Presença

Presença: Pessach

Famílias judaicas até hoje se reúnem para celebrar a Páscoa
Pessach
Bruno e Mariana e as crianças Felipe e André Kaplan. Crédito da foto: Manuel Garcia

A Páscoa Judaica é a celebração do êxodo do Egito. Deus instituiu essa celebração para lembrar o livramento da escravidão.

Seguindo a Lei de Moisés, no Antigo Testamento, famílias judaicas até hoje se reúnem para celebrar a Páscoa. Em Sorocaba, um jantar organizado pelo Centro Cultural Brasil-Israel reuniu a comunidade judaica e simpatizantes.

Leia mais  Arcebispo destaca a importância da Semana Santa para os católicos

 

O Pessach é celebrado por oito dias. Nesse período os judeus não podem comer alguns alimentos, os chamados Rametz, que são derivados de cinco grãos, os mais famosos são trigo, cevada, centeio, aveia e espelta. O jantar precisa ser preparado seguindo as tradições judias. Antes de comer, os judeus seguem 15 passos, que estão no Hagadá. Músicas cantadas e leituras lembram a história do povo judeu.

A Páscoa Judaica é comemorada seguindo o calendário judeu, diferente do cristão. Mas neste ano, coincidentemente, as datas foram comemoradas na mesma semana. No mesmo prato, alimentos cheios de significados. A batata é o fruto da terra, o nascimento; o doce representa a argamassa usada pelos judeus nas construções; as ervas amargas são símbolos do período difícil de escravidão; e o osso representa a mão e o braço que Deus estendeu para libertar os hebreus. Outro item indispensável é a matza, a massa de pão não fermentada, fina e crocante.

Comentários

CLASSICRUZEIRO