Editorial

O importante papel do CVV

Com pandemia, busca por atendimentos no Centro de Valorização da Vida disparou

A pandemia que assola o mundo desde o início do ano passado não afeta somente a vida das pessoas, a economia e o dia a dia. Devido à sua característica de causar isolamento social e distanciamento pessoal, a Covid-19 atinge sobremaneira o emocional e a parte psicológica das pessoas.

Familiares, avós e netos que não podem se abraçar, colegas que não podem confraternizar. Falta carinho, toque, abraços, beijos. Tudo isso faz crescer o sentimento de medo, angústia, tristeza e desespero. E muitas dessas coisas podem levar à depressão. Cuidar da saúde mental é tão importante quanto cuidar do corpo. No Brasil, uma entidade faz um lindo trabalho voluntário para ajudar nessa tarefa de ajuda emocional. Trata-se do CVV, o Centro de Valorização da Vida.

Fundado em São Paulo, em 1962, trata-se de uma associação filantrópica que foi reconhecida como de Utilidade Pública Federal em 1973. Ela é a mantenedora e responsável pelo Programa CVV de Valorização da Vida e Prevenção do Suicídio, prestando serviço voluntário e gratuito de apoio emocional a toda a população. Essa ajuda é oferecida a todos os interessados por meio de postos espalhados pelo País.

Em 1977, o CVV começou a expandir-se pelo Brasil, estando hoje em quase todas as capitais e diversas cidades. Sorocaba é uma delas. No País, são cerca de 110 postos e 3.400 voluntários que se revezam para um atendimento 24h por dia, 365 dias por ano.

Esse atendimento é prestado de várias formas: pelo telefone, internet (email ou chat) ou mesmo, em alguns postos, presencialmente. Desde 2017, uma parceria do CVV com o Ministério da Saúde permitiu que as ligações de atendimento pelo número 188 se tornassem gratuitas.

Leia mais  Direito individual ou liberdade de expressão?

A linda história do Centro de Valorização da Vida está registrada no livro ‘Como Vai Você — CVV, 50 anos ouvindo pessoas‘, da Editora Aliança. A instituição é mantida com as contribuições dos próprios voluntários e por doações de pessoas e segmentos da sociedade. Tem personalidade jurídica e não está vinculada com qualquer religião, governo ou partido político.

Atualmente, o CVV cria e apoia iniciativas de ajuda emocional e prevenção do suicídio por meio de novos programas e atividades comunitárias, tais como CRC — Caminho de Renovação Contínua (grupos de encontro de ajuda emocional); Escola de Valorização da Vida (autoconhecimento); GASS — Grupos de Apoio aos Sobreviventes do Suicídio (familiares e amigos enlutados, ajuda emocional mútua); Estação Amizade (palestras para jovens e adolescentes; e rodas de conversa sobre convívio e problemas emocionais).

Agora um dado alarmante. Em Sorocaba, o Centro de Valorização da Vida registrou aumento de 48,17% na procura pelos atendimentos, na comparação dos números de 2020 com 2019. A busca pelo serviço passou de 66.103 atendimentos em 2019 para 97.946 em 2020. Além disso, no último mês de dezembro, a procura pelos atendimentos cresceu 28,04% na cidade. Já em todo o País, no mês passado, a procura aumentou 13,49%.

O CVV de Sorocaba conta atualmente com 94 voluntários, mas por conta dessa demanda crescente, é necessário mais gente disposta a ajudar. “Precisamos de voluntários para continuar oferecendo o apoio emocional 24h por dia, todos os dias”, diz o voluntário e vice-presidente do CVV de Sorocaba, José Luiz Húngaro.

Leia mais  Flagrantes de mais desrespeito

Afinal, a pandemia é somente uma das responsáveis por essa situação. Tradicionalmente, a época de fim de ano, com Natal e reveillón, é um período de elevação no número de atendimentos. As pessoas ficam naturalmente mais sensíveis e fragilizadas. Somando-se a isso as incertezas da Covid-19, as dificuldades econômicas, as perdas e preocupações, temos um cenário que pode levar a um quadro de extrema fragilidade emocional.

‘As pessoas ainda têm dificuldade de encontrar um ombro amigo para desabafar e falar de suas dores, angústias, medos, e também das incertezas por conta do cenário trazido pelo coronavírus. A escuta amorosa, sem julgamentos, pode salvar vidas”, lembra Húngaro.

E é justamente por conta dessa necessidade que o CVV de Sorocaba está com inscrições abertas para o curso gratuito de formação de novos voluntários. Devido à pandemia, ele será realizado de forma remota, pelo aplicativo Zoom, a partir de segunda-feira (18), às 19h.

No total, serão oito encontros de quatro horas cada, sempre às segundas. Para fazer o curso gratuito é necessário formalizar a inscrição prévia, por meio da qual será enviado o link de acesso à sala. As inscrições devem ser feitas pelo e-mail: sorocaba@cvv.org.br ou pelo WhatsApp 15-99723-7156 (apenas mensagens).

Leia mais  Menos presídios, mais escolas e hospitais

Tanto pelo e-mail ou pelo WhatsApp serão prestadas maiores informações sobre o curso, que abordará a compreensão, aceitação, confiança e o respeito para ouvir. Para ser voluntário a idade mínima é 18 anos e é preciso ter disponibilidade de quatro horas semanais para o plantão de atendimento.

O trabalho voluntário será realizado, após a conclusão do curso, na sede do CVV Sorocaba, à rua Dr. Nogueira Martins, 334, Centro, ou de forma remota, utilizando-se de recurso tecnológico.

Portanto, que tal doar um pouco de seu tempo para ajudar alguém que só precisa de uma coisa: ser ouvido?

Comentários