Artigos

Controle biológico aliado a novas tecnologias: Uma alternativa sustentável

Jhones Oliveira, com Ricardo Polanczyk e Leonardo Fraceto

A expansão da atividade agrícola para atender a crescente demanda por commodities e alimentos tem nos fatores abióticos e bióticos os principais entraves ao seu desenvolvimento, e mesmo com os avanços tecnológicos das últimas décadas, os danos causados por pragas e doenças continuam a ser uma das principais preocupações na luta pela segurança alimentar.

Na tentativa de garantir a produção, os agricultores muitas vezes utilizam de forma incorreta os agrotóxicos, o que resulta em danos para o meio ambiente e organismos não alvo. Entretanto, o alto custo de novas moléculas com potencial inseticida, relatos cada vez mais frequentes de resistência das pragas aos inseticidas e a preocupação crescente do mercado externo sobre a presença de resíduos de agrotóxicos nos commodities brasileiros torna necessária uma alternativa ao modelo atual de agricultura, onde se busque a sustentabilidade agrícola; ou seja, alta produtividade sem afetar o meio ambiente.

Leia mais  O uso dos hormônios versus a negação do envelhecimento (parte 1)

Neste sentido, os agentes de controle biológico têm contribuído historicamente para o controle de pragas agrícolas. Em 1888, a joaninha Rodolia cardinalis foi exportada para os EUA visando ao controle do pulgão branco dos citros (Icerya purchasi). O Manejo Integrado de Pragas (MIP) soja, desenvolvido na década de 1980 pela Embrapa soja e instituições privadas, é considerado exemplo em termos mundiais, devido à redução significativa do uso de inseticidas. Desde 2012, bioinseticidas a base da bactéria entomopatogênica Bacillus thuringiensis (Bt) controlaram de forma efetiva surtos de Helicoverpa armigera e Chysodeixis includens na cultura da soja. Deve-se ressaltar que os inseticidas disponíveis têm falhado no controle destas pragas e que este fato tornou o Brasil maior usuário destes bioinseticidas, com 65% do mercado mundial.

Como citado acima, o Bt é um importante organismo de controle biológico, devido a sua elevada eficácia, especificidade e amplo espectro de ação. No entanto, apesar da grande potencialidade problemas relacionados à perda de estabilidade e principalmente degradação rápida pela ação da luz ultravioleta e temperatura impediram que produtos à base de Bt ocupassem lugar de destaque no mercado de vendas de inseticidas frente aos químicos convencionais.

Leia mais  ‘Sedução’ no Cine Reflexão da Fundec

Desta maneira, pesquisas em novas tecnologias que possam explorar e melhorar a estabilidade do Bt são de extrema importância. A microencapsulação tem se mostrado uma técnica promissora para encapsulação de organismos. Essa tecnologia consiste no revestimento ou aprisionamento dos organismos dentro de um material polimérico, o qual é permeável a nutrientes, gases e metabolitos, permitindo a viabilidade além de melhorar a estabilidade e eficácia dos organismos.

A Unesp tem desenvolvido pesquisas relacionadas à microencapsulação de organismos de controle biológico. Em recém-aprovado projeto temático financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), tendo como pesquisador responsável o professor Leonardo Fraceto (Unesp/Sorocaba) e como pesquisador principal o professor Ricardo Polanczyk (Unesp/Jaboticabal), serão investigados a microencapsulação de Bt a fim de estudos de eficácia e também mecanismos de ação em organismos alvos. Neste projeto ainda, serão estudados em conjunto com outros pesquisadores os mecanismos de ação e toxicidade de nanopesticidas. Mais informações podem ser obtidas em: https://bv.fapesp.br/pt/auxilios/101291/agricultura-micronanotecnologia.

Leia mais  Acolher o estrangeiro

Desta maneira espera-se que em breve essas tecnologias possam gerar novos produtos que auxiliem no MIP trazendo benefícios à agricultura, sociedade e ao ambiente.

Jhones Oliveira é pesquisador no Instituto de Ciências e Tecnologia de Sorocaba (ICTS)/Unesp, Ricardo Polanczyk é professor associado da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da Unesp-Jaboticabal e Leonardo Fraceto é professor Associado do ICTS/Unesp.

Comentários

CLASSICRUZEIRO