Artigos

Super-herói brasileiro

Stan Lee se foi. Saiu da história, talvez, como um de seus super-heróis saltando de prédio em prédio até desaparecer

Clichê: Em visita ao Brasil, alguns super-heróis da Marvel olham para uma garotinha no beiral de um prédio em chamas.
Homem-de-Ferro: — E aí Homem-Aranha, vai escalar o prédio e salvar aquela garotinha?!
Aranha: — Não vou entrar aí. Acabaram de dedetizar esse prédio. Vai você, Homem-de-ferro!
Homem-de-Ferro: — Eu não. A última vez que salvei uma garotinha do fogo quase derreti. Só não fiquei desempregado graças a uns extras que fiz como Homem-Ferro-de-passar.
Mulher-Tempestade: — Então, foi graças a você que ganhei furos na minha super-roupa! Tomei chuva, peguei resfriado e fiquei sem fazer filmes por um ano. Só não “dancei” porque usei meus relâmpagos para animar baladas funk.
Wolverine: — Vocês estão reclamando? E exibindo lâminas nos dedos: — Eu não posso nem me coçar. A última vez que enfrentei o Homem-Micose peguei um chulé desgraçado!
Aranha: — Se estamos com medo de nos machucar e perder o emprego, quem vai salvar a garotinha?!
Em algum lugar no meio da multidão ouve-se uma voz:
— Eu! O Homem-Camelo!
Homem-de-Ferro: — Super-heróis, ouviram isso? Eu entendi bem? Um super-herói chamado Homem-Camelo?!
Homem-Camelo tossindo: — Eu…Cóf! Cóf! (assim tossem os heróis dos gibis) dou um jeito! Cóf!
Aranha: — Apareça! Por que a demora?
E a vozinha do Homem-Camelo responde: — A condução atrasou.
— Há, há, há! (Riem os heróis como nos gibis)
Homem-de-Ferro: — Tomando condução? Que Super-herói é você?
Ainda imerso na multidão nosso herói responde: — Sou Homem-Camelo. Super-herói brasileiro.
Tempestade: — Vergonha! O sindicato dos super-heróis precisa tomar uma providência.
Os superes buscam no céu o herói brasileiro. Logo atrás deles surge o Homem-Camelo. Magro, franzino, ar cansado e abatido, terno amarrotado e gravata torta. Ele se junta ao grupo na procura, depois de um tempo bate nas costas da Tempestade e pergunta: — Posso saber o que vocês estão procurando?
Tempestade: — Estamos à procura do Homem-Camelo.
Homem-Camelo: — Tô aqui.
O Aranha surpreso olha de alto a baixo para o nosso herói. Impossível não notar as duas corcundas nas costas dele e diz: — Você é o Camelo-Man?! (Camelo-Man, em respeito à língua de origem dos Super-heróis e ao status que se dá a um herói de ter nome inglês)
Camelo-Man entrega papéis ao Aranha: — Em carne e osso.
Tempestade: — Pra mim tá mais osso do que carne.
Sem se perturbar nosso herói continua:
— Meu cartão e minha identidade. Nome endereço, CPF, RG… Ah! desculpe foi junto a conta d’água. A foto tá meio borrada, ficou no bolso da calça e a mulher botou na máquina de lavar, mas sou eu mesmo.
Aranha: — Tem identidade secreta?
Camelo-Man: — Sou empresário do ramo de cítricos no litoral.
Tempestade: — O que quer dizer isso?
Camelo-Man: — Vendo limonada na praia.
Homem-de-Ferro: — Seus superpoderes estão nas costas?
Camelo-Man aponta as corcovas: — Isto? Cê tá brincando… problema sério de coluna, tentei “encostar”, mas ó! Fui cortado na perícia.
Aranha: — Então você não ergueu a Terra nas costas como Superman?
Camelo-Man: — Pior. Carrego a família nas costas. Em casa só eu trabalho. Sou eu, a patroa e oito filhos.
Tempestade: — Super-herói com essa roupa?! Sem grife. Deve ser um impostor, herói coisa nenhuma!
Camelo-Man: — Não sou?! Eu aguento chefe. Ganho merreca, moro na Rocinha na “Minha casa, minha Dívida”, tomo quatro lotações pro trabalho, durmo 4 horas por noite. As contas atrasadas. Meu cachorro pegou sarna porque passei nele. Sou mais que herói, sou sobrevivente. Agora me deem licença, tenho só uma hora de almoço pra salvar a menininha, se atrasar, tô na rua.
O Camelo-Man se afasta na direção do prédio. Entram os créditos: “Homem-Camelo ou Camelo-Man. Disk-super-herói mais perto de você. Aceita cartão.”
Stan Lee se foi. Saiu da história, talvez, como um de seus super-heróis saltando de prédio em prédio até desaparecer. Em sua memória pelos heróis que nos quis desejar ser.

José Feliciano é redator e roteirista de humor e mistério — Médico de Gibi.

Comentários