Sorocaba e Região

Abaeté: 70% das algas já foram removidas

O serviço é realizado diariamente, por uma equipe que permanece no local durante todo o dia
70% das algas já foram removidas
Saae realiza o trabalho diariamente desde 23 de fevereiro no Jardim Abaeté. Crédito da foto: Secom Sorocaba

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) estima já ter removido cerca de 70% do total das algas que cobriam a bacia de contenção localizada no Jardim Abaeté, junto ao Parque das Águas. O montante de material recolhido já soma aproximadamente 2.024 metros cúbicos, equivalente a 168 caminhões do tipo basculante.

O serviço é realizado diariamente, por uma equipe que permanece no local durante todo o dia. Desde o dia 23 de fevereiro, a equipe do Saae utiliza uma retroescavadeira adaptada, com uma estrutura gradeada em metal na pá, para remover as algas com mais agilidades. A área já limpa foi isolada, para evitar nova infestação a partir do deslocamento da vegetação, decorrente do vento e da movimentação da água.

“Somente na quinta-feira (11), foram retirados mais 17 caminhões carregados, com 12 metros cúbicos de vegetação cada um. E os trabalhos prosseguem diariamente. A retirada evoluiu muito desde a última semana e já desobstruímos a grande maioria da superfície da bacia de contenção”, destaca o diretor-presidente do Saae, Ronald Pereira da Silva.

Leia mais  Sorocaba vacina idosos de 67 anos contra a Covid-19 nesta quinta-feira

Uma equipe embarcada, equipada com cordas, tem feito o arrasto das algas para um ponto ao alcance da retroescavadeira, bem como instalado as barreiras de contenção, montadas com bambu preso em uma corda junto à superfície do lago.

O trabalho de remoção das algas continua concentrado nas proximidades da Estação Elevatória de Águas Pluviais. As bombas antienchente, usadas para fazer o recalque da água da bacia de contenção para o rio Sorocaba, operam normalmente, sem risco de entupimento pelas algas, pois o gradeamento existente retém esse tipo de material.

A bacia do Jardim Abaeté ocupa uma área de 24 mil metros quadrados e tem capacidade para 48 milhões de litros de água. A remoção das algas teve início em janeiro e, depois, foi retomada em fevereiro, devido ao crescimento rápido da vegetação aquática, em função das altas temperaturas em conjunto com a umidade. (Da Redação, com informações da Secom Sorocaba)

Comentários