Artigos

Minha vida é um milagre

Artigo escrito por Vanderlei Testa, jornalista e publicitário escreve às terças-feiras no Jornal Cruzeiro do Sul
Minha vida é um milagre
Crédito da foto: Álbum de Família / Arte VT

Vanderlei Testa

É impossível algum atleta amador ou profissional de Sorocaba não se lembrar do Antonio Antunes Fonseca. O Toniquinho. Ele continua nas minhas lembranças em vê-lo treinando e correndo na cidade. Uma foto postada por Regina, filha do atleta Antonio Antunes Fonseca, conhecido carinhosamente como Toniquinho, mexeu com as emoções de todos os praticantes de esportes do Brasil e exterior. Comemorando 106 anos de idade, o cidadão sorocabano, bicampeão mundial de marcha atlética na categoria em que participou, cumpre mais um ano em 2020 com saúde e alegria. Ele nasceu em 18 de outubro de 1914. Naquele começo de século tão distante, em tecnologia e recursos na área da medicina, o bebê Antonio veio a este mundo para cumprir uma missão das mais nobres. Ser um exemplo de trabalhador, pai e atleta, entre tantas virtudes que o tornam um modelo de ser humano.

Nas imagens deste artigo vemos a sua expressão iluminada pela vida em família e no esporte conduzindo a Tocha Olímpica. Uma bênção de vida que toca qualquer pessoa.

Amigos de longa data como Pedro Souza, professor de Educação Física em Sorocaba, compartilhou a mensagem: “O amigo Toniquinho, uma lenda do atletismo sorocabano que ganhou várias medalhas em competições internacionais dos 70 aos 100 anos de idade. Ele está comemorando os seus 106 anos e fez questão de fazer uma breve caminhada em homenagem à Corrida Pink do Bem, da Liga Sorocabana de Combate ao Câncer, onde a filha Regina Fonseca e a neta são voluntárias e colaboradoras. Fica também a homenagem ao Panathlon e Conselho Regional de Educação Física (CREF) para um homem que fez da atividade física e esportiva um meio de qualidade de vida”.

Entre os feitos do currículo do Toniquinho, consta a sua participação em arremesso de martelo, dardo, provas de revezamento e recordista sul-americano nos 800 metros rasos na categoria veteranos, acima de 65 anos.

Na passagem da Tocha Olímpica por Sorocaba, Toniquinho Fonseca foi um dos escolhidos para levá-la entre os condutores selecionados. Na época, ele dizia à imprensa: “O que está acontecendo na minha vida é uma benção divina”. Já se passaram cinco anos desse feito, em 2015, e o Toniquinho continua feliz, relata o diretor da Associação de Atletismo (AASP), Marcondes Amorin.

Toniquinho lembra que sua paixão pelo esporte começou com o seu pai. O pai incentivava o esporte na família como meio de preservar a saúde. Com essa bonita inspiração paterna, ele passou os anos de sua vida cuidando do corpo. Aos 65 anos de idade, em 1979, Toniquinho entrou nas corridas de São Silvestre. Hoje ainda se recorda que aos 90 anos estava na pista da avenida Paulista no último dia do ano para cumprir mais uma prova internacional.

Antonio Fonseca foi um comerciante em Sorocaba que se destacou no esporte. Conquistou mais de 500 troféus e medalhas. Viajou para muitos países em competições, como Estados Unidos, Japão, Canadá, Peru, Austrália e muitos outros.

Homenagear o Toniquinho Fonseca é elevar graças pelo maravilhoso testemunho e dom da vida que ele proporciona aos seres humanos. Foi lá em Araçoiaba da Serra que nasceu o garoto prodígio Toniquinho. Sua vida até os 22 anos de idade seguiu com entusiasmo e muito trabalho rural, na infância e adolescência, para ajudar no sustento da família. Têm nas páginas da sua história de trabalho, atividades como motorista de caminhão, comerciante, feirante e corretor de imóveis. Estudou e se formou. Prestou concurso e conquistou a vaga de Delegado de Polícia.

Casou com Maria Marques Fonseca aos 30 anos e tiveram cinco filhos. Ganharam netos e bisnetos. Toniquinho deu entrevista a um grande jornal de São Paulo, em 2008, quando tinha 94 anos de idade. Ele colocou o coração nos seus relatos: “Na minha infância e juventude comecei a treinar futebol com o meu pai em raia de corrida de cavalos. Eu queria jogar futebol profissional, mas ele não deixava. Meu pai achava que esse esporte não tinha futuro. De tanto pedir a ele, consegui que comprasse uma bola e fizesse um campinho. Com o treinamento recebido acabei ficando bom para correr. Lá em Araçoiaba, quando havia corridas, ganhava a prova do aniversário da cidade e outras. Lembro, que quando viemos morar em Sorocaba, ia acontecer uma prova de pedestrianismo do centro da cidade até Votorantim. Fiz a inscrição. Tinha na época 22 anos de idade. Os 10 quilômetros da prova e o desafio me fizeram chegar ao pódio de segundo lugar.

Os pais do Toniquinho morreram quando ele ainda tinha muito para aprender com eles. O pai se foi com 51 anos de idade e a mãe, anos antes, por enfermidade no pulmão. Toniquinho tinha mais três irmãos e cuidava de todos. Depois dessas perdas de família, ficou só uma irmã, Maria Maelo Fonseca, contava Toniquinho no seu depoimento. Também nas suas lembranças de vida, uma máquina de beneficiar arroz ficou para sempre na memória. Ele beneficiava arroz para ajudar os pobres oferecendo esse alimento de graça. Sempre gostou de fazer benemerência. Apesar de não fazer nada por interesse político, o povo de Araçoiaba da Serra o elegeu duas vezes vereador e, foi até presidente da Câmara Municipal. Toniquinho faz questão de frisar que não recebia nada de salário para ser vereador. Queria trabalhar pelo povo mais necessitado. Nessa fase de sua vida, para sustentar a família, foi trabalhar na roça, plantando feijão, algodão e milho. Era no arado e mãos calejadas que conseguia realizar a sua colheita financeira.

Uma de suas frases inesquecíveis é: “Minha vida é um milagre”. Parabéns Toniquinho Fonseca pelos 106 anos de idade!

Vanderlei Testa é jornalista e publicitário escreve às terças-feiras no Jornal Cruzeiro do Sul e aos sábados no www.blogvanderleitesta.com e www.facebook.com/artigosdovanderleitesta.

Comentários