Artigos

‘Occident’ no Cine Reflexão da Fundec

Este é o segundo dos 5 filmes do ciclo sobre imigração na União Europeia
‘Occident’ no Cine Reflexão da Fundec
“Occident” trata com humor e seriedade os problemas pessoais gerados pela emigração. Crédito da foto: Divulgação

Nildo Benedetti – nildo.maximo@hotmail.com

“Occident”, que o romeno Christian Mungiu dirigiu em 2002, é misto de comédia, drama e romance. Retrata com humor e, ao mesmo tempo, com profundidade, os problemas da sociedade da Romênia, país do Leste Europeu, que até 1990 vivia sob a influência da antiga União Soviética.

O filme é dividido em três episódios, intimamente relacionados.

O primeiro se intitula “Luci e Sorina”. Luci é um jovem formado em silvicultura, funcionário do Jardim Botânico que não recebe salários há dois meses e que arranja emprego em uma loja de departamentos como “publicitário” — o que significa ter que vestir uma fantasia e distribuir panfletos. Mantém uma relação com Sorina, educadora de escola infantil. O casal é despejado do apartamento onde mora, seus móveis e roupas são deixadas no barrento exterior do prédio. Sorina procura formas de emigrar da Romênia para a Europa Ocidental, mesmo se, para isso, deva abandonar Luci, a quem ama; Luci, no entanto, quer ficar na Romênia, alegando que não pode abandonar a tia viúva que o criou com carinho.

O segundo episódio é “Mihaela e sua mãe” e mostra uma cabeleireira que busca insistentemente, em uma agência matrimonial especializada, por um marido estrangeiro para a filha Mihaela, moça introvertida e apagada, que gosta de escrever poesias. Mihaela também é “publicitária”, como Luci, e foi abandonada pelo noivo na cerimônia de casamento.

Leia mais  Divisor de águas?

O terceiro episódio tem o título de “Nae Zigrid e o sr. Coronel”: o coronel é o pai de Mihaela, chefe de polícia que recebe a visita de um romeno radicado na Alemanha que volta ao país de origem para encontrar e dar a Luci a notícia do falecimento de um amigo que também emigrara para a Alemanha.

Os três episódios transcorrem no mesmo local e em alguns poucos dias. São articulados de forma imprevisível e cômica e cada um traz surpresas e ângulos de observação totalmente novos. Ainda que tenha essa estrutura narrativa, o filme não apresenta ao espectador qualquer dificuldade de entendimento da trama.

O título do filme, “Occident”, expressa a ânsia de muitos romenos, principalmente jovens, de pegar o caminho para o Ocidente, o que no filme significa emigrar para a França, Itália, Holanda etc. São movidos pela busca de condições melhores de vida. Nos casos de Sorina e Mihaela, a via de saída viável do país é a do casamento com um “ocidental”; Mihaela busca na emigração forma de editar seus poemas.

O filme não julga positiva ou negativamente o fato de os personagens pretenderem sair ou ficar no país. Embora seja uma comédia, ao mesmo tempo é um drama humano que comove pela condição econômica e psicológica em que os indivíduos sobrevivem — tudo isso sem dramatismos gratuitos.

Leia mais  Hora de punir quem propaga coronavírus

“Occident” faz refletir não só sobre a Romênia de 2002, mas sobre a condição de pessoas que devem se locomover de um lugar para o outro na expectativa de encontrar formas de viver um pouco mais dignamente. Nesse sentido, tem caráter universal, como os demais filmes deste ciclo que estamos apresentando na Fundec.

Serviço

Cine Reflexão
“Occident”, de Christian Mungiu
Hoje às 19h
Sala Fundec (rua Brigadeiro Tobias, 73)
Entrada gratuita

Comentários