Do leitor

O drama dos enfermeiros

Em minha trajetória como enfermeiro, não pude deixar de fazer a comparação com o mito de Sísifo, aquele que foi castigado pelos deuses a rolar uma pedra montanha acima e, ao chegar ao topo, o peso e o cansaço fazerem a pedra rolar novamente até o chão. E no outro dia ter de começar tudo de novo e assim para todo o sempre.

Ao ingressar na Atenção Primária, ouvia que os profissionais de enfermagem fariam o “trabalho de formiguinha” para orientar a população sobre os cuidados em saúde. Isso me preocupava pois, com todo avanço da ciência, a pedagogia usada para educar a população sobre autocuidados e formas básicas de prevenção a doenças seria frágil. Tal cenário me fazia refletir acerca da própria função da enfermagem.

Chega então a pandemia. Com o desconhecimento, em um primeiro momento, fomos avassalados pelo inimigo, um vírus que trucida a vida. Novamente as orientações foram dadas, mas a comunicação entre a enfermagem e a população mostrou-se ineficaz. Sem forças, o desânimo era constante. Dei-me conta que a pedra de Sísifo estava em derruída, e uma vez que atingisse o chão, o que sobraria?

Leia mais  Do Facebook

Todos os dias reflito, agora não mais atuando na linha de frente, sobre como chegamos a este ponto, tão distante dos pressupostos de Florence Nigthingale, a patrona da enfermagem. Seguimos uma rotina diária, sem sentido, afastando-se cada vez mais das condições ideais para a prática da enfermagem. O “até quando irei aguentar?” logo será substituído por “quem aguentará quando eu não estiver mais aqui?”.
RENAN G. DE JESUS

Comentários