Motor

Sandero e Logan na mira

Renault quer produzir e vender veículos de maior valor agregado
Sandero e Logan na mira
O inédito SUV Bigster vai ser lançado no País, mas ainda não há nenhuma data definida. Crédito da foto: Divulgação

Cerca de um mês depois de anunciar o plano de reestruturação da Renault, o novo CEO da empresa, Luca de Meo, antecipou parte da estratégia da marca francesa para o Brasil. Em entrevista ao portal Automotive News Europe, o executivo confirmou que o inédito SUV Bigster vai ser lançado no País.

Ele afirmou que os investimentos de curto prazo serão congelados na unidade brasileira. Isso quer dizer que a nova geração dos compactos Sandero e Logan pode demorar a chegar — ou até mesmo não vir.

“Porque a economia está um pouco incerta, iremos congelar investimentos no curto prazo”, disse de Meo, sem citar os modelos que ficarão em “banho-maria”. De acordo com ele, há novos planos para o Brasil. “Iremos redirecionar esse dinheiro em coisas como o Bigster e o Duster, nas versões Renault, para que possamos aumentar nossa margem de lucro.”

Estratégia equivocada

Segundo de Meo, um dos focos da reestruturação da Renault será a América Latina, onde, de acordo com o executivo, será necessário fazer cortes no quadro de funcionários. Recentemente, a Renault suspendeu o terceiro turno de produção na fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná. Com isso, foram fechados 747 postos de trabalho.

Para o novo chefe da Renault, houve um equívoco na estratégia da empresa para o Brasil. Ele se refere à priorização da participação de mercado em detrimento das margens de lucro. Dessa forma, a empresa não vai mais buscar a fatia de 10% vislumbrada por seu antecessor, Carlos Ghosn. Na visão do atual CEO da marca, 5% ou 6% (de participação) bastarão. Para isso, a fabricante passará a oferecer carros mais lucrativos.

Logan e Sandero

Sandero e Logan na mira
Nova geração dos compactos Sandero (foto) e Logan pode demorar a chegar – ou até mesmo não vir ao Brasil. Crédito da foto: Divulgação

O novo direcionamento da Renault, portanto, é produzir e vender veículos de maior valor agregado, como SUVs e picapes. Assim como a Ford está fazendo. Por isso, a francesa irá priorizar o desenvolvimento da nova geração do Duster e de sua variante picape, a Oroch. Estes modelos passarão a utilizar a plataforma modular CMF-B. Além disso, os dois carros terão desenho e acabamento “padrão Renault”, e não Dacia, como ocorre atualmente A romena é a marca de baixo custo do grupo para países emergentes.

Dessa maneira, ficariam congelados os investimentos na renovação dos compactos Logan e Sandero, que foram os principais responsáveis por elevar o patamar de vendas da Renault no Brasil nas últimas décadas.

Para produzir a nova geração da dupla, revelada em 2020 pela Dacia, a Renault precisaria fazer grande investimento na atualização da linha de montagem na fábrica paranaense. E isso não vai mais ocorrer.

Novos Kwid e Captur

Enquanto espera pela recuperação dos negócios no Brasil, a Renault terá dois reforços, que já estão no cronograma de lançamentos de 2021. O primeiro será a reestilização do Kwid, seu modelo de entrada, que deve adotar o visual do compacto indiano.

O Captur também terá as linhas atualizadas. O SUV compacto ganhará o inédito motor 1.3 TCe, com turbo e tecnologia flexível, com potência de cerca de 170 cv e torque estimado de 25 mkgf. O câmbio será automático do tipo CVT que simula oito marchas. O Captur 2022 deve ser lançado em maio, segundo o site Autos Segredos. (Estadão Conteúdo)

Comentários