Sorocaba e Região

Câmara de Sorocaba vota a cassação de Crespo nesta quinta-feira (1º)

Comissão Processante teve dois votos favoráveis à perda do mandato do prefeito e um contrário
Câmara vota amanhã a cassação de Crespo
Relatório final foi entregue pela Comissão à presidência da Câmara. Crédito da foto: Marcel Scinocca

Com divergência no voto, o relatório final da Comissão Processante que investiga o prefeito de Sorocaba, José Crespo (DEM), emitiu parecer pela cassação do chefe do Executivo. O vereador Luís Santos (Pros), membro da Comissão, votou contra a perda do mandato do prefeito. A conclusão foi entregue ao presidente da Câmara, vereador Fernando Dini (MDB), às 11h15 desta terça-feira (30).

Logo após a entrega do relatório final, uma reunião ocorreu na sala da presidência da Câmara. Dini afirmou que pretende seguir o rito. No início da tarde, o Legislativo confirmou a data da sessão extraordinária para esta quinta-feira (1º), conforme adiantou nesta terça ao Cruzeiro do Sul. A sessão será realizada às 13h, após a primeira sessão ordinária na volta da recesso parlamentar. Dini ainda salientou que o prazo final para a Comissão é dia 3, no próximo sábado, e não no dia 4, como anteriormente informado pela própria Comissão.

O relator, vereador Hudson Pessini (MDB), passou a noite de segunda para terça-feira trabalhando no relatório, juntamente com membros do Jurídico da Câmara. O presidente da Comissão Processante, vereador Silvano Júnior (PV), também passou a noite no Legislativo. “Foram encontrados, de fato, irregularidades”, garante Silvano Junior ao avaliar o relatório.

Leia mais  Câmara arquiva pedido para a abertura de comissão processante contra Crespo

 

Sobre a divergência no voto de Luís Santos, vencido pelos demais membros, alegou que não concordou com a falta do depoimento de um dos convocados, no caso o ex-secretário Eloy de Oliveira. “Outro ponto chave é que o secretário Eloy não veio para ser ouvido, não permitindo que a defesa o questionasse. Isso, no meu entender, prejudicou e muito”, afirmou. Hudson destacou que o depoimento de Eloy de Oliveira à Polícia Civil foi suficiente para balizar parte da denúncia.

Crespo foi investigado por suposta infração político-administrativa no caso do voluntariado na Prefeitura de Sorocaba, envolvendo a ex-servidora comissionada Tatiane Polis.

O relatório final afirma que ficou claro que Tatiane Polis não era uma simples voluntária, mas que, ao contrário, sugeria e coordenava projetos. O documento ainda insiste no poder de mando que a então voluntária exercia, representando o gabinete do prefeito em reuniões e sendo responsável pela agenda externa dele. Sobre o suposto recebimento pelo voluntariado, o relatório cita o depoimento de Eloy de Oliveira à Polícia Civil, no qual ele relata a situação.

O relatório também traz trechos de e-mails trocados entre o prefeito José Crespo, o ex-secretário Eloy de Oliveira e a ex-servidora comissionada Tatiane Polis.

Leia mais  Câmara abre CPI para investigar voluntariado na Prefeitura de Sorocaba

 

Defesa

A defesa do prefeito José Crespo comentou o parecer da Comissão. “O parecer era previsível. A defesa, agora, se prepara para acompanhar a sessão extraordinária e realizar a defesa no plenário, confiante de que os vereadores constatarão a inexistência de infração político-administrativa e votarão pelo arquivamento da denúncia”, afirma nota assinada pelo advogado Márcio Leme.

Dia da votação

No dia da votação, conforme definido em reunião entre a presidência do Legislativo em reuniões com o secretário de Segurança e Defesa Civil, coronel Antônio Valdir, haverá um esquema especial de acesso ao local. Os interessados em acompanhar a sessão poderão participar, desde que cadastrados previamente na entrada principal, onde receberão uma pulseira de identificação.O acesso dos munícipes será pela passarela da prefeitura e haverá barreira organizada pela Polícia Militar.

Leia mais  Comissão Processante da Câmara pode notificar Crespo por meio de edital

 

Por determinação do Corpo de Bombeiros, o número de visitantes da Câmara será limitado a 250 pessoas, para garantir a ordem, a segurança e a integridade física dos presentes. No plenário serão permitidos 130 visitantes e haverá ainda uma estrutura montada no saguão de entrada da Câmara, com transmissão da sessão, onde poderão permanecer 120 pessoas. (Marcel Scinocca)

Comentários