Editorial

Iniciativas simples e grandiosas

Parceria entre o Zoológico e a Secretaria do Meio Ambiente trata animais silvestres e os devolve à natureza

Atualmente, de forma geral, o que mais prolifera na mídia é notícia ruim. Principalmente quando os assuntos são pandemia, casos policiais ou economia.

Com relação à Covid, desde que o novo coronavírus surgiu, temos uma enxurrada de preocupações e tragédias. Já os casos policiais relatam crimes, agressões, delitos e muita coisa ruim que as pessoas cometem e praticam. E com a desaceleração da economia mundial, a apreensão também tomou conta desse tema.

Mas mesmo no meio de tanto problema, às vezes surgem notícias que mostram o melhor lado do ser humano. Elas nos dão uma lufada de esperança. São inspiradoras e nos fazem continuar acreditando no ser humano, por mais que os exemplos e evidências nos levem a um ceticismo crônico.

Uma dessas surpresas pôde ser vista no site e nas páginas deste jornal Cruzeiro do Sul na edição de domingo (28). A notícia em questão foi a soltura de 22 animais silvestres feita pela Secretaria do Meio Ambiente e Sustentabilidade (Sema) de Sorocaba, feita em parceria com o Parque Zoológico Quinzinho de Barros, na sexta (26).

Os animais foram soltos no Parque Natural Municipal de Corredores da Biodiversidade Marco Flávio da Costa Chaves. Nessa leva foram devolvidos à natureza 14 corujinhas-do-mato, duas maritacas, duas rolinhas, dois gambás-de-orelha-branca, uma cascavel e um lagarto teiú.

Leia mais  ICMS Ambiental: um tributo à natureza

Este último, por exemplo, havia chegado ao zoo no ano passado, após ter sido acidentalmente atropelado. A equipe técnica do Quinzinho de Barros realizou todos os cuidados, incluindo uma cirurgia para colocar uma placa na pata dianteira. Após a total reabilitação, o teiú voltou para a natureza.

Trata-se de um belo projeto que visa o resgate e a reinserção dos animais em seu habitat. O zoo recebe animais feridos ou com risco de morte por inúmeros motivos, além de filhotes que, por alguma razão, ficaram órfãos e necessitam de cuidados especiais.

Os animais chegam por meio da Polícia Ambiental ou do Corpo de Bombeiros. Cumprindo uma de suas principais funções, que é a preservação das espécies, a equipe do Quinzinho de Barros, de forma voluntária, atua junto a esses bichos.

Lá, os animais recebem todos os cuidados e tratamentos necessários antes de retornarem à vida livre. A recuperação desses animais demanda tempo e dedicação da equipe técnica.

Leia mais  Avanço contra os perseguidores

Já, a decisão de realizar a soltura ocorre após uma avaliação criteriosa do corpo técnico do zoo, em que são ponderados alguns aspectos, como a boa saúde dos animais, a espécie ser da região de Sorocaba, a fácil adaptação ecológica a diferentes ambientes, local de soltura seguro, entre outros.

Todas as solturas são autorizadas pela Secretaria Estadual de Infraestrutura e Meio Ambiente (Sima), órgão responsável pela gestão da fauna silvestre no Estado de São Paulo.

A ação da semana passada foi a terceira deste ano. Antes dela, em 20 de janeiro, 15 animais foram soltos na Floresta Nacional de Ipanema (Flona), em Iperó: dois quiriquiris, um gavião-carijó, dez gambás-de-orelha-branca, um cachorro-do-mato e um caxinguelê.

Já no dia 22 de fevereiro foram soltos cinco animais na mata do zoo: três exemplares de bem-te-vi, um sabiá-poca e uma corujinha-buraqueira.

Leia mais  A importância do Censo Demográfico

O Zoológico Municipal Quinzinho de Barros é considerado um dos mais completos da América Latina e classificado no Ibama na categoria A, a mais elevada existente. Além do lazer para o público, o parque desempenha um importante trabalho de conservação, pesquisa, bem-estar animal e educação ambiental, que são as cinco funções de um zoológico moderno. Trata-se de um símbolo de Sorocaba que merece ser visitado, elogiado, ajudado e enaltecido por todos nós.

Comentários