Sorocaba e Região

Bloco Depois abre o Carnaval de rua de Sorocaba

Bloco desfilou na avenida Eugênio Salerno, reunindo mais de mil foliões de todas as idades. Tradição é de 37 anos
Desfile Bloco Depois
Bloco desfilou na avenida Eugênio Salerno, reunindo mais de mil foliões de todas as idades. Crédito da Foto: Fábio Rogério (1/3/2019)

O bloco Depois a Gente se Vira abriu o carnaval na noite desta sexta-feira (1º) em Sorocaba, com uma concentração de aproximadamente mil pessoas na avenida Eugênio Salerno, esquina com a rua Goiás, ponto de partida do desfile até à praça Frei Baraúna.

Leia mais  Bloco Depois abre o Carnaval sorocabano

 

O desfile começou às 22h50. A avaliação de público foi feita pelo presidente do bloco, Paulo Henrique Soranz, o que na sua visão repete público igual ao do ano passado. A estimativa da Polícia Militar sobre a quantidade de pessoas foi a mesma.

Com o desfile de 2019, o Depois mantém uma tradição de 37 carnavais. “Aqui todo mundo é igual, todo mundo brinca; aqui palmeirenses e corintianos brincam juntos; é uma confraternização de amigos”, disse José Simonetti, um dos fundadores do bloco ao lado do professor Antonio Carlos, o Nilo, quando perguntado sobre os fatores que explicam a longevidade do bloco.

Ele recorda que a ideia inicial era uma fazer um carnaval sem norma, “meio anárquico no bom sentido, respeitando as diferenças, e principalmente sem conotação política, buscando sempre o lúdico, a diversão com mais alegria”.

E o Depois mantém a tradição de bloco com marchinhas, superando modismos, garantindo o espírito do carnaval. Atualmente, o bloco já tem até uma “velha guarda” de pessoas que se encontram todos os anos nessa abertura do carnaval. Crianças que curtiram o bloco no seu início hoje são quarentões. O público também se renovou, com muitos jovens e vários deles comparecem acompanhados dos pais.

O bloco homenageou a professora e ex-vereadora Tania Bacelli, que acompanhou a folia no carro de som. Várias figuras foram vistas, como habitualmente, entre elas Teline. Aos 77 anos, ele homenageia o Preto Velho com direito a bengala e cachimbo. Solicitado várias vezes para selfies, ele tem uma definição para o sucesso do Depois: “Empolgação: o pessoal gosta de carnaval.” (Carlos Araújo)

Comentários