Motor

Declínio do pedal de embreagem

A venda de carros automáticos cresceu nos últimos anos
Declínio do pedal de embreagem
98% dos compradores do Fiat Toro preferem o modelo equipado com câmbio automático. Crédito da foto: Divulgação

Neste ano, 52,4% de todos os automóveis vendidos no Brasil saíram de fábrica com câmbio automático. É a primeira vez que isso ocorre. Os dados se referem aos emplacamentos de carros de passeio, picapes e SUVs nos quatro primeiros meses de 2020, incluindo os modelos para PCD. As informações são da IHS Markit, consultoria especializada no setor de veículos.

Os números são parciais e podem mudar ao longo do ano. Mas apontam fortemente para a consolidação de uma tendência que vem ganhando força no País há bastante tempo.

Em 2010, apenas 10,6% dos automóveis vendidos no Brasil tinham câmbio automático. O avanço ganhou mais força a partir de 2014, quando 23,5% dos automóveis emplacados no País eram automáticos. Em 2019, batemos na trave, com 49,5% de participação.

É quase certo que a tendência registrada no primeiro quadrimestre se consolide. Se isso ocorrer, será o primeiro ano da história em que as vendas de automáticos vão superar a de carros com câmbio manual. Há risco, ainda que pequeno, de que esse avanço perca fôlego. E o motivo tem nome e sobrenome: novo coronavírus.

A explicação é simples. O mundo emergirá da pandemia mais pobre do que submergiu. Um dos sinais vem da Comissão Europeia. O produto Interno Bruto (PIB) gerado pelo bloco deverá recuar 7,7% em 2020.

Leia mais  Avanços de segurança e conectividade na S10
Declínio do pedal de embreagem
Crédito da foto: Divulgação

“Alguns comportamentos do consumidor do futuro vão mudar, porque novas ansiedades e dores vão surgir dessa pandemia” disse em entrevista ao jornal O Tempo o presidente da FCA para a América Latina, Antonio Filosa. Segundo o executivo, uma mudança possível é o transporte público se tornar opção secundária para muitos consumidores. Esse comportamento foi observado na China.

Filosa acredita que o brasileiro deverá preferir andar com o próprio carro, o que pode dar impulso às vendas de modelos de entrada. E modelos mais baratos têm câmbio manual.

Presidente da Anfavea, associação que reúne as fabricantes de veículos do País, Luiz Carlos Moraes concorda. De acordo com ele, o brasileiro quer um carro mais completo, com tecnologias avançadas voltadas ao conforto e à segurança. Mas há a questão da perda de renda. “Pode ser que em um primeiro momento o consumidor opte por modelos mais simples.”

Moraes lembra que o carro é visto como uma “área de proteção” contra o novo coronavírus. “Está havendo uma mudança de comportamento da sociedade por causa da doença”, afirma. Segundo ele, ainda é cedo para saber como o consumidor irá reagir. “A consulta aos sites de venda de veículos continua alta. Há muitos consumidores querendo comprar‘, diz.

Leia mais  Seis maneiras de “fazer” dinheiro com seu carro

Moraes lembra que várias marcas passaram a investir mais na oferta online de carros. Essa modalidade de negócio permite que o consumidor inclua o custo do seguro, por exemplo, na parcela do financiamento. O executivo afirma que o cliente busca por modelos específicos e tem clareza sobre os equipamentos que o veículo tem. “Ele sabe o que quer.”

Mais vendidos

Um dado curioso diz respeito ao ranking de automóveis mais vendidos do País com câmbio automático. No topo está a picape Toro, da Fiat. Das 65,5 mil unidades emplacadas em 2019, 98% tinham esse tipo de transmissão.

Declínio do pedal de embreagem
Quem compra Yaris quer câmbio automático. Crédito da foto: Divulgação

Em seguida vêm a linha Yaris, da Toyota, os Jeep Renegade e Compass e o Nissan Kicks. (Tião Oliveira – Estadão Conteúdo)

Comentários