Buscar no Cruzeiro

Buscar

#TBT

03 de Abril de 2019 às 23:30
Manuel Garcia [email protected]
Manuel Garcia [email protected]

#TBT Alunas batem papo na porta do Estadão em setembro de 1986. Crédito da foto: Arquivo JCS

O nome é Escola Estadual Dr. Júlio Prestes de Albuquerque, mas a instituição é conhecida como “Ginásio do Estado” ou apenas “Estadão”. Trata-se do primeiro ginásio público mantido pelo governo do Estado em Sorocaba.

O “Estadão” nasceu em 1928, como Ginásio Municipal de Sorocaba, a partir de uma iniciativa de lideranças da cidade. Só no ano seguinte, o prefeito João Machado de Araújo criou o “Gimnásyo Municipal” e a anexa Escola Normal Livre Municipal.

[irp posts="75522" ]

 

Naquela época, quem queria ser professor tinha que estudar fora, especialmente na Escola Peixoto Gomide, de Itapetininga, cidade que, por ter mais força política, havia conquistado escola estadual com Curso Normal já em 1895.

Foi a Loja Maçônica Perseverança III, de longa tradição no apoio ao ensino, que ofereceu espaço no seu prédio, para o início das aulas. Sorocaba já contava, desde 1910, com o moderno prédio do Grupo Escolar Antônio Padilha, na rua Cesário Motta, construído pelo governo do Estado, mas não tinha uma sede ampla para acolher os alunos do curso ginasial -- fazendo muitas famílias deixarem a cidade em busca do melhor ensino para seus filhos.

Em 1932 lançaram a “campanha do tijolo” para a construção do prédio próprio, em terreno doado por Alberto Trujillo, na avenida Eugênio Salerno, atual endereço da escola. Somente em 1934 é que o governo do Estado finalmente transformou a Ginásio Municipal em Ginásio Estadual, mantendo anexo o Curso Normal. Foi quando a escola, pelo seu tamanho e origem, começou a ser chamada de “Estadão”.

Em 1944, por ação do Padre Armando Guerrazzi, o Ginásio transformou-se na primeira escola pública de nível médio de Sorocaba, passando a ter, além do ginasial, também os cursos Colegial, Magistério e Clássico.

Em 1946, o Colégio Estadual recebia o nome de “Dr. Júlio Prestes de Albuquerque”, cuja fotografia como patrono foi entronizada em 1948, no Salão Nobre.

Ao longo do tempo, a escola já teve 21 diretores. Entre eles, Achilles de Almeida, de 1930 a 1934; Roberto Paschoalich, no período entre 1939 e 1948; Roque Ayres de Oliveira, de 1948 a 1962; Helly Grillo Mussi, de 1962 a 1982; Genny Laino, entre 1979 e 1983; Dulcina Guimarães Rolim, de 1991 a 1993; e Guaracy Rodrigues Bueno, de 1993 a 2017. Desde 2017 é dirigido por Arlete Fernandes Vellozo Dias.

Os arquivos da escola, os documentos de registros, os milhares de prontuários (com fichas, boletins e comprovantes do exame de admissão com a média e a foto 3x4), os álbuns de fotografia das formaturas, entre outros registros, mostram gerações de professores e alunos que marcaram época.

Do Estadão saíram sete prefeitos de Sorocaba: Armando Pannunzio, José Theodoro Mendes, Flávio Chaves, Paulo Mendes, Renato Amary, Vitor Lippi e José Crespo Gonzales.

Hoje, o Estadão conta com 16 salas de aula, mais sete salas anexas do Curso de Línguas. Ao todo são perto de 2,6 mil alunos, somando os de ensino fundamental, médio e de línguas.

Neste sábado, 6 de abril de 2019, às 10h, em uma iniciativa da Associação Comercial de Sorocaba (Acso) e da Câmara Municipal, será realizado no salão nobre da escola uma solenidade pelos 90 anos do ‘‘nosso’’ Estadão. (Colaborou Celso Ribeiro -- Marvadão).

[gallery columns="1" size="medium" ids="103169,103170,103171,103172,103173,103174"]

Galeria

Confira a galeria de fotos