Artigos

‘Ventre’ trata do amor ambivalente de mãe e filho

Filme será exibido na Fundec pelo Cine Reflexão
‘Ventre’ trata do amor ambivalente de mãe e filho
Rebecca (Eva Green) vive uma relação ambígua com o filho. Crédito da foto: Divulgação

Nildo Benedetti – nildo.maximo@hotmail.com

Durante as últimas férias da Fundec, apresentei nesta coluna oito artigos versando sobre o desejo e o amor, com o objetivo de fornecer ao leitor alguns elementos para auxiliá-lo na interpretação de filmes que tratam dos dois temas.

“Ventre”, de 2010, dirigido pelo húngaro Benedek Fliegauf, é um filme que, de certa forma, ilustra e completa aqueles artigos, mostrando uma condição de relacionamento afetivo totalmente incomum. A menina Rebecca passa uns dias na casa do avô, no litoral, e acaba por conhecer um menino, Tommy. A relação entre os dois é típica de paixão infantil, sem qualquer intimidade física, mas de necessidade de convívio constante. Essa relação amistosa é bruscamente interrompida quando Rebecca tem de acompanhar a mãe ao Japão.

Passam-se doze anos. Rebecca, agora uma jovem formada em matemática, volta à casa do avô, que já faleceu, e procura por Tommy. Pelo que nos é dado conhecer, Rebecca nunca esqueceu o menino Tommy. Os dois começam um namoro — talvez seja mais adequado dizer que o recomeçam. Essa relação, como a da infância, é bruscamente interrompida, agora pelo atropelamento e morte de Tommy. Rebecca, contudo, encontra uma solução para resgatar a vida de Tommy: com autorização do pai do jovem (e contra a vontade da mãe, que preferiu partir para não ver seu filho embutido no corpo de outro ser humano e criado por outra mulher), ela recorre à biotecnologia da clonagem e engravida do namorado. A criança nasce e também recebe o nome de Tommy. Como era de esperar, é uma réplica perfeita do pai.

Leia mais  Emissões CO2: Brasil está bem na foto

Existe na comunidade em que Rebecca vive um acentuado preconceito contra crianças clonadas. Na festa de aniversário do filho, ninguém comparece. Uma mulher chega a classificar como “incesto artificial” o fato de uma menina ser o clone da avó materna. Rebecca decide se mudar para um local pouco habitado na beira do mar em que não é conhecida e passa a criar Tommy.

O segundo Tommy agora é um moço da mesma idade do pai quando morreu de acidente. Principia a ter os casos amorosos próprios da idade. E aí, como o leitor deve intuir, a clonagem cria uma situação afetiva ambivalente na relação de Rebecca e o filho.

Um caramujo aparece em alguns momentos do filme. Chevalier e Gheerbrant associam os moluscos, de modo geral, a uma simbologia sexual, por analogia com a vulva, matéria, movimento, mucosidade; é também associada à gravidez, ao parto e à permanência. Quando Rebecca partia para o Japão, Tommy ia lhe dar uma caixa de fósforo com um caramujo e um bilhete: “Vou esperar por você o tempo que for necessário”. Tommy diz que o alimentou por cerca de um ano e então, ele morreu. É uma metáfora da volatilidade do amor infantil.

Leia mais  Aquário e Peixes

Ao lado de ser um filme principalmente psicológico, porque trata da relação da mãe Rebecca e o filho Tommy, em que persiste a sombra do primeiro Tommy, a biotecnologia tem seu papel porque levanta questões éticas referentes à clonagem de seres humanos com fins reprodutivos.

Serviço

Cine Reflexão
“Ventre”, de Benedek Fliegauf
Sexta-feira (14), às 19h
Sala Fundec (rua Brigadeiro Tobias, 73)
Entrada gratuita

Comentários