Educa Mais Educare

Liderança feminina: escola voltada para mulheres promove melhorias na carreira e crescimento pessoal

Apenas 39% dos cargos de liderança são ocupados por mulheres

Um estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT) alerta: a desigualdade entre homens e mulheres no trabalho não diminuiu. Permanece há, pelo menos, 27 anos. A pesquisa revelou que o mercado de trabalho remunera cerca de 20% menos as mulheres quando comparadas com os profissionais do gênero masculino, que exercem atividades compatíveis.

Carine Roos e Amanda Gomes – Cofundadoras da ELAS. Créditos: Divulgação

Apesar de ser inaceitável que essa distinção ainda exista, mulheres vem batalhando cada vez mais para combater essa desigualdade. O caminho para a mudança passa sempre pela busca do conhecimento e aperfeiçoamento. Olívia Kamio, 36 anos, sentiu necessidade e coragem para mudar de carreira. Formada em Sistemas de Informação, com MBA em Gestão Empresarial e trabalhando com a Engenharia de Software, já não estava mais feliz, quando sentiu a necessidade de dar uma virada na vida profissional. “Precisava resgatar minha confiança para fazer essa mudança de carreira”.

A transformação na vida de Olívia aconteceu quando conheceu a Escola ELAS. Focada no desenvolvimento pessoal de mulheres que desejam assumir posições de destaque nas empresas, em seus negócios ou na sociedade, a Escola Elas investe nas potencialidades do universo feminino. “Fiquei apaixonada! A escola trouxe muitas mudanças internas e externas para minha vida. Consegui mudar de área e hoje atuo como profissional de Agile Coaching, que é um Coaching de métodos ágeis”. Com novo ânimo e perspectivas, Olívia mudou de carreira, mas não de empresa. “Em apenas três meses, tive reconhecimento do meu papel e em seis meses ganhei um bônus financeiro”, comemora.

Leia mais  Aplicativo permite aluno consultar desempenho escolar

Dados da última pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em relação à participação da mulher em cargos de gerência no Brasil apontam que ELAS ocupam apenas 39,1% dessas posições, contra 60,9% de homens. Ainda de acordo com a pesquisa, em todas as faixas etárias havia maior proporção de homens ocupando os cargos gerenciais, o que se agravava nas faixas etárias mais elevadas. Além disso, a desigualdade entre mulheres pretas ou pardas e os homens pretos ou pardos é maior do que entre as mulheres brancas e os homens brancos.

“Além de uma forte mudança cultural, quem têm grande impacto e papel fundamental nesse processo são as empresas”, defende Amanda Gomes, 38 anos, uma das fundadoras da ELAS. Para ajudar mulheres que desejam seguir uma carreira e alcançar os melhores cargos de liderança ou chefia, a Escola ELAS oferece cursos e consultorias focados no público feminino. Os cursos geralmente são ministrados na cidade de São Paulo, mas já houve turmas de workshop no Rio de Janeiro, Brasília e no estado de Minas Gerais.

Leia mais  Prazo para participar da lista de espera do ProUni termina nesta terça

“Percebemos que no mercado não existia nada neste nicho, pois é um treinamento direcionado para desenvolver a liderança. Nosso trabalho é só com as mulheres”, destaca a cofundadora do ELAS, Carine Roos, 33 anos. Formada em Sociologia e Comunicação Social, ela já trabalha na área há uma década. “A escola existe há pouco mais de um ano mas é fruto de muito estudo”, acrescenta.

Olívia, ex-aluna da Escola Elas. Crédito: Divulgação

O maior desafio da Escola ELAS é expandir a mensagem para outras regiões do país. “Afinal, temos objetivo de conscientizar as empresas dos benefícios de ter um programa exclusivo para as mulheres. Isso, com certeza, vai fazer a diferença”, ressalta Amanda, que é formada em Administração de Empresas.

Atualmente, 30% do público das iniciativas da Escola ELAS são de outros estados.  Os cursos são presenciais. As inscrições podem ser feitas pelo site https://programaelas.com.br/. “Acreditamos no impacto social positivo, As mudanças são perceptíveis, acontecem de dentro para fora. As mulheres que participam ficam mais leves e aumentam seu poder de influência nos ambientes em que convivem. É um trabalho de cura e transformação”, define Carine.

Leia mais  Saiba se você corre algum risco ao mentir no currículo

 Vanessa Casaes – Agência Educa Mais Brasil

Comentários

CLASSICRUZEIRO