Sem categoria

Exposição coletiva – Fotografia Impura

Rodolfo Schian – ecoblues@ecoblues.com.br

Mais uma exposição deve brilhar na saudosa Terra Rasgada. E você fotógrafo ou aficionada pelo olhar das lentes, apaixonado por arte e cultura, não pode perder de visitar.

O próximo sábado, 14/07, é um dia que promete marcar história da fotografia em Sorocaba, teremos a inauguração de um espaço inovador de exposição e encontros para os apaixonados pela artes visuais.

Este novo espaço são as salas do MATIZ Ateliê Visual, que tem como objetivo, além de divulgar conhecimento e trabalhos das artes visuais, formar novos talentos, refinar o conhecimento dos artistas e produzir projetos. Contando com uma estrutura que lhes permite oferecer cursos, oficinas, ateliê e exposições.

MATIZ Ateliê Visual é resultado do sonho de seu coordenador e empreendedor, Marco Gonçalves. Um paulistano formado em comunicação social e especializado em fotografia que veio nos abrilhantar com seu talento, um nome que escutaremos muito ainda por sua visão artística única e reveladora.

A inauguração do espaço expositivo MATIZ ocorre com a exposição coletiva Fotografia Impura, contanto com obra de 8 artistas que utilizam a fotografia como linguagem.

O conceito da exposição é a utilização da fotografia de forma livre e experimental, se libertando das amarras da fotografia moderna. Este é o sentido de seu nome “Impura”. Com trabalhos compostos através de três abordagens: intervenções no processo de produção das imagens, edição criativa de narrativas fotográficas e exploração de conceitos inerentes à fotografia, como a ideia de verdade.

É a fotografia como meio interagindo com outros meios, é a convergência artística que nos faz questionar hoje o que é e como é produzida uma imagem.

“Os trabalhos selecionados ilustram as possibilidades criativas da fotografia. Buscam evidenciá-la não como técnica a serviço de uma suposta objetividade, mas como uma linguagem rica em possibilidades expressivas, assumidas por seus autores como um meio para falar de suas percepções mais pessoais sobre o mundo”, explica Marco Gonçalves, artista visual e coordenador de atividades da Matiz.

Na exposição coletiva Fotografia Impura encontraremos os artistas e projetos: Adriano Sobral, Fotógrafo de Sorocaba, apresentando “Instante Cênico”; Cláudia B. Guimarães, Fotógrafa de Sorocaba, apresentando “Entremares”; Helen Carpiné, Fotógrafa de Sorocaba, apresentando “A Oração dos Gestos”; Luciana Ferraz, Advogada e Fotógrafa amadora de Sorocaba apresentando dois trabalhos “Teodora I” e “Teodora II”; Marco Gonçalves, Artista Visual de Sorocaba, apresentando dois projetos “Jogos de remontar memórias” e “Ponto de fuga”; Marco Ponce, Designer Gráfico e Fotógrafo amador de Sorocaba, também apresentando dois trabalhos “Walking temples” e “Birds by the lake”; Mayara Cristofoletti, Jornalista e Fotógrafa de Piracicaba, com os trabalhos “Sampa líquida” e “Duplo sonoro visual” e; Mirna Modolo, Fotógrafa de Sorocaba, apresentando “Algo de Concreto”.

Uma exposição que promete nos fazer questionar a fotografia como simples artefatos de documentação. Que vai ser uma luz para os caminhos da fotografia criativa como linguagem artística e como ponto de convergência para outros meios de comunicação e arte.

Serviço: 
Exposição coletiva FOTOGRAFIA IMPURA
Abertura: dia 14 de julho de 2018 (sábado), das 16h às 21h.  A exposição ficará aberta ao público até 15 de agosto de 2018.
Horário de visitação: de terça a sexta, das 14h30 às 19h30.  Sábados, das 10h às 13h.
Local: Matiz Ateliê Visual: rua Minas Gerais, 96, Centro, Sorocaba

Para mais informações sobre o MATIZ Ateliê Visual acesse o site http://matizatelievisual.com/

Para mais informações sobre Marco Gonçalves acesse o site http://margoncalves.com/ 

Comentários