Covid-19 Sorocaba e Região

Covid: Análise de dados aponta aumento de casos em Sorocaba

AstraZeneca suspende testes de vacina contra Covid após reação adversa
Crédito da foto: Andrew Caballero-Reynolds / AFP (20/3/2020)

Um estudo realizado com dados oficiais sobre a pandemia do novo coronavírus, em Sorocaba, mostra novo aumento no número de casos, infecções e internações na cidade a partir de novembro de 2020. O estudo, do professor Flaviano de Lima, que é economista, leva em considerações informações desde março de 2020, quando o primeiro caso foi registrado. Para especialista ouvida pela reportagem, a situação já era esperada.

O estudo aponta que em abril de 2020 Sorocaba teve a ocorrência de 143 casos confirmados de Covid-19, com média diária de 4,8 casos e 20 óbitos — em março foram 11 casos e 1 óbito. O pico da pandemia, ainda conforme as informações, foi verificado em julho de 2020 com 5.326 casos novos confirmados no mês, com média diária de 172 casos e 129 óbitos. O patamar mais baixo da série foi verificado em outubro de 2020, com 2.275 casos no mês, média diária de 73 casos e 40 óbitos. Essas informações de que julho teve os números mais altos da pandemia na cidade, caracterizando a chamada a primeira onda, foi tema assunto em varias matérias do Cruzeiro a partir de dezembro.

Leia mais  EUA: avanço da pandemia no Brasil ameaça resto do mundo

Contudo, o estudo mostra que a partir de novembro de 2020 houve a “tendência de um indesejado ciclo de crescimento de novos casos”. Alguns especialistas consideram como o período em que se inicia a “segunda onda”, aponta o documento do economista. Ainda conforme os dados, Sorocaba chega em dezembro de 2020 com indicadores similares ao mês de junho, mês anterior ao pico, ocorrido em julho, atingindo 3.756 casos (ou 85% quando comparado a junho) com média diária de 121 novos casos, além de 74 óbitos.

Professor Flaviano. Crédito da foto: Fábio Rogério (12/11/2020)

Pelo estudo, que considera dados parciais até 18 de janeiro deste ano, as informações apontam para uma repetição dos resultados de dezembro de 2020 ou, em outro cenário, ter um desempenho próximo do que ocorreu no mês de junho de 2020. De acordo com o professor, tudo isso vem a explicar o recuo de Sorocaba no Plano São Paulo (PSP), no final do ano, e a partir de 25 de janeiro.

Esperado, não desejado

Rosana Maria Paiva dos Anjos, médica infectologista e especialista em saúde pública, afirma que o cenário era esperado, mas não desejado. A profissional lembrou das festas de fim de ano, que podem explicar o aumento nos números. O fim do isolamento também é parte do motivo. “Era sabido que em algum momento as pessoas deveriam voltar as suas atividades, a seus trabalhos, aumentando o número de casos, porque o vírus ainda está circulando”, comenta.

Leia mais  Polícia faz buscas contra suspeitos de furar fila em vacinação no RJ
Média de mortes por Covid-19 é a menor das últimas 9 semanas
Médica Rosana Maria Paiva dos Anjos. Crédito da foto: Erick Pinheiro (22/10/2012)

Ela ainda diz que há um público represado, como os das crianças e adolescentes que voltarão às aulas em breve, e poderão contribuir para esse aumento. “É uma movimentação que já era esperada”, ressalta.
A especialista também lembrou que a cidade está administrando bem a questão e que o Brasil tem bons números quando comparados com outros países, como na questão da taxa de letalidade e no número de recuperados. (Marcel Scinocca)

Comentários