Buscar no Cruzeiro

Buscar

Aumentam casos de fraude e furto de energia

03 de Março de 2019 às 06:01
Ana Claudia Martins [email protected]

Aumentam casos de fraude e furto de energia Os chamados “gatos” são os principais responsáveis pelas perdas de energia. Crédito da foto: Adival B. Pinto / Arquivo JCS
(3/3/2015)

Sorocaba é a cidade com o maior número de casos de fraudes e furtos na rede elétrica, entre 10 cidades da Região Metropolitana de Sorocaba (RMS), segundo levantamento divulgado pela CPFL Piratininga. Segundo os dados, a cidade registrou em 2018 o total de 5.677 ocorrências contra 3.400 em 2017, o que representa um aumento de 67% nos casos de fraudes e furtos de energia elétrica.

[irp posts="29727" ]

 

De acordo com os dados divulgados pela concessionária, de 1ª de janeiro até 27 de fevereiro deste ano, já foram registradas mais 867 irregularidades na cidade de Sorocaba. A CPFL afirma que os casos são os chamados “gatos”, que são manipulações dos equipamentos de medição e derivação antes da medição, sendo que a maioria das ocorrências são verificadas em imóveis residenciais, mas também ocorrem em imóveis comerciais e industriais.

Além de Sorocaba, os municípios da RMS que mais registraram casos de fraudes e furtos de energia elétrica no ano passado são: Votorantim (707), São Roque (465), Araçoiaba da Serra (433), Salto de Pirapora (264), Mairinque (249), Ibiúna (177), Alumínio (81), Capela do Alto (81) e Araçariguama (42). Na comparação das ocorrências registradas nas 10 cidades da RMS em 2017 com as do ano passado, o aumento no número de fraudes e furtos na rede elétrica foi ainda maior: 84%, passando de 4.447 para 8.176 casos.

Segundo a CPFL, no ano passado, considerando as 10 cidades da RMS, a concessionária conseguiu recuperar um volume de 19.623 MWh de energia furtada. “Isso seria suficiente para abastecer 10.901 famílias compostas por até quatro pessoas pelo período de um ano. O que equivale, aproximadamente, ao consumo de uma cidade do porte de Iperó (com cerca de 11 mil clientes), localizada na RMS”, diz a concessionária.

A CPFL alerta que consumidores que adotam a prática criminosa, popularmente conhecida como “gato”, estão colocando em risco as suas vidas e da população. “Pessoas não habilitadas que tentam manipular o medidor de energia ou realizar ligação direta na rede elétrica correm o risco de choque e acidentes graves, que podem ser fatais”, destaca a empresa de energia elétrica. Por conta do aumento de casos em Sorocaba e em mais nove municípios da RMS, a CPFL intensificou a fiscalização contra fraudes e furtos de energia nas cidades da região que são atendidas pela empresa. As fraudes e furtos de energia são crimes previstos no Código Penal, e a pena pode variar de um a quatro anos de detenção.

Ocorrências tornam conta de luz mais cara

Além de ser crime, os casos de fraudes e furtos na rede elétrica contribuem para tornar a conta de luz mais cara para todos os consumidores. Isso ocorre porque a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reconhece nas chamadas “perdas comerciais”, como são denominados os furtos e as fraudes no jargão do setor elétrico, uma parcela do prejuízo da distribuidora com o valor da energia furtada e dos custos para identificar e coibir as irregularidades. “A CPFL analisa o perfil de consumo de seus clientes, de modo a identificar possíveis variações no consumo de energia elétrica que indiquem perdas comerciais”, destaca a empresa.

Aumentam casos de fraude e furto de energia CPFL intensificou fiscalização para evitar mais perdas. Crédito da foto: Aldo V. Silva / Arquivo JCS (4/2/2016)

Já dos fraudadores também são cobrados os valores retroativos referentes ao período em que ocorreu o roubo, acrescidos de multa. Outra consequência negativa dos furtos e fraudes de energia é a piora na qualidade do serviço prestado, prejudicando todos os consumidores. As ligações clandestinas também sobrecarregam as redes elétricas, deixando o sistema de distribuição mais suscetível às interrupções no fornecimento de energia.

Denúncias podem ser feitas pelo aplicativo CPFL Energia, pelo site www.cpfl.com.br, pelo e-mail [email protected] ou pelo telefone 0800 774 4286.

Fiscalização

Por conta do aumento dos casos, a concessionária tem intensificado a fiscalização em todos os municípios atendidos. Em 2018, a empresa realizou 163.832 mil inspeções, aumento de 79,7% na comparação com as 91.125 mil inspeções executadas em 2017. Segundo a CPFL, para cada cinco fiscalizações realizadas, as equipes encontram uma fraude. “Isso significa que, no ano passado, a distribuidora encontrou 35.352 mil casos de fraudes e furtos, recuperando 84.847 MWh de energia, o que seria suficiente para abastecer 47,1 mil famílias por um ano, equivalente à cidade de Cubatão”, diz a empresa.

Para coibir a prática, a CPFL afirma que adotou novas tecnologias e mais inteligência em seus processos de monitoramento e análise. Segundo o Diretor Comercial da CPFL Energia, Roberto Sartori, esses investimentos têm sido um grande aliado na identificação das fraudes e furtos de energia nas redes da distribuidora. “Todas essas ações possibilitaram que a distribuidora passasse a identificar um número maior de irregularidades em 2018”, afirma Sartori. (Ana Cláudia Martins)