Buscar no Cruzeiro

Buscar

Acervo

Uma marca de esperança

03 de Abril de 2021

No meio de tantas notícias ruins e entristecedoras por conta da pandemia do novo coronavírus, uma marca obtida nesta quinta-feira (1º) precisa ser comemorada e encarada, literalmente, como uma dose de esperança para o Brasil sair dessa crise sanitária.

Somando as aplicações da primeira e da segunda doses, 1.095.362 pessoas receberam a vacina contra a Covid no País em um período de 24 horas. Foi a primeira vez que o número ultrapassou a marca de um milhão desde o início da pandemia, de acordo com dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa junto às secretarias de 26 Estados e do Distrito Federal.

Nesse recorde, 963.429 brasileiros receberam a primeira dose e outros 131.933 receberam a segunda aplicação do imunizante. Nesse dia, Minas Gerais, Paraná e São Paulo foram os Estados com mais doses aplicadas (de novo, somadas 1ª e 2ª doses), respectivamente com 318.287 doses, 159.596 e 133.501.

Ao todo no País já foram aplicadas 23.807.845 doses de vacina (18.584.301 da primeira dose e 5.223.544 da segunda dose), de acordo com as informações disponibilizadas pelas secretarias de Saúde dos Estados.

Assim, o número de pessoas vacinadas contra o coronavírus no Brasil, com pelo menos uma dose do imunizante, chegou a 18.548.301, o que equivale a 8,78% da população. Desse total de mais de 18 milhões de brasileiros vacinados, 5.223.544 já receberam as duas doses do imunizante, o equivalente a 2,47% da população.

Entre os Estados, o Amazonas é o que mais aplicou doses proporcionalmente à população: 15,08% dos maiores de 18 anos receberam a 1ª dose e 4,59% dessa faixa etária receberam a 2ª. Em seguida, aparecem Bahia (14,94% para a 1ª dose e 2,89% para a 2ª) e Mato Grosso do Sul (14,93% para a 1ª dose e 4,56% para a segunda).

A porcentagem mais baixa é do Mato Grosso, onde apenas 5,20% receberam pelo menos a primeira aplicação da vacina. Já em números absolutos, o maior número de vacinados com a primeira dose está em São Paulo (4,67 milhões), seguido por Bahia (1,66 milhão) e Minas Gerais (1,61 milhão).

Infelizmente, porém, no mesmo dia em que a marca de um milhão foi atingida, o Brasil registrou 91.097 casos e 3.679 mortes causadas pela doença, segundo dados do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (CONASS).

Mas há outras boas notícias em torno da vacinação. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), por exemplo, entregou ontem mais 1,3 milhão de doses ao Ministério da Saúde. Com esse lote, a Fiocruz já disponibilizou ao ministério 4,1 milhões de doses da vacina Oxford/Astrazeneca produzida no País graças a um acordo de encomenda tecnológica.

Mais quatro milhões de doses da Oxford/Astrazeneca foram importadas prontas da Índia e distribuídas ao Programa Nacional de Imunizações. Segundo a Fiocruz, está prevista para esta semana a chegada de mais um lote de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) que possibilitará a produção de 5,5 milhões de doses em Bio-Manguinhos.

O calendário de entregas da Fiocruz ao Ministério da Saúde prevê mais 3,2 milhões de doses na semana que vem e outros cinco milhões entre 12 e 17 de abril.

Desde o início da produção, o instituto trabalha para aumentar a escala e alcançar o patamar de um milhão de doses por dia. O acordo de encomenda tecnológica prevê que, até julho, 100,4 milhões de doses de vacinas sejam produzidas em Bio-Manguinhos com IFA importado.

Depois disso, a produção deve continuar com IFA produzido no Brasil, o que se dará por transferência de tecnologia dos desenvolvedores da vacina para a Fiocruz.

Que a chegada e a produção de doses aumente exponencialmente para que os brasileiros sejam vacinados o quanto antes. Vacina Sorocaba! Vacina Brasil!