campanha Dezembro Vermelho em Sorocaba, 71, ou 8,7% dos casos, deram positivo para a doença. A ação fez parte da programação desenvolvida pela Secretaria da Saúde e foi desenvolvida pelo Programa Municipal de IST/HIV/AIDS/Hepatites Virais. No total foram realizados 1.773 testes rápidos, sendo 957 para HIV, que identificaram seis casos positivos. Todos os pacientes foram imediatamente agendados para iniciar seus tratamentos.

O morador de rua, Cristiano dos Santos, destaca a importância desta realização da Prefeitura de Sorocaba e comenta a satisfação de poder realizar os testes frequentemente. “Os testes são importantes, pois só assim sabemos que não temos nenhuma doença. E através disso, podemos evitar transferir para outras pessoas. Já faço o exame durante muito tempo e admiro o trabalho de abordagem que se tem com os moradores de rua e com a possibilidade de tratamento.”

Prevenção

Segundo a coordenadora do Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA), Helena Solla, o objetivo da ação foi alertar a sociedade sobre a sífilis e o HIV e para o risco de propagação de outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), como HPV, herpes genital, gonorreia e hepatites.

“O preservativo ainda é o método mais eficiente de prevenção das ISTs. Temos percebido um aumento no número de casos novos de sífilis em Sorocaba, assim como tem ocorrido no país, e estamos detectando cada vez mais casos de HIV. No caso do uso inadequado do preservativo, o indivíduo que se expôs às ISTs deve procurar o SAME/CTA em até 72h para realizar a Profilaxia Pós Exposição PEP (testes rápidos + medicação). No caso de algum resultado positivo, o tratamento pelo SUS é completo e gratuito”, explica Helena.

A campanha

No dia 30 de novembro, foram realizados 500 testes rápidos para diagnosticar essas doenças no Shopping Cidade, situado na avenida Itavuvu. A realização também teve distribuição de preservativos e informativos impressos e orientações referentes às ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis).

No sábado, dia 1º de dezembro, o Parque dos Espanhóis recebeu uma campanha educativa para falar com o público jovem sobre o assunto através da Oficina Afro Beats. Já no dia 3, a Prefeitura de Sorocaba, por meio da Secretaria de Comunicação e Eventos (Secom), realizou a abertura oficial da Campanha Dezembro Vermelho e contou com a presença de autoridades.

Entre os dias 3 e 7 de dezembro, as 32 Unidades Básicas de Saúde (UBSs), o Caps (Centro de Atenção Psicossocial) Álcool Drogas Roda Viva, a rede penitenciária de Sorocaba e os Ônibus Rosa e Azul realizaram testes rápidos para diagnosticar HIV e sífilis.

Outro parceiro que participou da campanha foi o Sesc Sorocaba. O local também contou com a testagem rápida, além de uma roda de conversa combinada com filme sobre o tema das ISTs. As pessoas em situação de rua do Projeto Lar Fraterno Irmã Dolores foram testadas no dia 6 de dezembro. A Associação Transgênero de Sorocaba, no dia 7 de dezembro, também contou como apoio da SES e recebeu uma ação de testagem.

Exames ainda são feitos no Same

Conforme a Secretaria de Saúde (SES), as pessoas que não conseguiram fazer o teste durante a campanha podem procurar o CTA/Same (Serviço de Atendimento Municipal Especializado), que fica situado à rua Manoel Lopes, 220, na Vila Hortência, e atende de segunda a sexta-feira, das 8h às 15h. Os testes rápidos são simples. É coletado sangue da ponta do dedo e o resultado fica pronto entre 15 e 20 minutos, servindo para diagnosticar casos de HIV, sífilis e hepatites B e C.

Até dezembro de 2018, Sorocaba registrou 1.871 casos de sífilis e 161 de HIV. Já em 2017, a cidade atingiu 2.459 casos de sífilis e 240 de HIV. De acordo com a SES, o Programa Municipal de IST/HIV/AIDS/Hepatites Virais assiste cerca de 2.300 pacientes que vivem com HIV. (Secom Sorocaba)