Artigos

Filmes da Netflix: “Calibre”

Artigo escrito por Nildo Benedetti
Filmes da Netflix: “Calibre”
Vaughn (E) e Marcus: caçada recreativa que vira pesadelo. Crédito da foto: Divulgação

Nildo Benedetti – nildo.maximo@hotmail.com

Matt Palmer, nascido no Reino Unido, é escritor e diretor deste filme de 2018. “Calibre” aborda um tema já tratado no cinema algumas vezes. Sua trama faz lembrar “Deliverance”, de 1972, do norte-americano John Boorman que, no Brasil, recebeu o título de “Amargo Pesadelo”. São filmes que tratam do embate entre o homem e a natureza e, ao mesmo tempo, dos conflitos entre mentalidades da cidade e do interior.

Muitos filmes de trama similar usam clichês do gênero, procurando contrapor, de um lado, a suposta sabedoria dos homens da cidade, de mentalidade aberta, cultos; e, de outro, a ignorância dos moradores de regiões afastadas do mesmo país, chucros, abrutalhados, cheios de crenças estúpidas. Mas, felizmente, não é caso deste “Calibre”. O tema é aqui tratado com profundidade.

Vaughn e Marcus são amigos de infância. A namorada de Vaughn está grávida e Marcus o convence a realizarem uma viagem de caça nas Terras Altas da Escócia (The Scottish Highlands) para aproveitar os últimos dias de sua “liberdade”. O vilarejo, que serve de apoio aos que recorrem à região na estação de caça, está em decadência, porque o turismo foi abalado pela concorrência de um clube de campo distante cerca de 80 quilômetros.

Já de início, fica evidente que Vaughn e Marcus têm personalidades muito diferentes e essa diferença vai se acentuando gradualmente conforme a trama se desenvolve. Vaughn é contido, observador e parece de imediato reconhecer que seu comportamento deve ser cuidadoso no convívio com os habitantes do local.

Leia mais  O que fazer quando os valores estão adormecidos?

Marcus é metido a valente, esconde do amigo que é usuário de drogas e se comporta claramente como confrontador dos costumes e valores das pessoas do vilarejo. Assim é que recusa, com tom de autossuficiência, a sugestão de adotar o líder local, Logan, como guia para a caçada do dia seguinte. Uma garota flerta com ele abertamente, é avisado que pode ser perigoso se aproximar dela, não leva em conta o aviso, tem sexo com ela e a leva a consumir drogas. Vaughn também sofre o assédio de uma outra mulher, mas se mantém distante dela, porque é fiel à namorada.

Na manhã seguinte, os dois homens vão caçar. A prática da caça é regida por um conjunto de normas governamentais, que incluem o registro de armas. Vaughnn esqueceu de trazer as balas para atirar, ato falho que demonstra seu baixo interesse em matar animais. Marcus lhe fornece arma e balas e, no primeiro tiro, Vaughnn acaba atingindo uma criança que também estava na mata caçando com o pai.

Leia mais  Rede sem fio

A partir desse momento, a história muda drasticamente. Um filme que parecia o relato de uma alegre viagem de dois amigos em um fim de semana, se torna um suspense cada vez mais dramático, com voltas e reviravoltas imprevisíveis, que vão evidenciando ao espectador as profundas divergências do modo de pensar e agir dos dois homens da cidade e dos habitantes locais. Estes constroem uma comunidade solidária, unida, em que muitas pessoas tem alguma forma de parentesco com outras, que vivem sob um sistema particular de organização, hierarquia e leis próprias a que todos obedecem. É por essa razão que a maior parte os indivíduos, já de início, demonstra aversão aos visitantes

Na próxima semana escreverei sobre “O autor”.

Está série de artigos está incluída no projeto Cine Reflexão da Fundec

Comentários