Artigos

Uma história sem fim das padarias em Sorocaba

Artigo escrito por Vanderlei Testa, jornalista e publicitário
Uma história sem fim das padarias em Sorocaba
Crédito da foto: Arte VT

Vanderlei Testa

Convido o leitor a usar os cinco sentidos na leitura. Vamos contar uma história sem final. As padarias de Sorocaba são infinitas. Para começar fui buscar no começo dos anos de 1900 os pioneiros panificadores. Diferente do que vemos hoje em tecnologia e recursos à produção do pão nosso de cada dia, naqueles tempos valia a tradição familiar das receitas. E, principalmente dos italianos. Francisco Soranz, o avô e pai de uma geração de filhos que o seguiram, dá início a Padaria São Luiz. A maior da cidade de Sorocaba foi instalada na rua São Bento 2,32, em frente à praça João Pessoa. Para quem não sabe esse é o nome que antecedeu à mudança para praça Cel. Fernando Prestes. Um casarão exalava nos anos de 1920 o perfume das essências usadas nos doces. Com o tato, os moradores vinham de terno e gravata para tocar a macies dos pães quentinhos do forno a lenha. Com a visão, o cliente enxergava aquele ambiente artesanal da panificadora e ouvia o seu Francisco dizer “Buongiorno” a cada pessoa.

Em 10 de outubro de 1927 com um anúncio no jornal Cruzeiro do Sul encontrei o seguinte texto: “Vende-se uma das primeiras padarias e confeitarias, no melhor ponto no centro desta cidade”. O novo proprietário foi Miguel Ferrando. Outro anúncio mostrava à população os produtos da Padaria São Luiz e o novo forno moderno a vapor. Uma novidade nos anos 30 foi a entrega a domicilio, citada na publicidade.

A família Del Cistia entra na sequência destas reminiscências. Hélio Del Cistia abriu a Padaria Moderna na rua Barão do Rio Branco, 18. O telefone era 279. Uma novidade para atender pedidos. Produzia biscoitos, bolachas e pães de leite com ovos e manteiga. Curiosa é a explicação que o Hélio colocava em seus anúncios: “A padaria dispõe de mestres habilitadíssimos e mantém rigorosa higiene de fabricação”. Uma das fotos deste artigo mostra a família do Hélio Del Cistia. Eram doze filhos. Um deles, Didi Del Cistia é o pai da Maria Thalma Sola, leitora assídua desta coluna.

Já na rua Monsenhor João Soares, esquina com a rua Dr. Braguinha, os irmãos Romeu Soranz, Amadeu Soranz, Paschoal Alfredo Soranz e Paulo Soranz abririam a Padaria Royal. Uma das relíquias dos anos 1950 é a foto da sua fachada que ilustra este artigo. Foi nessa padaria que os irmãos recomeçaram as receitas do pai Francisco Soranz. Os doces e biscoitos, pães com ingredientes selecionados atraiam os consumidores do centro e dos bairros. A Padaria Royal entusiasmou a irmandade anos depois ao comprarem as instalações prediais da Padaria Moderna.

Leia mais  Sua ficha bancária aberta a todos os bancos

Conversando com Fernando Soranz tive um breve histórico do uso do prédio da Padaria Moderna. Agora com o nome de Padaria Barão. Ele conta que o seu pai, Romeu Soranz, e os irmãos Amadeu Soranz, Paschoal Alfredo Soranz e Paulo Soranz compraram as instalações em 1962. O que restou do prédio era apenas um andar térreo desativado. Já o andar superior precisava de ampla reforma para moradia. Sua família foi morar no 2º andar. Em 1968 é inaugurada com o nome de Padaria Barão. A nova arquitetura da Padaria Barão viria a ser construída com modernidade. Essa lendária padaria até hoje faz parte dos sentimentos dos sorocabanos. Enche os olhos e paladar pela lembrança de seus pães e doces. Em especial os sonhos, bolos e sorvetes que ficaram na memória de todos. Alfredinho Soranz, filho do Paschoal também se recorda desse tempo com saudade.

Sempre há postagens da Padaria Barão nas redes sociais. Nos comentários da página “Memórias Sorocabanas” impressionam os testemunhos. Maria Cida Rosa com toda empolgação, disse: “Uau! Toda vez que ia ao centro da cidade ganhava um sonho dos meus pais”. Elizabete Camargo foi além ao relatar que ia receber o ordenado no Banco Delfim e passava na Padaria Barão para comprar uma bandeja de doces. Cidinha de Almeida foi enfática: “Nunca mais comi sonho igual, o melhor da cidade”. Maria das Graças deu o seu toque de historiadora ao escrever que sua família morava no sítio há 50 anos. Ela vinha com a avó no médico dr. Aristeu. Obrigatoriamente pedia a avó para passar na Padaria Barão e comprar biscoitos de polvilho, rosca de torresmo e pudim.

Leia mais  A segunda fileira

O José Serto valorizou as lembranças da Padaria Barão na sua infância quando ia estudar no Colégio Santa Escolástica. O seu pai o levava de carona na bicicleta até a padaria. A lancheira tinha um lugar esperando o sonho enorme que mal cabia dentro. A Padaria Barão vendia mais de quatro mil sonhos e quase cinco mil sorvetes e uma tonelada de bolos por dia. A fila na rua ia longe, relembra Fernando Soranz.

A Padaria Real é outra que faz parte da cultura das padarias de Sorocaba. Ela começou na esquina da rua Moreira Cesar e rua da Penha. Um casarão antigo na esquina. Os irmãos José Vicente de Souza e o saudoso Carlos Alberto de Souza colocaram a chave pela primeira vez na fechadura em 1957. Há 63 anos. Emoção e determinação ao olharem aquele espaço do pequeno salão que viria a se tornar hoje um cartão postal de Sorocaba. Traziam consigo a herança de ensinamentos dos pais, Filomena e José.

Leia mais  De pequenas cidades e grandes amigos

Nos bairro Além Ponte, a Padaria do Gonçalo é o destaque. Ela foi fundada em 1922 na rua dos Morros. Tinha o nome de Padaria Hispano Americana. Os imigrantes espanhóis foram os pioneiros dessa histórica padaria. Gonçalo Vecina emprestou o seu nome para virar sinônimo e a marca registrada da padaria. O pão d’água é o seu carro forte desde a década de 1930.

Como vou esquecer-me dessas padarias. Na juventude comprei os sonhos e sorvetes da Padaria Barão. Adulto, as coxinhas da Real. Os pãezinhos da Padaria do Gonçalo, minha mãe colocava na lancheira do meu pré-primário, na escola vizinha da padaria.

Vanderlei Testa é jornalista e publicitário. Escreve às terças-feiras no jornal Cruzeiro do Sul e aos sábados no www.blogvanderleitesta.com e www.facebook.com/artigosdovanderleitesta

Comentários