Do leitor

Layla Miguel Marcondes

Eu era aluno do curso de inglês cujas aulas, nas noites de quarta-feira, ocorriam no edifício das Casas Pernambucanas, na rua Dr. Braguinha. O professor vinha de São Paulo. A entidade mantenedora chamava-se União Cultural Brasil-Estados Unidos. Éramos uns 20 alunos e alunas. Pessoas de projeção na cidade. Médicos, professores da Escola Normal, até um delegado de polícia.

Entre as moças, Layla Miguel, filha do comerciante José Miguel. Eu devia ser o mais jovem da classe. Layla tinha 29 anos, dez a mais do que eu. Mas ela me dava muita atenção. Naquela quarta-feira de 1947 fomos conversando até o palacete José Miguel, na rua XV de Novembro. Ela convidou-me a conhecer sua família. Uma ocasião inesquecível. Creio que naquela noite, eu decidi tentar a vida no Rio de Janeiro. Outro dia este jornal anunciou o falecimento de Layla Miguel Marcondes (este sobrenome do seu noivo na época). Senti grandes saudades: dela e de mim mesmo.

Aos seus familiares minhas sentidas condolências.

RUBENS NOGUEIRA

Do Facebook

Fazenda Ipanema vira depósito de veículos de órgãos públicos

Poderiam doar alguns desses veículos as prefeituras da região como Araçoiaba, Capela do Alto e Iperó.
JOÃO ROCHA

Faz leilão utiliza dinheiro na área da saúde, melhor que ficar sendo criadouro de dengue…
MARYÁ CAMPOS

Mães reclamam de falta de vagas em escola da Vila Hortência

Pois é… E aqui no bairro Itavuvu a Prefeitura fecha e deixa abandonada a mercê do vandalismo a Escola Salvador Ortega Fernandes… a escola era muito boa, só porque diminuiu o número de crianças preferiu fechar a mandar alunos pra cá. Isso e um desrespeito com a população.
CREUSA FELICIANO

Comentários
Assuntos

CLASSICRUZEIRO