Presença

A Páscoa de todos e a importância das comemorações

Em meio à pandemia do coronavírus, as famílias reinventaram as comemorações para seguirem unidas, mesmo distantes

Ao buscar pelo significado da Páscoa, as ideias de transformação e ressurgimento devem logo aparecer. Marcada no calendário cristão, a data celebra a ressurreição de um dos maiores símbolos espirituais do mundo: Jesus Cristo.

Transportando a celebração para 2021, parece que descobrimos, ou melhor, redescobrimos um pouco da importância de ainda termos comemorações como essa na atualidade.

Em meio à pandemia do coronavírus, as famílias reinventaram as comemorações para seguirem unidas, mesmo distantes. A Páscoa deste ano serve como esperança e como uma passagem para dias melhores.

A coluna Presença deste domingo convidou representantes de algumas religiões para falar sobre essa data tão importante. Esta coluna, acima de tudo, mostra que o momento é de união e solidariedade entre todos.

Nesta Páscoa, devemos ajudar aqueles que precisam. Ser solidários. E devemos fazer dessa data um momento especial para alguém. Páscoa é amor e é nosso dever espalhar este sentimento pelo mundo, mesmo que de forma virtual. Páscoa é união… união da família, união dos amigos, união das religiões, união das diferenças, para juntos levarmos esperança e dias melhores a todos.

 

O susto da ressurreição

Pastor Eduardo Bortolossi, da Igreja Batista de Sorocaba. Crédito da foto: Divulgação

Na Páscoa lembramos a morte e a ressurreição de Jesus. No relato da Bíblia feito pelo médico Lucas, dois discípulos que voltavam para Emaús afirmaram que as mulheres lhes deram um susto com a notícia da ressurreição de Cristo (Lucas 24:13-25). A palavra grega para “susto” significa “tirar da posição”, “deslocar”.

É exatamente isso que a ressurreição de Jesus, que é a principal notícia da Páscoa, faz conosco. Nos desloca de uma posição de desânimo, perplexidade, incerteza e medo para uma posição de fé e esperança.

Se Cristo ressuscitou e venceu a morte, não há nada que não possa ser superado e vencido! Dois mil anos atrás, o sábado da espera, era um dia tão escuro como este difícil tempo que vivemos. Mas a melhor notícia é que o domingo chegou e Jesus ressuscitou.

Lembre-se que Páscoa é a marca de um novo começo, é o poder da ressurreição de Jesus vivendo em nós, animando e fortalecendo-nos para enfrentarmos as batalhas que a vida prepara.

O meu desejo e a minha oração é que nesta Páscoa você leve um “susto celestial” e seja movido do medo para a fé, da tristeza para a alegria, do desânimo para a força, da desesperança para a esperança. Isso só é possível através da fé em Jesus Cristo, que morreu, mas ressuscitou e Reina para sempre…

Nele!

Pastor Eduardo Bortolossi
Igreja Batista de Sorocaba

 

A força da Páscoa na vivência da fé e da esperança

Padre Flávio Jorge Miguel Júnior. Crédito da foto: Vinícius Fonseca (11/2/2020)

Para a maioria das pessoas a Páscoa é uma festa que faz parte do calendário oficial e celebra a ressurreição de Jesus, sua vitória sobre o inferno e a morte. Jesus Cristo sofreu a dor da traição e carregou sobre si os pecados da humanidade. Foi crucificado, experimentando uma morte violenta.

E no terceiro dia ressurgiu dos mortos, venceu a morte e apareceu aos seus amigos, instaurando um novo tempo na história da humanidade, que se dividiria em antes e depois deste acontecimento. Veríamos a vida da mesma forma se não fosse o acontecimento da ressurreição de Cristo? Certamente que não.

O fato de a humanidade ter evoluído na construção de parâmetros pacíficos de convivência, na ideia de amor ao próximo e no respeito às diversidades ao longo dos últimos dois milênios, estaria relacionado de alguma forma à ressurreição de Jesus? Não apenas à ressurreição, mas à Sua existência, que culminou com a ressurreição.

Hoje, quando os cristãos celebram a quaresma e a Semana Santa em preparação para a Páscoa, experimentam o exercício da disciplina, realizando jejuns e oferecendo sacrifícios de atitude, deixando de fazer algo que gostam ou de comer algo que gostam, ou até mesmo realizando atos de caridade em prol de alguém, é um tempo de um exercício de fé.

Leia mais  #TBT: Votorantim

Embora o objetivo seja espiritual e religioso, esta vivência pode afetar a vida das pessoas de forma muito positiva, principalmente em tempos de pandemia. Antes da pandemia vivíamos em um tempo de individualismos, orquestrado pelo poder do tempo, onde as pessoas precisam fazer o máximo em menos tempo possível.

As tecnologias não deixavam de nos lembrar a todo instante que há alguém visualizando algo sobre nós, ou chamando nossa atenção, sejam os amigos, familiares e colegas ou sejam os anúncios publicitários, as abordagens comerciais e políticas ou as notícias e programas de entretenimento com os quais nos identificamos.

Ou até mesmo os eventos esportivos que gostamos, sem falar dos apelos que nossa mente nos faz para adquirirmos este ou aquele presente para compensar nosso trabalho duro e falta de tempo para nós mesmos. Mas, de alguma forma, a pandemia fez com que muitas pessoas começassem a refletir em algo que transcenda toda esta corrida maluca que empreendem todos os dias e é por isso que celebrar a Páscoa faz sentido para a saúde psíquica.

Neste um ano de pandemia estamos podendo meditar sobre o sentido da vida e como usamos o tempo, além de descobrirmos quão frágeis somos. As pesquisas no campo da psicologia da religião nos revelam que as pessoas com fé apresentam maior propensão a superar problemas psíquicos e até mesmo biológicos, assim podemos encontrar no fato religioso da Páscoa um motivo a mais para enfrentarmos essa terrível pandemia e a luz da Páscoa projetarmos com esperança um futuro melhor a ser construído, com novos valores e novas relações com o outro.

A ressurreição de Jesus, por um lado, celebrada pelos cristãos, representa que não importa qual a situação em que se encontra um ser humano, nada poderá lhe privar de sua esperança, pois nem mesmo a morte que representa o maior sofrimento para a existência humana é capaz de ditar o fim último de uma vida, pois ela foi vencida pela ressurreição de Jesus.

Não é possível saber tudo sobre a realidade humana, mas o que sabemos é que quando as pessoas têm esperança no futuro, elas se tornam mais leves, elas são capazes de sorrir, de se sentirem livres e isto as possibilita realizar seus projetos, construir laços afetivos saudáveis, até mesmo amar sem ter medo de não ser correspondido.

Certamente há muitas pessoas no mundo que não são cristãs e não conhecem o fato da ressurreição, mas para os que creem não se pode dizer que este acontecimento passe despercebido e não possa gerar frutos positivos para a saúde psíquica.

Se a morte pode, de alguma forma ser vencida, e o caminho ensinado por Jesus para vencê-la foi a vivência do amor, então porque não empreender todas as nossas forças para viver o amor em nossas vidas?

Feliz Páscoa!
Padre Flávio Jorge Miguel Júnior

 

A páscoa para Povos Tradicionais de matriz Africana

Yalorisa Lourdes Liéje, da Associação de Candomblé e Umbanda de Sorocaba e Região. Crédito da foto: Arquivo Pessoal

Nos Povos Tradicionais de Matriz Africana, não comemoramos a Páscoa. Porém respeitamos aqueles que comemoram, seja por sincretismo ou liturgia. Entendemos que passamos por momento de grandes mudanças e dificuldades, com muitas perdas de familiares e amigos.

Este momento, mais do que antes, pede acolhimento, reflexão, amor ao próximo e muito perdão. O candomblé não ensina a comemorar a Páscoa, no entanto nos ensina a nos renovarmos, nos integrarmos e vivermos em família.

Leia mais  Presença: Onde Doar

E, nesse contexto, onde existe o invisível e desconhecido ceifando quem amamos, os religiosos têm como missão estar em prol da harmonia fraterna. Pois nenhum livro sagrado promove a discórdia, nenhuma cultura ancestral promove conflitos.
Precisamos acreditar que nesta Páscoa, acima de tudo, a promoção pela vida através de ações caritativas irá superar todas as formas de denominações religiosas.

Que Olódùmarè, Deus possa estar presente em todos os lares, confortando corações e nutrindo de esperanças cada um de nós. E, para aqueles que comemoram, tenham uma Páscoa abençoada.

Yalorisa Lourdes Liéje – Ilé Omin Àse Agbára Ogum
Associação de Candomblé e Umbanda de Sorocaba e Região

 

A Páscoa na visão espírita

Osmar Marthi Filho, departamento de Comunicação da União das Sociedades Espíritas (USE) Intermunicipal de Sorocaba. Crédito da foto: Arquivo Pessoal

A Páscoa é uma das mais importantes festas comemorativas da tradição religiosa. Inicialmente, precisamos nos lembrar que a Páscoa é uma das principais festa do judaísmo. Jesus foi crucificado durante as comemorações da Páscoa hebraica e a tradição católica, alguns séculos após a desencarnação de Jesus, passou a comemorar a “ressurreição” d’Ele nessa mesma festa.

Dizemos ressurreição entre aspas, porque na visão espírita não pode haver ressurreição física, já que os elementos que compõem o corpo humano após sua morte retornam à natureza, sendo impossível cientificamente o retorno da vida naquele corpo.

O que entendemos é que Jesus sobreviveu espiritualmente à morte do corpo, aliás como todos nós o faremos, porque Ele mesmo disse que não veio destruir a Lei (Leis Morais e Físicas) mas dar-lhe cumprimento; ressurgindo, portanto, aos discípulos e apóstolos com seu corpo espiritual, o perispírito, conhecido por diversas religiões e citado inclusive pelo Apóstolo Paulo (I Coríntios, 15:44).

Nós, como espíritas, embora respeitando as tradições religiosas, não as seguimos, pois a Religião Espírita propõe nossa conexão direta com o Divino, Deus, o Criador, Jesus, o Mestre e os mentores espirituais que todos temos, sem simbolismos e intermediários, pois o que realmente ressalta dessa magnífica lição de Jesus é que a morte não existe e que todos sobreviveremos, como espíritos imortais que somos, a essa passagem natural e nos reencontraremos novamente na vida maior, a vida verdadeira, que é a vida espiritual, mensagem extremamente consoladora, plena de esperança, pois aqueles que nos precederam no processo da morte física continuam vivos, na Vida espiritual, Vida esta que Jesus nos prova com seu ressurgimento espiritual.

E mais, se sabemos que a vida continua após a morte do corpo físico, sabemos também que nossa vida futura dependerá do que fazemos hoje, de nossas atitudes em relação ao próximo, à sociedade, a nós mesmos.

Allan Kardec, o Codificador do Espiritismo, nos lembra em O Evangelho Segundo o Espiritismo que: “Fora da caridade não há salvação”, no sentido de que só o amor, a caridade, podem nos proporcionar felicidade real, progresso espiritual verdadeiro, sendo esse o Sacrifício mais agradável a Deus, de nosso próprio orgulho e egoísmo, em favor de nosso semelhante.

Sigamos sempre as Lições de Jesus, do respeito ao próximo, tolerância e certeza da Vida Futura, com a construção do Bem, baseado em seu Evangelho, que nos proporcionará a verdadeira felicidade.

Osmar Marthi Filho, departamento de Comunicação da União das Sociedades Espíritas (USE) Intermunicipal de Sorocaba

 

Pessach

Durante oitos dias, a partir do início da noite do sábado, 27 de março, até o início da noite deste domingo, 4 de abril, as comunidades judaicas em todo o mundo comemoram a Festa do Pessach, conhecida como “Páscoa Judaica”.

Leia mais  Presença: Nova diretoria do Ipa

Em Israel, são sete dias de festa. A data comemora a libertação dos judeus da escravidão no Egito, liderados por Moisés, e o surgimento de sua identidade como povo e nação.

Durante os oitos dias de celebração não se pode comer ou manter em casa os alimentos que contenham trigo, centeio, cevada, espelta e aveia. No lugar do pão tradicional é utilizada a matzá, pão sem fermento, como forma de lembrar e reviver os sentimentos de seus antepassados, saindo da escravidão para a liberdade.

Nas duas primeiras noites as família celebram um jantar especial chamado de Seder, onde é narrada a história do Êxodo. Faz-se leitura de bênçãos, cantam-se músicas judaicas e come-se pão ázimo (matzá) com ervas amargas (maror). No último dia da festa, é costume realizar uma refeição festiva para marcar o fim do período e reza-se em memória de familiares mortos.

A palavra Pessach significa “passar por cima, pular” em referência à última das dez pragas que Deus enviou ao Egito: a morte dos primogênitos. Na noite do Pessach, o anjo da morte visitou as moradias egípcias onde havia um primogênito, porém pulou as casas dos judeus onde havia um sinal nas umbreiras de suas portas com o sangue do cordeiro sacrificado a Deus, conforme havia sido ordenado a Moises.

Foi somente depois dessa praga que o “coração do faraó teria amolecido”, permitindo a saída dos judeus do Egito. Conta-se nos escritos judaicos que, no meio noite em que Deus atingiu os primogênitos egípcios, o faraó acordou assustado, pois seu próprio primogênito tinha morrido. Assim, ordenou à Moisés que todos os judeus saíssem imediatamente do Egito.

No último dia da Festa acontece o milagre da abertura do Mar Vermelho, quando o povo judeu encontrava-se sem saída, perseguido pelo exercito do faraó. Além dos judeus, uma multidão mista de pessoas acompanhou Moisés, adquirindo sua liberdade.

Os comentaristas explicam que esses eram convertidos que ficaram impressionados pelos milagres de Deus e desejaram adotar o judaísmo. Tudo isso demonstra o caráter de libertação conferida pela Festa de Pessach que deve ser vivenciado por cada judeu a cada ano, como se ele mesmo estivesse sendo libertado do Egito.

Na atualidade encontramos muitas semelhanças com aqueles dias, quando uma sucessão de dez pragas atingiu o Egito com o prenúncio da libertação proclamada por Moisés. Na noite de Pessach, as famílias do Egito não deveriam sair de suas casas para não serem atingidas pelo Anjo da Morte. Podiam estar juntos, no máximo, com a família vizinha, em número de pessoas suficientes para comer o cordeiro sem que nada restasse pela manhã.

Estavam apreensivos, com medo, haja vista a instabilidade de ânimo do faraó, que durante as nove pragas anteriores recusava-se a libertar o povo judeu em total confronto com o Deus de Israel. Mas havia uma esperança na qual eles se firmavam: a fé no cumprimento da promessa feita por Deus através de Moisés.

Naquela noite a ordem era: Fiquem em casa! Estejam prontos. Assim foi, até que libertação ocorreu no meio da noite, e nem houve tempo da fermentação da massa do pão. Daí comemos a matzá. Hoje os judeus também estão em suas casas e a ordem é permanecerem isolados diante da pandemia que assusta a todos.

Mas existe uma promessa de dias melhores para os judeus e toda a humanidade. Que seja em breve. Chag Pessach Casher VeSameach. Feliz Pessach!

Centro Cultural Brasil Israel / Sociedade Israelita Brasileira de Sorocaba.

Comentários